Carta aos Irmãos Maçons, em Especial aos Novos Aprendizes

pluma-y-tinta-para-escribir2

Tenho uma alvissareira notícia para vocês: graças ao Grande Arquiteto do Universo o recesso do mês de julho acabou. Nosso retorno ao trabalho se avizinha, e, como é sabido, o Maçom é um homem diferenciado, por isso deve trabalhar para a Ordem e, consequentemente, para a sociedade que o cerca, o máximo de tempo possível.

Exagero?

Mas, não é esta a reflexão que os convido a discutir comigo. Estão arquivados, na pasta própria da Loja, vários trabalhos deste vosso Irmão conclamando a todos para uma mudança de enfoque, diretriz e comportamento maçônico, visando uma “sacudida” na atitude, no interesse, no apreço, na dedicação e no envolvimento de cada obreiro, objetivando o seu próprio crescimento maçônico e intelectual, bem como os Irmãos ao seu redor, a fim de alcançar e influir a sociedade em que vivemos.

Esse chamamento, como aqueles já arquivados, não será jamais sintoma de “fanatismo”, como se apregoa nestas bandas, como, precisamente, um doce convite ao comodismo.

Nestes dourados tempos de idealismo maçônico, ninguém se propõe amarrar uma bomba ou explosivo à cintura.

MOTIVAÇÃO é a palavra adequada, pois ela é uma das essências da vida.

Segundo o Irmão Ivann Krebs Montenegro, a princípio a palavra Motivação é um léxico constituído de duas palavras:

MOTIVO, que corresponde a uma causa, razão, escopo, propósito, aquilo que tem força para mover, que é princípio ou origem de alguma coisa, motor, moto, movimento, giro, móvel, fundamento, ânimo, pretexto, justificação, incentivo, estímulo, impulso, mola, intenção, etc., etc.

AÇÃO, com as significações de expressão de uma força, movimento, procedimento, influência, o que resulta da forma de agir, tudo aquilo que se faz, manifestação de uma força agente, atividade, dinâmica, empreendimento, energia, execução, exercício, força, fundamento, operação, realização, atuação, feito, façanha, obra, trabalho, demanda, pleito, peleja, comportamento, atitude, efeito, conseqüência, fruto, resultado, jeito, modo, posição, postura, atuação, influxo, ocorrência, acontecimento, etc., etc.

Na esteira do que nos ensina o Irmão Ivann, acrescentamos o substantivo feminino DEDICAÇÃO, que, segundo Aurélio é “a qualidade de quem se dedica; abnegação, consagração, devotamento, afeição profunda; veneração, amor, etc., etc.

Aprendemos, na aurora de nossa Iniciação, que todo maçom, na óptica da Ordem, é absolutamente igual. É um fato que logo passamos a comprovar: lá fora, na extensão do mundo profano, é… “Sua Excelência o Doutor Fulano, renomado cientista com larga clientela no país; é o General Beltrano, cinco estrelas, herói nacional”, porém, no interior do Templo Sagrado é o nosso Irmão, muito querido e atencioso que, muitas vezes, estudamos juntos a fascinante ritualística da Instituição. Na Ordem Maçônica somos iguais.

Mas, está escrito, é só aprofundarmos nossos conhecimentos. Há Maçons diferenciados, maçons mais maçons. Sim Senhor! Aqueles que se destacam pelo devotamento, pelo trabalho a serviço da Maçonaria, pela defesa intransigente dos seus postulados, que levam muito a sério seu juramento de obediência, enfim, aqueles que se antecipam para cobrir despesas inadiáveis de sua Loja, sem se preocuparem com reembolso, pois, acima de tudo, está o sentimento de fraternidade, de colaboração. Os Irmãos, cujo escopo deriva dessas qualidades são, facilmente, qualificados, são melhores identificados.

Não podemos, não devemos nos silenciar, especialmente os Irmãos com maior tempo de casa, e de mais experiência, se não quisermos ver sucumbirem os ideais desta notável “escola de homens de Bem”, nas ondas revoltas do mar da indiferença, se não tomarmos medidas de alcance que a atualidade nos impõe.

Loquazmente repetimos, pois somos Iniciados na maior Universidade de Conhecimentos que o homem sábio plantou sobre o Orbe Terrestre.

Acalenta-nos o ideal, sempre presente nos momentos de definição de rumos, que o Maçom é também um apóstolo, um pregador e executor inconteste, das boas ações, da ética, dos bons costumes, da prática da fraternidade, quando, bem fluente, é dotado da palavra fácil ou quando, ainda em melhores condições e muito mais importante, é um exemplo de homem, um paradigma de conduta irretorquível, modelo e espelho para a sociedade em que vive.

Por ser a nossa Sublime Ordem uma Universidade de conhecimentos, como nos referimos linhas atrás, e suas Lojas autênticas faculdades, estranhamos que Irmãos, bem posicionados, sejam contrários à abertura de novos Templos, desde que seus fundadores primem pela Constituição e pelos Regulamentos. Em nosso modesto entendimento, “Potência” é, tão somente, um procedimento administrativo, regulatório.

A Maçonaria é única, indivisível. Se a nossa Instituição é uma escola de formação e polimento de homens, na plenitude das palavras, nada mais justo que tantas escolas sejam arquitetadas e inauguradas.

Julgamos, por oportuno, que a Maçonaria Universal, entre nós, além de outras tarefas inadiáveis, deveria promover campanhas objetivando o culto do sentimento pátrio, das tradições da Nação Brasileira, as lembranças festivas das datas magnas, regionais e nacionais. Não reverenciamos com natural sobriedade a memória de brasileiros patriotas, a memória dos que lutaram por um Brasil indivisível. Esses notáveis brasileiros, em períodos críticos para a nacionalidade, foram rotulados de “tupiniquins”, de “xenófobos” e outros humilhantes adjetivos, a fim de que nossas riquezas fossem exploradas sem contestação. Banalizar o sentimento de uma nação é o caminhos mais curto para a expropriação.

Preocupa-nos os novos Irmãos Aprendizes, iniciados recentemente, que muitas vezes, dentro de sua imaginação, anteviam sessões ritualísticas calcadas em trabalhos de enunciada sutileza esotérica, que não fosse simplesmente, “o toque de malhete”.

Temos que ter em mente que, hodiernamente, aí está a “internet” que escancara ao mundo, a intimidades de nossos discretos atos, razão porque não se inicia mais candidatos com a mínima inocência do que lhe vai acontecer.

Ainda sobre o trabalho do portentoso Irmão Ivann, disse ele: “a maioria dos Irmãos está ansiosa para chegar ao término da reunião e ir participar dos encontros que acontecem sempre após, com a oferta de um bom jantar regado por umas boas cervejinhas”.

Vejam bem meus Irmãos, que o desinteresse em nosso meio é tão injustificável que até mesmo para esse encontro, que reputamos salutar, como elemento aglutinador dos maçons, pois é um complemento daquilo que pode e deve ser revelado, ocorre, semanalmente, com a participação de cinco ou seis Irmãos, apenas. É bom esclarecer aqueles ainda sem o necessário conhecimento histórico que a Maçonaria Universal, embora um ideal milenar, de fato se estruturou no Século XVIII, em torno de uma mesa, na Taverna do Ganso e da Gralha, em plena Londres, na Praça São Paulo, onde o “assado e o bom vinho” corriam soltos.

Autor:José Gomes Júnior – Zequinha
M.I. da Loja Acácia Mineira Nº 55 – GLMMG
Oriente de Espinosa/MG
Inspetor Geral da Ordem, 33º
Membro da Loja Maçônica de Pesquisas Quatuor Coronati “Pedro Campos de Miranda Autor do livro “ ASTROLOGIA

Anúncios

Sobre Luiz Marcelo Viegas

Mestre Maçom da ARLS Pioneiros de Ibirité, nº 273, jurisdicionada à GLMMG. Membro da Escola Maçônica Mestre Antônio Augusto Alves D'Almeida - GLMMG Contato: opontodentrodocirculo@gmail.com
Esse post foi publicado em Filosofia. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s