O mercado de abertura de oficinas no Brasil

Imagem relacionada

O que se faz necessário para a abertura de uma nova loja?

A resposta está na ponta da língua da maioria dos IIr∴. Mas quando perguntamos por que querem abrir uma nova loja é que a conversa fica sem nexo. Muitos responderão que a abertura de uma nova loja está ligada à dissidência de outra loja já constituída.

Mas o que acontece? Essa dissidência se dá por conta de “divergências” de opiniões? Então, eu não concordo com algo e resolvo que eu serei o melhor exemplo fundando a minha própria loja? E o princípio da tolerância, do respeito a pluralidade dos pontos de vistas que encontramos diariamente em nossas sessões? Aí não servem mais como referência?

Já outros dirão que é puro ego. Somente para se tornar aquilo que demoraria anos, ou até décadas para acontecer naturalmente, esperando a maturação, o conhecimento necessário para se tornar um V∴M∴ em sua oficina. Neste aspecto, há de lembrar, que as constituições das obediências maçônicas exigem que um dos MM∴ seja um M∴I∴, o que descartaria esta hipótese para quem almeja o principal cargo da oficina. Entretanto, nada o impede que nessa nova formação, comece ocupando cargos nas luzes.

Bom, se “cargos” não deveriam ser o motivo principal para dissidências que levam a aberturas de novas oficinas, o que mais poderia ser? Quando o número mínimo de MM∴ resolve sair ao mesmo tempo para a abertura de uma nova oficina, o que acontece com esta oficina?

São diversas as oficinas que muitas das vezes aguardam ansiosamente a chegada de IIr∴ para poderem abrir seus trabalhos em número mínimo, conforme orienta a constituição maçônica. Imagine agora, saindo mais da metade de seu quadro? Seria um ato digno de um verdadeiro maçom? Algumas oficinas ainda sobrevivem na base de “convide” IIr∴ de outras oficinas para terem o número mínimo exigido para uma abertura de sessão. Outras, fecham suas portas. Batem Colunas.

Com a escassez de templos e o número elevado de novas oficinas, não é de se admirar que ao sair de seu quadro, você ainda irá utilizar o mesmo templo que o da sua antiga oficina.

Em um breve parecer, abrir novas oficinas não é lá um grande negócio. Perder parte do quadro de seus IIr∴, pode também não ser saudável para que se tenha uma vida longa como loja regular em sua potência e, quando falo em regular, digo, se manter financeiramente com as suas obrigações perante a sua potência. Sem dizer, é claro, do aluguel do templo, do condomínio, da luz, enfim, despesas que deverão ser rateados por um número menor de IIr∴ ativos.

O que acontece então com essas oficinas que ficam com seus números reduzidos?

A maioria acaba devendo para a sua potência, já que preferem pagar as despesas fixas da oficina. O que prejudica a oficina nessa decisão? Em nada, a potência irá parcelar essa dívida, mais cedo ou mais tarde. E o maçom? Bom, aí, já é um pouco diferente. Deixando de pagar o pecúlio, sua família não recebe o seu seguro.

Agora imagine, 20 anos ativo em uma oficina, seus IIr∴ por “divergência”, resolvem sair e abrir a sua própria oficina e, você, fica sem seus direitos. É óbvio que ninguém está aqui pelo incentivo do pecúlio, mas para algumas famílias, como pude presenciar, trouxe um pouco de tranquilidade até poderem se organizar com a partida do Ir∴.

A pior parte, e aí começo a entender, mas não concordar, a técnica da “iniciação em massa”. As taxas de iniciação variam muito entre as oficinas. Cada uma estipula o valor que acha “adequado” para aceitar um novo candidato. Aí chegamos em um ponto delicadíssimo.

Sustentar a oficina com iniciações, ou até mesmo, com o intuito de pagar dívidas com a potência, é a degradação dos pilares da maçonaria. As entrevistas são fracas, há um baixo nível de critério para indicações.

Quem dera, a taxa de iniciação fosse usada com fins hospitaleiros.

Mas então, por que ainda se abrem tantas oficinas no Brasil? Fortalece a imagem da potência dizer que tem algumas centenas de oficinas? Mesmo que a maioria esteja em situação de “bater colunas”?

Como fortalecer as colunas de uma oficina? Com regras justas, claras e não tendo uma potência que contribua em demasia para abertura de novas oficinas, que acabam prejudicando outras existentes, ficaria mais fácil preservar suas oficinas em saúde financeira e na composição de quadro.

A maioria dos templos está ocupado quase que diariamente, funcionando com diversas oficinas com números reduzidos em seus quadros. Nossa sugestão é que o processo de pedido de Kits, devam obedecer um critério de “aviso prévio”, para que a loja possa se organizar com a previsão de saída do IIr∴, com exceção de casos específicos apresentados aos dirigentes.

Enquanto no endereço de seu templo houverem oficinas com o quadro inferior a 50% da ocupação, não deve-se conceder a abertura de uma nova oficina neste mesmo endereço, aplicando-se a regra à todos os endereços que tiverem uma oficina desta potência.

Ou seja, fortalece as CCol∴ de sua oficina e em contrapartida, se tem um melhor controle para uma correta avaliação de novas indicações.

Autor: Ewerton Moraes Sarmento

Fonte: Estação Hospitaleiro

Anúncios

Sobre Luiz Marcelo Viegas

Mestre Maçom da ARLS Pioneiros de Ibirité, nº 273, jurisdicionada à GLMMG. Membro da Escola Maçônica Mestre Antônio Augusto Alves D'Almeida - GLMMG Contato: opontodentrodocirculo@gmail.com
Esse post foi publicado em Vícios e marcado , , , . Guardar link permanente.

3 respostas para O mercado de abertura de oficinas no Brasil

  1. Fabrício Iracy Simões disse:

    Muito interessante o texto, pois todos nós conhecemos oficinas que foram abertas para “provar” a Loja Mãe que os obreiros dissidentes são “capazes”.
    Penso porém, que se não sou capaz de promover a mudança que desejo de dentro pra fora, é provável que quem precise de mudança sou eu, e não o que está em volta de mim.
    Fabrício Iracy Simões
    ARLS Deus, Pátria e Família nº 154 do oriente de Corinto/MG

    Curtido por 1 pessoa

  2. Alex Sander Marques de Oliveira disse:

    Pior, já ouvimos a leitura de decreto de abertura de Triângulo Maçônico, em Belo Horizonte!!!!!

    Curtir

  3. Anderson disse:

    Uma explanação simples e curiosa.
    No entanto, e, tenho visto muito, é o objetivo de muitos que se candidatam a GM e a GMA, com o discurso de abrirem mais lojas e outros com um discurso mais esquisito ainda, o de que uma loja com 20 obreiros, em um sistema de rodizio das luzes demoraria muito para alguém se tornar, finalmente, um Venerável.
    Na eleição passada houve candidatos propondo a redução do mandato de GM, para que assim, mais pessoas e, em menos tempo pudesse ocupar o cargo.
    Coisas da moderna maçonaria.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s