A corda de 81 nós – Parte 1

Desvendamos todos os segredos e tradições da maçonaria em Jaraguá do Sul

“…Eu vejo a vida da mesma forma. Todos nós recebemos cartas aleatórias no início do jogo, alguns cartas melhores. E, embora seja fácil nos fixar no que está na mão, e sentir que nos ferramos, o jogo está nas escolhas que fazemos com essas cartas, nos riscos que decidimos correr e nas consequências com as quais escolhemos viver. Quem, de maneira consistente, faz as melhores escolhas diante das situações que se apresentam acaba ganhando no pôquer, e na vida. Não necessariamente que tem as melhores cartas…” (Mark Manson)

1 – Introdução

Como proposta, esse trabalho busca abordar o tema: A corda de 81 Nós.

Símbolo que consta em diversos contextos dentro da loja como dentro do templo, painel mosaico e historias de antigas reuniões. Porém, apesar de inúmero trabalhos já apresentados pelos IIr∴, ainda percebe-se pouco material de referência, ou até mesmo similares descrições, desprezando às vezes os conceitos existentes por trás do objeto “corda”.

Contudo, antes de darmos seguimento ao descritivo e intrigante tema, que muitas vezes é despercebido por alguns IIr∴, sinto a necessidade de contextualizar um pouco os sentimentos que me levaram a maçonaria, quanto seu enigmático universo de abordagens e conceitos e a capacidade de elucidar as minhas perspectivas diante da escolha do tema. Isso posto, não posso desconsiderar que a escolha do tema também está diretamente ligada ao que entendo como parte do que, mesmo desconhecendo incialmente a abordagem, me levou a aceitar o convite.

A maçonaria entrou num contexto do meu cotidiano através de alguns IIr∴ que prezo como seres realmente diferenciados, seja pela postura na sociedade, pelo conteúdo cultural presente, como também pela busca da evolução quanto ser humano para apoiar com pensamentos e trabalhos o mundo Profano.

Para não se tornar apenas um curioso de avental, ideia ao qual partilhei no início da minha jornada, dentro dos abismos luminosos da Maçonaria, me vi diante de um desafio de aprendizado e busca do conhecimento a fim de entender melhor os propósitos da minha caminhada, tão qual me sinto cada vez mais inserido aos desígnios do G∴A∴D∴U∴.

Com foco em entender melhor esses propósitos não cabe nenhum aprendizado sem a compreensão do real conceito e objetivo do que é a Maçonaria. Sendo assim, se faz necessário conceituar o seu significado e introduzir alguns conceitos que, aos olhos do profano podem ser simplificados e minimizados em sua importância, mas que nos olhos dos iniciados abrem portas para crescimentos e evoluções espirituais inimagináveis até aquele momento.

Dessa forma esse trabalho terá como parte de sua introdução o conceito da maçonaria em sua íntegra, se desdobrando para os conceitos de simbologia, aplicabilidade dele no objeto corda e suas aplicações na história e por fim a corda de 81 nós.

1.2 – Maçonaria

Muitos perguntam o que é a maçonaria? Contudo, poucos entendem, dentro do mundo profano, seus principais objetivos. Dessa forma, para melhor esclarecer a maçonaria proponho entendermos o significado da palavra na sua integra e, posteriormente, fazer uma associação aos seus conceitos como instituição e as características de um maçom.

A palavra Maçonaria é de origem francesa e significa construção, tendo como versão em português a expressão do francês maçon. Por extensão tem seu significado como “associação de pedreiros”.

Como se pode ver a maçonaria está relacionada à construção, associação de pedreiros que remetem ao crescimento, desenvolvimento e construção da sua personalidade dentro da instituição. Sempre seus atos são encaminhados ao conceito das obras realizadas. Não apenas pelo conceito literal da palavra, mas pelo seu significado e desenvolvimento diante dor IIr∴ e da sociedade como um todo. a qual identificamos como o mundo profano.

Entendendo melhor a maçonaria, Denizart Filho (2012, p.23) define bem como:

A Maçonaria é uma instituição filantrópica, filosófica e progressista, tendo por objetivo o aperfeiçoamento moral, intelectual e espiritual da humanidade, por meio da investigação constante da verdade, do culto inflexível da moral e da prática desinteressada da solidariedade.

A Maçonaria é uma associação de homens sábios e virtuosos, que se consideram Irmãos entre si e cujo fim é viverem em perfeita igualdade, intimamente unidos por laços de recíproca estima, confiança e amizade, estimulando-se uns aos outros na prática das virtudes.

A Maçonaria é um sistema de Moral, velado por alegorias e ilustrado por Símbolos.

A Maçonaria é uma ordem de fraternidade Universal, sujeita às leis de cada país. Em cada Estado, como em cada Loja, ela é uma sociedade íntima de homens escolhidos, cuja doutrina tem por BASE o amor a Deus e o amor aos homens; por REGRA, a religião natural e a moral universal; por CAUSA, a verdade, a luz e a liberdade; por PRINCÍPIO, a Igualdade, a Fraternidade e beneficência; por ARMAS, a persuasão e o bom exemplo; por FRUTO, a virtude, a sociabilidade e o progresso; e por FINALIDADE, o aperfeiçoamento e a felicidade da humanidade que ela tende a reunir sob uma só bandeira. Seu centro e seu império estão onde está o gênero humano; não se trata de uma sociedade secreta, mas de uma sociedade que tem um segredo.

Em cima das apresentações do que é a maçonaria, dentro das definições apresentadas por Denizart Filho (2012, p.110-111), um maçom deve ter como principais características:

  • A Virtude: Hábito de praticar o bem, o que é justo; é a excelência moral; probidade; retidão; o conjunto de todas as qualidades morais;
  • Honra: O sentimento que leva o homem a merecer e manter a consideração pública; é à consideração ou homenagem à virtude, ao talento, às boas qualidades humanas;
  • Bondade: É a disposição natural de se fazer o bem; benevolência; brandura; indulgência; boa índole.

Dentro desse processo de construção do aperfeiçoamento moral além dos estudos e trabalhos a serem realizados, a Maçonaria se constitui por características específicas, “armas para buscar a verdade, valores do qual deve se lembrar sempre em sua evolução, rituais e símbolos”. Esse ultimo designa um papel fundamental em resgatar de forma lúdica os conceitos e valores que regem as origens e prerrogativas dessa sociedade.

2 – Símbolos

Todas as historias, sejam da constituição de uma sociedade, irmandade, grupos religiosos, tão quais as crenças de em todas as suas culturas e localidades são compostas e/ou representadas por símbolos. Essas apresentações trazem conceitos, mensagens ocultas, ou simples representações que remetem sempre a algo de maior grandeza para os integrantes ou seguidores daquela ordem proposta. Importante ressaltar que suas origens, ao contrário do que se entende das propostas comuns citadas tem suas origens em outros meios.

Para entendermos melhor, Mark O’Connel e Raje Airey (2010, p.06) apresentam a sua origem sendo:

A palavra “símbolo” é derivada do grego antigo Symballein, que significa agregar. Seu uso figurado originou-se no costume de quebras um bloco de argila para marcar o término de um contrato ou acordo: cada parte do acordo ficaria com um pedaço e, assim, quando juntassem os pedaços novamente, eles poderiam se encaixar como um quebra cabeça. Os pedaços, cada um identificando uma das pessoas envolvidas, eram conhecidos com Symbola.

Portando um símbolo não representa somente algo, mas também sugere “algo” que está faltando, uma parte invisível que é necessária para alcançar a conclusão ou a totalidade. Consciente ou inconscientemente, o símbolo carrega o sentido de unir as coisas para criar algo maior do que a soma das partes, como nuanças de significado que resultam em uma ideia complexa.

Os autores ainda complementam:

Os símbolos são o coração da identidade cultural, passando informações sobre todos os aspectos da vida. São retirados de todas as fontes – animadas e inanimadas – para inspiração e aparecem em todas as formas concebíveis, tais como figuras metáforas, sons e gestos, como personificações em mitos e lendas ou representados através de rituais e costumes.

Quando abordamos no âmbito da maçonaria ela destaca esse elemento conceituando simbolismo e símbolos. Não muito diferente dos conceitos já apresentados podemos dizer que o simbolismo se refere a um conjunto de símbolos. Esses remetem a fatos, crenças e formas de comunicação. Muito das suas origens e significados, acreditam terem surgidos nos templo egípcios e depois espalhados pelos demais povos.

Já os símbolos, pode se dizer que são representações emblemáticas de ideias ou princípios.

Segundo Denizart Filho (2012, p.65):

Em Maçonaria, todos os Símbolos são ligados à arte de construir, desde os objetos de construção, até ao exercício do ofício de do pedreiro; tais são: o Compasso, o Esquadro, a Régua, o Nível, o Prumo, a Trolha, aos quais hoje se empresta um sentido todo moral, espiritual e filosófico.

Dessa forma, levando em conta os objetivos e significados dos símbolos e, por consequência, o simbolismo na maçonaria, mediante os seus princípios é que abordaremos um dos símbolos mais presentes na historia da humanidade, a Corda. Objeto esse sempre presente nas mais diversas frentes e com as mais variadas aplicações e significados. Quando falamos sobre a maçonaria, esse objeto se destaca na Iniciação e na presença em Loja da corda de 81 nós.

Continua…

Autor: Marcelo Marcus Martins Costa

Marcelo é Aprendiz Maçom na ARLS Jacques DeMolay, nº22, do oriente de Belo Horizonte e jurisdicionada à GLMMG.

Screenshot_20200502-144642_2

Se você acha importante o trabalho que realizamos com O Ponto Dentro do Círculo, apoie nosso projeto e ajude a manter no ar esse que é um dos mais conceituados blogs maçônicos do Brasil. Você pode efetuar sua contribuição, de qualquer valor, através dos canais abaixo, escolhendo aquele que melhor lhe atender:

Transferência PIX – para efetuar a transação, utilize a chave: opontodentrodocirculo@gmail.com

Efetuando seu cadastro no Apoia.se, através do link: https://apoia.se/opontodentrodocirculo

Sobre Luiz Marcelo Viegas

Mestre Maçom da ARLS Pioneiros de Ibirité, nº 273, jurisdicionada à GLMMG. Membro da Escola Maçônica Mestre Antônio Augusto Alves D'Almeida - GLMMG e da Academia Mineira Maçônica de Letras. Contato: opontodentrodocirculo@gmail.com
Esse post foi publicado em Simbolismo e Símbolos e marcado , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.