Platão e o Ritual Maçônico – Capítulo VIII

Resultado de imagem para PLATÃO E AS artes liberais

Desenvolvendo o Intelecto do Rei-filósofo

As Artes e Ciências Liberais

No capítulo anterior, examinamos uma fórmula simples, que reduziu a substância da obra de Platão A República a uma equação que é a fórmula idêntica ao modelo que usamos na Maçonaria… uma fórmula que foi adaptada por maçons classicamente treinados, bem versados em filosofia grega, que foram encarregados ​​de enquadrar o Ritual de Emulação inglês nos primeiros anos do século XIX.

Mas, antes de avançar, vamos nos certificar de que estamos entendidos sobre o que discutimos até agora…

Do ponto de vista de Platão, a formação de um líder pensante (Um rei-filósofo), envolvia dois passos importantes… a formação de seu intelecto e a formação de seu caráter.

Seleções da vida de Dion por Plutarco

Dion acreditava que esta situação resultou da falta de educação do tirano, e por isso tentou interessá-lo em estudos liberais… na esperança de formar seu caráter. 

Com Platão em Siracusa, Dionísio se submeteria aos seus ensinamentos, e assim ajudado, seu caráter poderia aceitar a disciplina imposta pela virtude… em obediência à qual o universo se move do caos à ordem… em suma, ele se tornaria um rei, ao invés de um tirano. 

Platão convenceria o jovem a desmantelar seus dez mil seguranças, dissolver sua frota de quatro mil cavaleiros e a multidão inumerável de infantes, e tudo isso a fim de buscar o bem inefável nas escolas da Academia, para fazer da geometria de seu guia para a felicidade e entregar as bênçãos do poder…

Traduções por: Rex Warner

Outra coisa que temos de ter claro sobre isso é que Platão acreditava que o acidente de gênero não tinha relevância se o rei-filósofo era realmente um homem ou uma mulher. Sua ênfase estava na competência, não no sexo.

O objetivo de Platão era criar um líder ideal – Alguém que fosse versátil e multi-dimensional – alguém que fosse capaz de harmonizar os diferentes aspectos da inteligência (assim como da emoção) para realizar julgamentos que fossem sólidos e que realmente lidasse com a situação com a qual houvesse necessidade de enfrentar.

Com esse entendimento, neste capítulo vamos explorar a dimensão intelectual do currículo de Platão. Estes são aqueles que se referem especificamente às Artes e Ciências Liberais. No próximo capítulo examinaremos as Virtudes Cardeais e sua aplicação em nosso Ritual e, igualmente importante, em nosso dia-a-dia.

As artes e ciências liberais (como as conhecemos hoje) compreendem sete assuntos. O número 7 tem um significado maçônico específico e algo a que nós retornaremos mais tarde.

No entanto – o curriculum original de disciplinas em A República de Platão não é composto por sete, mas por cinco assuntos. Eles eram:

  1. Aritmética;
  2. Geometria: Platão dividiu a geometria em duas correntes separadas. A geometria plana tratava de modelos bidimensionais, enquanto que a geometria sólida tratava modelos tridimensionais;
  3. Música;
  4. Astronomia;
  5. Dialética: A dialética era a arte de construir, expressar e defender argumentos. Ela envolvia as habilidades de gramática, lógica e retórica. Credita-se ao estadista romano e filósofo Cícero (106 a.C. – 43 a.C.) a divisão do campo da dialética em três correntes de gramática, lógica e retórica.

Até o momento em que a Idade Média havia chegado, o currículo original de Platão, de artes e ciências tinha se desenvolvido na estrutura que conhecemos hoje, e à qual nos referimos cada vez que assistimos a uma reunião de loja. Também é interessante notar que Cícero escreveu duas obras famosas que têm os mesmos títulos que os dois escritos mais famosos de Platão, – República As Leis.

Como um breve aparte, se olharmos para qualquer de suas representações em belas artes, notaremos que cada uma das artes e das ciências é retratada como uma mulher. A razão por detrás disso decorre do fato de que em Latim (e também em vários outros idiomas) os substantivos são classificados pela sua terminação de gênero – se o final da palavra é tipicamente masculino, feminino ou neutro. Em suas formas latinas, Grammatica, Logica, Rhetorica, Arithmetica, Geometrica, Musica, e Astronomica, cada uma delas tem um final feminino. Em latim, isso é mais comumente representado pela letra “a”.

Vamos agora olhar para cada uma destas artes e ciências em separado para entender o que elas estão destinadas a nos ensinar, assim como considerar as possibilidades que existem para nós de expressá-las significativamente em nossas vidas hoje.

As Três Artes

As três artes da lógica, gramática e retórica se relacionam com a nossa capacidade de nos comunicar usando a linguagem. Simplificando – estas são as artes que precisamos aprender e dominar, a fim de comunicar nossas ideias e visões, nossos desejos, nossas vontades e nossas necessidades eficientemente a outras pessoas por meio de palavras.

Gramática: Seu uso e importância

As regras da gramática determinam como as palavras são posicionadas em uma frase, de modo que a sua lógica seja clara e inequívoca. Cada idioma tem suas regras para a construção de frase (ou sintaxe) e é importante entender que as regras que governam a forma como as palavras aparecem em uma frase em inglês tem pouca correspondência com as regras quando elas aparecem nas frases de outras línguas.

Quando você ou eu construímos frases e sentenças e as colocamos em uma ordem correta, para que possamos fazer sentido para outros, quer por escrito, discussão particular, ou apresentação pública, estamos demonstrando competência na arte da gramática.

Um líder pensante precisa ser capaz de se comunicar de forma clara e com o mínimo de ambiguidade. Essa capacidade de usar a gramática de forma eficaz é sem dúvida o aspecto mais essencial para sermos capazes de apresentar o que somos aos outros. Neste contexto, a gramática constitui os blocos de construção de nossa própria auto expressão. Quando nos expressamos de forma clara, estamos expressando quem somos e o que defendemos. Importante, também expressamos contra o que nos posicionamos.

Devido ao poder desta forma de arte, é crucial, então, que desenvolvamos a capacidade de fazê-lo com precisão e eloquência.

Lógica: Seu uso e importância

Na sua forma mais simples, a lógica é a capacidade de construir um argumento sólido, ao invés de um argumento pobre.

Um dos traços distintivos de um líder de pensamento é a sua capacidade de pensar com clareza, encapsular a essência do argumento e trabalhar para a resolução do problema em questão. Ser capaz de fazer isso e argumentar de forma convincente com o pensamento claro, fundamentado e sequencial é uma forma de excelência intelectual e constitui a base das decisões políticas corretas e eficazes.

Retórica: Seu uso e Importância

“Se você tem um dom natural para falar, vai se tornar um orador famoso, desde que você melhore seu dom de conhecimento e prática; mas se alguma destas condições não se concretiza, você vai ficar aquém da sua meta naquela medida.” Platão, Fedro, 269 Trad: Hamilton.

Pergunte a qualquer número de pessoas qual é seu maior medo (e pondo de lado a morte e os impostos), a resposta universal (independentemente da cultura) parece ser falar em público. Surpreendentemente, a maioria das pessoas ficaria feliz em passar pela dolorosa experiência de um tratamento de canal dentário, que ficar de pé e de modo articulado e convincente dirigir-se a um grupo de pessoas. No entanto, esta capacidade de se comunicar com segurança e eficiência em um fórum público é uma das marcas que muitas vezes são utilizadas para identificar um líder.

Espera-se que um líder use o poder de sua voz para levar uma audiência a fazer alguma coisa – agir, apelando para o seu pensamento e envolvê-la emocionalmente. Ele incorpora uma série de habilidades de boa comunicação. Mais importante ainda, exige-se o uso da voz (não só o volume, mas o tom e a projeção). Também exige uma compreensão da linguagem corporal para expressar emoções (assim como as ler) e respostas emocionais de forma mais eficaz. Na verdade, isso está longe de uma proeza fácil de conseguir. Ela exige uma capacidade de “sentir” as diferenças na forma como o público responde durante uma apresentação. Isso exige versatilidade de se adaptar e se ajustar ao “humor” do público a qualquer momento.

Coletivamente, essas habilidades compreendem a competência da retórica.

Platão tinha um aluno fabuloso, que atendia pelo nome de Aristóteles. Aristóteles escreveu uma obra chamada Sobre a Retórica que lida especificamente com o uso correto da retórica. Nos parágrafos de sua abertura, ele tratou dos casos em que a retórica era usada incorretamente. Ele os descreveu como casos onde “raiva, piedade e emoções semelhantes” são despertadas quando elas “nada têm a ver com os fatos”.

Em sua essência, a retórica trata com ser capaz de falar com o que o Ritual descreve como eloquência persuasiva. Na terminologia moderna, a eloquência persuasiva provavelmente se aproxima mais da expressão mais comum de habilidade de vendedor. De um ponto de vista maçônico, é interessante trazer à mente que, durante a Cerimônia de Instalação do Venerável Mestre Eleito, tanto o Venerável Mestre quanto seu segundo vigilante são investidos com as palavras que orientam esses dois oficiais para o uso da eloquência persuasiva em todas as suas relações com os outros.

O termo eloquência persuasiva parece resumir (em um uso bastante econômico de palavras) o que o uso correto da retórica, na verdade, exige!

As Quatro Ciências

Enquanto as Artes se referem às habilidades de comunicação usando palavras, as Ciências se referem à habilidade de ser capaz de comunicar com os outros por meio de números e cálculos.

Aritmética

A primeira das ciências, é precisamente a ciência do cálculo.

Do ponto de vista de um líder, é importante saber como somar, subtrair, multiplicar e dividir. Serva da lógica, é uma ferramenta que você e eu consideramos uma matéria que nos é ensinada desde nossos primeiros dias na escola. Platão entendeu que a aritmética tinham aplicações muito práticas (especialmente para um general implantando suas tropas ou um comerciante para ganhos comerciais).

Ele também observou que as pessoas que são boas em aritmética têm uma tendência natural para demonstrar agilidade da mente também em outras disciplinas. De uma perspectiva prática, Platão até mesmo sugeriu que uma pessoa que carece de agilidade natural da mente pode utilizar a aritmética como meio para treinar sua mente a pensar com maior flexibilidade.

Embora um líder reconhecerá as aplicações práticas da aritmética, ele ou ela também será treinado para usar a aritmética como um instrumento específico de filosofia… como uma forma de compreender a verdadeira realidade ou dito de outra forma – Deus.

Devemos… convencer as pessoas que vão realizar as tarefas mais importantes da nossa comunidade a aprender aritmética. Eles não devem praticá-la como diletantes, mas devem manter-se nela até chegar ao ponto em que possam ver em suas mentes que os números realmente são… a fim de facilitar as mentes a se afastar cada vez em direção à verdade e a realidade.

Geometria

A segunda ciência é a ciência de cálculo espacial, de ângulos, distâncias e áreas. Platão dividiu este assunto em duas correntes separadas, e identificou-as como a geometria sólida e geometria plana.

Novamente, Platão reconheceu os aspectos práticos dessa ciência, mas seu propósito em um currículo para o desenvolvimento de líderes pensantes, era alinhar mente do líder com realidade máxima que ele expressa como a divindade. Como a ciência da geometria faz isso? Ela o faz por meio de um processo de disciplina mental, da mesma forma que a aritmética é uma disciplina mental projetada para despir os aspectos ilógicos e inúteis do trabalho ou da apresentação de um cálculo. A plataforma de Platão foi no sentido de treinar a mente – disciplinar a mente para ver a verdade por trás da ilusão da existência cotidiana.

O que temos a considerar é se os aspectos mais avançados da geometria que constituem o cerne do assunto têm alguma relevância no contexto da regularização do caminho para se vislumbrar o caráter de bondade. E o que estamos dizendo é que tudo é relevante no contexto, se obriga a mente a se voltar para o reino onde a parte mais abençoada da realidade pode ser encontrada; que a mente deve fazer o possível para ver… portanto… a geometria pode atrair a mente para a verdade. Ela pode produzir o pensamento filosófico…

Algo que tem profundo significado para nós enquanto maçons é a linguagem que adaptamos a partir dos escritos de Platão, especificamente em relação à divindade.

Por exemplo, em “Timeu”, Platão criou o primeiro mito grego da criação do universo por um único deus (ao invés de uma multiplicidade de deuses). Neste mito, Platão descreve que este deus criou o mundo usando formas geométricas. Nesse sentido, ele é o Geômetra do Universo.

Platão foi de fato o primeiro a usar esta imagem de deus como o Geômetra do Universo. Da mesma forma, Platão foi o primeiro a usar a imagem de deus como o arquiteto do universo. O próprio termo grego do qual deriva a palavra arquiteto é arche-techton e significa – (arche) grande e (techton) artesão.

Platão propôs que o Geômetra do Universo criou o mundo a partir de quatro elementos básicos: Terra, fogo, ar e água.

À Terra ele designou o cubo:

ao ar – o octaedro:

ao fogo – a pirâmide:

e à água o icosaedro:

Toda a matéria foi formada pela coesão desses elementos em diferentes proporções, um ao outro. Uma vez que o universo fora criado, ele assumiu a forma que foi a própria imagem de si mesmo, de perfeição:

Portanto, ele o transformou em uma forma arredondada esférica, com os extremos equidistantes em todas as direções a partir do centro, uma figura que tem o maior grau de perfeição e uniformidade, pois ele julgava que a uniformidade era incalculavelmente superior ao seu oposto.

Astronomia

A terceira ciência – Astronomia – é a ciência da medição dos corpos celestes. Era também a ciência, através da qual o tempo era medido, não apenas as proporções do dia e da noite, mas também a maneira que as estações eram determinadas a partir de observações da chegada dos solstícios e equinócios.

… as sete Artes Liberais… eles são os resumos da verdade e, como Platão afirmava, as etapas do todo universal. Laurence Gardner, A Sombra de Salomão, Cap 2, pg. 24.

As artes liberais não eram ensinadas tanto como meio de preparar os alunos para ganhar a vida, mas para aumentar o seu conhecimento nas ciências filosóficas. Laurence Gardner, A Sombra de Salomão, Cap 2, pg. 22.

Agora, quando o Pai que tinha gerado o universo observado o colocou em marcha e vivo… ele estava bem contente… Porque antes que céu existisse não havia dia ou noite, nem meses ou anos.

Na época de Platão, a ciência da astronomia incorporava passos das questões universais tão diversos quanto o movimento dos planetas, astrologia e (estendendo um pouco), possivelmente até a previsão do tempo. Observando as cores do céu em diferentes pontos do dia, chegamos a regra prática que diz “…céu vermelho à noite, o deleite de marinheiro… céu vermelho de manhã, um aviso ao marinheiro”. Mais do que qualquer coisa, a astronomia era para Platão o método pelo qual um rei-filósofo seria capaz de deduzir a existência de um criador por trás do universo. Em sua própria maneira, ele constituía a base de um argumento primitivo do Design Inteligente. Platão argumentava que o saber intelectual e a admiração que sentimos quando olhamos para o céu, foi a origem da filosofia:

Como ela é, no entanto, nossa capacidade de ver os períodos do dia e da noite; dos meses e dos anos; dos equinócios e solstícios levou à invenção do número e nos deu a ideia de tempo e abriu o caminho para investigação sobre a natureza do universo. Essas atividades nos deram a filosofia…

Investigando a filosofia, não é de se admirar que o astrônomo encontrará aspectos do divino.

Um verdadeiro astrônomo… certamente pensa que o artista dos céus o construiu e tudo o que ele contém para ser tão bonito quanto tais obras podem ser…

Voltando brevemente ao nosso próprio ritual, achamos que a Instrução sobre a Primeira Prancha de Traçar reflete um sentimento idêntico:

O Universo é o templo da Divindade… e a Beleza brilha através de toda a Criação, em simetria e ordem.

A simetria e a ordem justa mencionada era ressaltada de maneira semelhante por Platão ao estabelecer paralelos entre as ciências da astronomia e a música e os sentidos humanos de visão e audição:

Os olhos são feitos para a astronomia… e pela mesma razão, as orelhas são supostamente feitas para o tipo de movimento que constitui a música. Se assim for, esses ramos do conhecimento são aliados um do outro. Isto é o que afirmam os pitagóricos.

Música / Harmonia

A quarta ciência é a medida de intervalos de som e frequências. Quantas vezes usamos na linguagem comum a imagem de estar “em harmonia” – uma imagem que evoca a noção de operar na mesma frequência / largura de banda que alguém ou alguma coisa? A frase nos fala em um nível subconsciente da harmonia que existe quando o que pensamos, o que sentimos e como nos comportamos estão perfeitamente alinhados.

… E a harmonia, cujos movimentos são semelhantes às órbitas dentro de nossas almas, é um dom das Musas… para servir como um aliado na luta para trazer a ordem a qualquer órbita em nossas almas que se tornou desarmonizadas e torná-lo concordante consigo mesma.

Do ponto de vista de Platão, a música era um método que nos ajudava (da mesma forma que a astronomia) a intuitivamente discernir a presença de um criador.

O que Platão defendia na concepção de um ciclo de estudos nas artes e ciências liberais, eram as ferramentas do oficio filosófico. Isso reflete o cuidado que nos é pedido em cada uma das Instruções sobre as Ferramentas de Trabalho. Em cada grau, nossa atenção é atraída para essas ferramentas de trabalho, não como ferramentas do ofício, mas como ferramentas especulativas (significando filosóficas) de vida.

Estas ferramentas intelectuais foram concebidas para ajudar uma pessoa a pensar – e não apenas nas aplicações prática do dia-a-dia desses campos do conhecimento, mas o mais importante – como um meio de alcançar um melhor entendimento mais satisfatório da relação entre Deus e a humanidade.

E esta é justamente a interpretação que aparece em nossa Exortação do Terceiro Grau:

… vocês foram levados no segundo grau a contemplar a faculdade intelectual e traçar seu desenvolvimento através dos caminhos da ciência celeste, até mesmo ao próprio trono de Deus.

Abaixo está uma tabela de algumas outras correlações entre as ciências em A República de Platão e o Ritual de Emulação.

                  Aritmética, Música, Geometria, Astronomia
Cerimônia do Ritual da Maçonaria Simbólica página nº Constituição do Sul da Austrália 13 º Delton, 2004 Escritos PlatônicosDiálogo / Paginação de Stephanus/ Tradução
Sete era uma alusão às sete Artes Liberais e Ciências, ou seja, Gramática, Retórica, Lógica, Aritmética, Geometria, Música e Astronomia.Segundo Grau. Pg. 149 Agora, o cálculo e a aritmética são inteiramente relacionados com o número… e eles claramente guiam a pessoa para a verdade… Então, a aritmética é um dos temas que estamos aparentemente procurando.Republic/525b / Waterfield

Portanto, Glauco, a geometria pode atrair a mente para a verdade. Ela pode produzir pensamentos filosóficos…

Republic/527b / Waterfield

E você não acha que a terceira deva ser a astronomia? Você não acha que um verdadeiro astrônomo… sente… que o artista dos céus os construiu… para serem tão bonitos quanto essas obras jamais poderiam ser?

Republic/527d e 530a/Wakefield Os olhos são feitos para a astronomia… e pela mesma razão, as orelhas são supostamente feitas para o tipo de movimento que constitui a música. Se assim for, esses ramos do conhecimento são aliados um do outro. Isto é o que afirmam os pitagóricos.

Republic/530d/ Waterfield.

Continua…

Autor: Stephen Michalak
Tradução: José Filardo

Fonte: REVISTA BIBLIOT3CA

Doação para manutenção do blog

Está gostando do blog, caro leitor? Só foi possível fazermos essa postagem graças ao apoio de nossos colaboradores. Todo o conteúdo do blog é fornecido gratuitamente, e nos esforçamos para fazer um ambiente amigável para os públicos interessados. O objetivo é continuar no ar oferecendo conteúdo de qualidade que possa contribuir com seus estudos. E agora você pode nos auxiliar nessa empreitada! Faça uma doação e ajude a manter o blog funcionando. Para garantir sua segurança utilizamos a plataforma de pagamentos PayPal e você pode contribuir usando o cartão de crédito, para isto basta clicar logo abaixo na bandeira correspondente ao seu cartão. Se preferir, pode também fazer sua doação por transferência bancária em favor de Luiz Marcelo Viegas da Silva, CPF 633.643.366-87, Banco do Brasil, Ag: 2115-6 CC: 14770-2.

R$10,00

Sobre Luiz Marcelo Viegas

Mestre Maçom da ARLS Pioneiros de Ibirité, nº 273, jurisdicionada à GLMMG. Membro da Escola Maçônica Mestre Antônio Augusto Alves D'Almeida - GLMMG e da Academia Mineira Maçônica de Letras. Contato: opontodentrodocirculo@gmail.com
Esse post foi publicado em Platão e o Ritual Maçônico e marcado , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Platão e o Ritual Maçônico – Capítulo VIII

  1. JOAQUIM MARTINS disse:

    Materia importantíssima, é bom ver que às redes socias, estão sendo um vetor de conhecimentos. Espero quê muitas pessoas participem. Nosso conhecimento é muito limitado, e sem noção alguma de análise. Vocês estão de parabéns.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.