A Câmara de Reflexões

Nicolas Poussin: Sacramento do Batismo, 1642.

I – Uma inspiração

Jesus disse: “Em verdade, em verdade vos digo: quem não nascer de novo não poderá ver o Reino de Deus”.

Nicodemos perguntou-lhe: “Como pode um homem renascer, sendo velho? Porventura pode tornar a entrar no seio de sua mãe e nascer pela segunda vez?”.

Jesus responde: “O que nasceu da carne é carne, e o que nasceu do Espírito é espírito.”

Sagradas Escrituras – Evangelho de São João, Capítulo 3, Versículos 3, 4 e 6.

Pieter Claez: Vanitas, 1625

II – Uma reflexão

A pintura propõe uma reflexão sobre a insignificância da vida terrena, a certeza da morte, a efemeridade das vaidades e a transitoriedade das coisas materiais. Uma tela típica da estética barroca, simbólica, do gênero natureza morta do século XVI. Este gênero é um tipo de arte simbólica chamada de “Vanitas” (vaidades em Latim), feita para impressionar o espectador, incluem símbolos como caveiras, que são lembretes da inevitabilidade da morte; ampulhetas, que são simbolizam a brevidade da vida; e assim por diante, presente na expressão latina “memento mori” que, se traduzido literalmente, significa “lembre-se da morte”.

III – Uma alegoria

Na Alegoria da Caverna, Platão descreve que alguns homens, desde a infância, se encontram aprisionados em uma caverna. Nesse lugar, não conseguem se mover em virtude das correntes que os mantém imobilizados. Virados de costas para a entrada da caverna, veem apenas o seu fundo. Atrás deles há uma parede pequena, onde uma fogueira permanece acesa. Por ali passam homens transportando coisas, mas como a parede oculta o corpo dos homens, apenas as coisas que transportam são projetadas em sombras e vistas pelos prisioneiros. Certo dia, um desses homens que estava acorrentado consegue escapar e é surpreendido com uma nova realidade. Ao olhar a luz da fogueira seus olhos ficam ofuscados, pois ele nunca tinha visto a luminosidade. Ele caminha mais e com dificuldade chega à saída da caverna, deparando-se com uma luz ainda mais intensa: a luz do sol. Assim, a luz representa a sabedoria que liberta dos grilhões da ignorância.

IV – Uma alquimia

Os alquimistas acreditavam que o mundo material era composto por matéria-prima sob várias formas. As primeiras dessas formas eram os quatro elementos (água, fogo, terra e ar). Através da destilação, combustão, aquecimento e evaporação seria possível transformar uma forma ou matéria em outra. As matérias-primas do processo alquímico são, entre outras, o sal, o mercúrio e o enxofre. A Alquimia, deve ser interpretado como uma metamorfose, uma passagem de um plano de realidade para outro e a modificação do sujeito em sua própria natureza. Em outras palavras, à medida que o alquimista se transforma interiormente, ele aumenta sua capacidade de modificar o mundo que o cerca.

V – Uma boa nova

Na tradição cristã é o galo quem anuncia a boa nova, tanto do nascimento de Jesus, cantando à meia-noite, quer saudando, ao nascer da aurora, a Ressurreição de Cristo para a vida eterna. De fato, na simbologia cristã, o Galo simboliza a nova luz. A Missa do Galo, também conhecida por Missa da Meia-Noite, é a missa da luz.

O Galo também simboliza o estado de vigília e vigilância, sobretudo na luta pelo bem e contra a traição e os desvios dos princípios da ética. É o galo que irá anunciar, com o seu canto, a traição de Pedro a Jesus, negando, por três vezes, conhecê-lo:

“Em verdade te digo: Hoje, nesta mesma noite, antes que o galo cante duas vezes, três vezes me terás negado (Marcos 14:30)”.

O galo anuncia que as trevas da noite dão lugar à luz do novo dia, na tradição Cristã, como o Sol, Jesus, com seu nascimento, traz a luz verdadeira para a humanidade.

Autores: Fabiano Fontana Breda; Robson Posnik; Cleverson Veríssimo Zawadski

Orientador: Marco Aurélio Visintin

A.·. R.·. L.·. S.·. Joaquim Gonçalves Ledo No. 3079 – Curitiba/PR.

Screenshot_20200502-144642_2

Só foi possível fazermos essa postagem graças à colaboração de nossos leitores no APOIA.SE. Todo o conteúdo do blog é disponibilizado gratuitamente, e nosso objetivo é continuar oferecendo material de qualidade que possa contribuir com seus estudos. E você também pode nos auxiliar nessa empreitada! Apoie nosso projeto e ajude a manter no ar esse que é um dos blogs maçônicos mais conceituados no Brasil. Para fazer sua colaboração é só clicar no link abaixo:

https://apoia.se/opontodentrodocirculo

Referências

http://pedro-juk.blogspot.com/2018/07/camara-de-reflexao-ii.html

http://cidademaconica.blogspot.com/2007/07/reflexes-sobre-cmara-de-reflexes.html

https://focoartereal.blogspot.com/2016/04/camara-de-reflexoes.html

https://www.freemason.pt/secmaconaria/simbolismo/a-camara-de-reflexao/amp/

https://bibliot3ca.com/os-simbolos-sal-enxofre-e-mercurio-da-camara-de-reflexoes-e-a-sua-genese-e-interpretacao-no-reaa/https://www.freemason.pt/macons/o-macon/o-meu-testamento-maconico/

Sobre Luiz Marcelo Viegas

Mestre Maçom da ARLS Pioneiros de Ibirité, nº 273, jurisdicionada à GLMMG. Membro da Escola Maçônica Mestre Antônio Augusto Alves D'Almeida - GLMMG e da Academia Mineira Maçônica de Letras. Contato: opontodentrodocirculo@gmail.com
Esse post foi publicado em Simbolismo e Símbolos e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.