A Filosofia, para poucos?

A filosofia da Maçonaria é, provavelmente, o menos compreendido de todos os assuntos relativos ao nosso ofício. É relativamente fácil para os Maçons individuais obter um conhecimento razoável de seu simbolismo. No entanto, muitos irmãos, mais cedo ou mais tarde encontrarão a filosofia em sua busca do conhecimento no âmbito da Maçonaria, e ao fazê-lo sentirão que, enquanto alguns de seus pares podem entendê-la, para eles, ela é incompreensível.

Há, talvez, duas razões principais para isso. Primeiro, a visão quase universal que os grandes filósofos do passado eram gigantes intelectuais cujo pensamento estava em um avião acima da compreensão do homem médio. Segundo, quase todos, em algum momento ou outro, para sua própria edificação teve um breve encontro com as obras de Platão, Sócrates ou as de outros filósofos grandes, e, sem ninguém para guiá-lo, desistiu da leitura após alguns capítulos.

Como resultado, ele chega a pensar a filosofia como algo apenas para os poucos sortudos que podem compreendê-la.

Não há mistério na filosofia. Pelo contrário, é uma regra e guia para o desenvolvimento de uma atitude em relação a vida, uma atitude bonita ou não, dependendo do indivíduo. Podemos facilmente remover a sensação de que a filosofia maçônica é incompreensível ao defini-la; o dicionário indica que a filosofia é “o amor ou a busca da sabedoria” dividida em três ramos:

  • natural;
  • moral; e
  • filosofia metafísica.

Podemos descartar duas dessas categorias. Estamos principalmente interessados em filosofia moral, uma vez que a Maçonaria é uma ciência moral. Assim, para aplicar a definição acima para a Maçonaria, devemos buscar sabedoria na filosofia moral.

Sabedoria é o uso do conhecimento ou julgamento. Inteligência determina ou limita a extensão de um processo de pensamento. Poderíamos até mesmo dizer que a inteligência governa a nossa capacidade de reter o conhecimento. Conhecimento, em si, é fácil de alcançar. É um dos itens mais baratos que podemos adquirir e podemos adquiri-lo dentro das limitações de nossa inteligência. Sabedoria, por outro lado, é dado por Deus.

Para entender melhor a área em que devemos dirigir nossos esforços nesta busca. a sabedoria moral, vamos examinar a história do Jardim do Éden.

Segundo a história, a serpente levou o fruto proibido da árvore da Sabedoria e o deu a Eva, que por sua vez o deu a Adão e ambos comeram do mesmo. Quando Deus soube disso, Ele expulsou-­os do Jardim, porque, depois de ter comido do fruto proibido, eles haviam se tornado, em parte, como Deus. Para citar o Capítulo 4, versículo 22 do Gênesis,

E o Senhor Deus disse: ‘Eis que o homem se tornou como um de nós, conhecendo o bem e o mal.

Assim, ao homem foi dado o poder de escolha. É neste campo de escolha que temos de trabalhar para atingir a filosofia moral.

Antes de desenvolver este assunto mais profundamente, devemos considerar muito brevemente alguns escritores de renome na filosofia maçônica. Quatro dos mais importantes são William Preston, Karl Krause, George Oliver e Albert Pike.

William Preston nasceu em Edimburgo, na Escócia, em 7 de agosto de 1742. Ele estava relacionado com a indústria de impressão, tornou um maçom e foi Mestre de sua Loja aos 25 anos. A ele é creditado a construção das palestras de Grau na forma que temos hoje, principalmente a palestra de Companheiro. Vivendo em um período de intelectualidade, era natural para ele pensar que o conhecimento era a chave para a filosofia da Maçonaria.

Karl Krause nasceu perto de Leipzig, na Alemanha, em 1781. Ele foi o fundador de uma escola de direito e professor de direito por anos. Ele também escreveu extensivamente sobre filosofia do direito. Krause abordou a filosofia maçônica através da moral e argumentou que a manutenção de uma ordem social significa responsabilidade para o homem.

George Oliver nasceu na Inglaterra, em 5 de novembro de 1782. também foi professor e era um mestre em gramática na King Edward’s School. Ele baseou sua filosofia maçônica na tradição, alegando que a Maçonaria pura foi ensinado por Seth aos seus descendentes antes da grande enchente, e que a Maçonaria é, portanto, uma ciência tradicional da moralidade.

Albert Pike nasceu em Boston, em 29 de dezembro de 1809. Ele nos deu uma abordagem (para além do real ou material) metafísica para a filosofia maçônica.

Além desses quatro, tem havido muitos outros que têm escrito longamente sobre a filosofia maçônica. Cada um com seu próprio ponto de vista a respeito do assunto e na revisão do que eles escreveram, é necessário ter em mente o tempo e as circunstâncias em que viviam, e quais eram ou são as influências sobre seu raciocínio.

Nós estabelecemos anteriormente que “Sabedoria Moral”, é o objetivo da nossa busca. Em que área vamos buscar? Uma vez que a Maçonaria é uma ciência moral, há apenas um lugar para procurar. Esse local está entre o rico simbolismo e alegorias em que é velado – o ritual.

Símbolos são simplesmente objetos materiais usados para expressar um pensamento, ideia ou preceito. Alegorias são usadas, em muito, da mesma maneira que os símbolos: elas são “símbolos de imagem” ou “figuras de linguagem”. Alegorias podem envolver uma pessoa, coisa ou um acontecimento ou uma combinação dos três. A partir dessas figuras de linguagem que se deve derivar para nós um significado moral. Cada membro do Ofício desenvolve dentro de si mesmo lições de moral compatíveis com os modos de comportamento condizente a um homem bom e verdadeiro. Assim, ele atinge a sabedoria na moralidade.

Filosofia moral não é uma coisa do passado. Para o estudante moderno é tanto uma coisa do presente e do futuro. O homem é sempre influenciado e até mesmo controlado pelos padrões morais do seu tempo. Da mesma forma, qualquer filosofia que ele pode desenvolver dentro de si mesmo, para o governo de sua conduta, deve necessariamente ser influenciada pelos costumes e os padrões de sua época.

Tendo definido a filosofia maçônica, de uma maneira peculiarmente sua, vamos ver como pode ser aplicada.

Devemos considerar o pré-­requisito absolutamente indispensável para se tornar um maçom – a crença na divindade. Que papel desempenha a Divindade em nossa filosofia?

Uma vez que Deus deu ao homem o poder de escolha, o homem precisa de uma força que o auxilie a controlar essa escolha. Deus é essa força. Alguns dos termos que são comumente aplicadas a Divindade:

Deus é amor”, “Deus é a fonte de todo bem”, “Deus é a fonte de onde todo o fluxo de bênçãos”, “Deus é o Criador”, “Deus é tudo verdade“, ”Deus é onipotente“.

Acreditar na Divindade é aceitar tudo isso sem dúvida. Segue-­se, então, que o homem está submetido a Ele, simplesmente porque o homem acredita – porque ele foi criado à Sua imagem. Uma vez que um maçom deve acreditar na Divindade, em teoria, pelo menos, ele pode ter apenas pensamentos bons. de onde vêm as boas ações, Assim governado, ele pode ser apenas um homem justo e correto. Isso aponta para a perfeição. Mas o homem ter uma escolha não é garantia de ser sempre perfeito, porque às vezes ele vai errar na escolha.

A Maçonaria reconhece isso e demonstra tal reconhecimento pelo simbolismo do ponto dentro de um círculo. A Maçonaria percebe que o homem precisa de alguma latitude em seus pensamentos, palavras e ações. Ela também reconhece que o homem precisa buscar um ponto de equilíbrio, uma vez que as emoções do homem se estendem “da profundidade até o cume“.

Em algum lugar entre esses extremos é o ponto de equilíbrio perfeito, onde o homem pode encontrar a felicidade e realização completas. Entretanto, inevitavelmente, há situações em que as circunstâncias exigem que o seu ponto seja deslocado para cima ou para baixo. Este é governado pelos pensamentos do homem, como também influenciado pelo conjunto existente de circunstâncias. Se o pensamento é controlado, assim são também as emoções, criando o local de repouso do ponto de equilíbrio. A Maçonaria busca estabelecer esse controle pelos ensinamentos do ponto dentro de um círculo. O círculo estabelece a linha de limite além da qual ele não deve ir. O Homem estabelece as dimensões do círculo pelo efeito limitante das Sagradas Escrituras e pelos exemplos dos dois grandes santos. Assim, embora o indivíduo seja rude e grosseiro, ou aprendido e polido, os ensinamentos deste simbolismo maçônico especial assinalam claramente o limite que determina o justo e reto.

Vamos agora considerar a alegoria do terceiro grau e ver como ela pode ser aplicada em nossa busca por sabedoria na moralidade.

O que é a aplicação moral do quadro de palavras que constitui a lenda de Hiram Abiff?

Aqui estava um homem, talentoso, dando todo o seu imenso conhecimento para a tarefa de projetar a maior parte do Templo com seus adornos bonitos e supervisionar a sua edificação. Quão orgulhoso ele deve ter ficado ao ter uma parte tão importante na construção do maior edifício do seu tempo! Maior, não porque ele era tão grande, mas porque era para ser a morada do Deus Altíssimo. Mas o ciúme e a inveja eram abundantes, assim como eles são hoje. É fácil ver como muitos dos operários, sobrecarregados com a superstição, pensaram que ele tinha algum segredo místico que lhe permitiu realizar essa grande tarefa tão soberbamente. E se eles poderiam obter esse segredo, eles também poderiam ser de igual importância. Portanto, eles conspiraram para forçá-lo a revelar este segredo.

Hoje, constantemente também somos vitimas da ignorância, e é tão mortal como era no tempo de Hiram Abiff. Para aquele que consegue alguma medida de sucesso é quase certo o despertar da inveja e críticas de seus semelhantes. E suas ações provam o axioma de que a língua é mais poderosa que a espada. Eles criticam, ridicularizam, estão crucificando e às vezes eles conseguem destruir o bom nome de sua vítima. No entanto, ao longo de tudo isso como objeto de seu veneno, a pessoa deve manter a sua fidelidade para com seus semelhantes e aos seus ideais como fez nosso irmão antigo.

Poderíamos continuar a ilustração da nossa responsabilidade para com nossos irmãos e nossos semelhantes, a necessidade para o controle de nossos pensamentos e nossos desejos e paixões e sobre a filosofia da nossa Fraternidade. No entanto, cada maçom pode e deve analisar por si mesmo cada símbolo, cada alegoria, de modo a aumentar a sua sabedoria e seu conhecimento da filosofia maçônica. Assim, ele formará sua filosofia pessoal, encontrará a Sabedoria Moral e terá sua vida mais rica e mais plena.

Espera-se que este breve tratado sobre a filosofia da Maçonaria inspire todos os membros da nossa Sublime Ordem a pesquisar o significado do que se julgava perdido para ele, e também que, como um Mestre Maçom, possa desfrutar feliz, o reflexo de seus atos na sequência de sua vida.

Traduzido do francês por Ivair Ximenes Lopes

Screenshot_20200502-144642_2

Só foi possível fazermos essa postagem graças à colaboração de nossos leitores no APOIA.SE. Todo o conteúdo do blog é disponibilizado gratuitamente, e nosso objetivo é continuar oferecendo material de qualidade que possa contribuir com seus estudos. E você também pode nos auxiliar nessa empreitada! Apoie nosso projeto e ajude a manter no ar esse que é um dos blogs maçônicos mais conceituados no Brasil. Para fazer sua colaboração é só clicar no link abaixo:

https://apoia.se/opontodentrodocirculo

Sobre Luiz Marcelo Viegas

Mestre Maçom da ARLS Pioneiros de Ibirité, nº 273, jurisdicionada à GLMMG. Membro da Escola Maçônica Mestre Antônio Augusto Alves D'Almeida - GLMMG e da Academia Mineira Maçônica de Letras. Contato: opontodentrodocirculo@gmail.com
Esse post foi publicado em Filosofia e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para A Filosofia, para poucos?

  1. Paulo Mariz disse:

    Desculpe discorda de parte do pensamento. Sim, a filosofia maçônica é alinhavada com preceitos da filosofia moral, isto não resta dúvida. Não obstante a isto, coaduno com Albert Pike quando este debate a importância e maior relevância da metafísica. Tenho buscado uma maior digressão ou afastamento das questões, digamos; puramente morais e buscado um estudo das questões semióticas e metafísicas de nossos símbolos e rituais. Para muitos IIr.’. pouca ou nenhuma diferença há entre “o cirumponto” ou “ponto dentro do circulo”. Não acredito que nossos “Símbolos são simplesmente objetos materiais usados para expressar um pensamento, ideia ou preceito… A partir dessas figuras de linguagem que se deve derivar para nós um significado moral. ” (retirado do texto). Se analisarmos nossos símbolos, signos, sinais e rituais de forma mais dilatada, concebendo que estes são perpassados (metafísica) com significados maiores que somente morais, teremos uma filosofia maçônica mais gnóstica. A filosofia maçônica que deve reverbera no mundo profano é a moral, isto concordo em gênero, número e grau. A BUSCA do entendimento dos verdadeiros buscadores maçom, deve ser (a meu ver) conhecer para conceber, uma filosofia maçônica metafísica. Para tanto, deveremos estudar relações semióticas (signos, sinais e símbolos) que estão intrinsecamente ligadas a metafísica.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.