Em busca da Apple Tree: uma revisão dos primeiros anos da maçonaria inglesa (Parte I)

Freemasons For Dummies: Freemasonry: It's About Food

A tradição que diz que em 24 de junho de 1717 quatro lojas maçônicas em Londres se reuniram na taverna Goose and Gridiron, perto da Catedral de St Paul, em Londres, estabeleceram a primeira Grande Loja e elegeram Anthony Sayer como seu primeiro Grão-Mestre é totalmente dependente de uma narrativa de James Anderson na segunda edição do Livro das Constituições em 1773. A narrativa de Anderson contém muitas contradições e inconsistências. Ao revisitar fontes como o relato de William Stukeley de sua iniciação em 1721 e um relato da eleição do Duque de Montagu como Grão-Mestre nos registros da Loja da Antiguidade, argumenta-se que a Grande Loja não foi criada em 1717, mas sim no jantar no Stationers’ Hall em Londres em 24 de junho de 1721, quando o Duque de Montagu foi eleito Grão-Mestre.

Introdução

Uma das vantagens de comemorar aniversários é que eles nos permitem reconsiderar e revisar os eventos comemorados. Assim, o 800º aniversário da Carta Magna em 2015 deu origem a novas descobertas sobre a origem do que foi adicionado ao documento original de 1215 e dos escribas que intervieram na sua elaboração; enquanto em 2016 o 400º aniversário de Shakespeare trouxe consigo o identificação de uma nova primeira edição e, graças à análise multiespectral, o rascunho do testamento do bardo de Avon foi datado. Esperamos que as celebrações do tricentenário da Grande Loja também deem um novo impulso às investigações do que Alfred Robbins chamou, em seu clássico artigo de 1909, de “os primeiros anos da maçonaria inglesa organizada”[1].

A pesquisa inovadora de Robbins sobre as primeiras referências à Grande Loja nos jornais da época nos mostra o quanto pode ser alcançado pela análise sistemática de fontes primárias. Infelizmente, poucos investigadores seguiram os passos de Robbins. O consenso geral ainda se baseia no que Albert Calvert expressou em seu livro publicado no bicentenário da Grande Loja, onde questionou se há evidências cada vez mais contundentes e autênticas sobre os primeiros anos desta organização maçônica do que aquelas fornecidas por James Anderson na edição de 1738 das Constituições[2]. Do nosso ponto de vista, pode-se fazer uma análise mais crítica das fontes que ainda existem sobre a história da Maçonaria na Inglaterra em 1723. Além disso, propomos que, após o estudo dessas fontes, se obtenha uma imagem totalmente diferente da fundação da Grande Loja do que a que Anderson escreveu. Esperamos que as celebrações do tricentenário, e o presente trabalho em particular, sirvam para reativar a investigação das fontes primárias nos primeiros anos da Grande Loja.

Mas vamos começar revisando o texto fundamental. A história da formação da Grande Loja em Londres foi contada pela primeira vez na edição de 1738 das Constituições de Anderson, ou seja, mais de 20 anos após os eventos que ela pretende registrar. Anderson relata a ascensão de George I ao trono inglês em 1714, bem como a rebelião liderada por Charles Stuart, o famoso Velho Pretendente. O autor das Constituições nos conta que, em 1716, uma vez que a rebelião foi sufocada, as poucas lojas que existiam em Londres se sentiram abandonadas pelo grande mestre Christopher Wren e decidiram “se encontrar e se estabelecer sob um Grão-Mestre, que seria o centro de união e harmonia” [3]. Anderson então lista as quatro lojas que se reuniram[4]. Primeiro, Goose and Gridiron Lodge[5], na área conhecida como St.Paul’s Churchyard. A sucessora desta loja é a Antiguidade nº 2. Em segundo lugar, a Crown Brewery Lodge, localizada em Parker’s Lane, perto de Drury Lane. Esta loja foi extinta por falta de membros logo após 1736. Terceiro, a Apple Tree Tavern Lodge, localizada na Charles Street na área de Covent Garden. A história desta loja é complicada, mas pode-se dizer que é a antecessora da loja Fortitude e da Antiga Cumberland nº 12. E, finalmente, a loja da taverna Rummer and Grapes em Channel Row, na área de Westminster. A sucessora dessa loja é a Royal Somerset House e Inverness nº 4.

Anderson relata que essas quatro lojas se reuniram na Apple Tree Tavern na Charles Street. Nessa reunião, “alguns irmãos mais velhos” também se encontraram, os quais, aparentemente, não eram membros de nenhuma das quatro lojas. A reunião foi presidida pelo mais velho dos Mestres Maçons. Anderson afirma que a assembleia “foi constituída como uma grande loja provisória na devida forma.” Como bem explicou Begemann há algum tempo[6], essa afirmação é puro jargão jurídico usado por Anderson para demonstrar a continuidade com os Grão-Mestres anteriores. No entanto, o resultado dessa reunião descrita por Anderson foi muito claro. As lojas reviveram as comunicações trimestrais da Grande Loja, concordaram em realizar uma reunião e banquete anuais e decidiram eleger um Grão-Mestre. De acordo com Anderson, em 24 de junho de 1717, um banquete de Maçons Livres e Aceitos foi realizado na Cervejaria Goose and Gridiron e que, antes do jantar, o mestre que havia presidido a reunião na Apple Tree Tavern propôs candidatos para o posto de Grão-Mestre. Uma votação foi realizada e Anthony Sayer foi eleito.

O relato de Anderson tem conotações topográficas muito importantes. Duas das pousadas estavam localizadas em Covent Garden, uma área que, com suas praças e mercados lotados, era a epítome do que o historiador Vic Gatrell descreveu como a “energia infinita e desordem rítmica” da vida urbana do século XVIII[7]. Este historiador sul-africano mostra-nos como a área de Covent Garden, com sua interessante mistura social de comerciantes, livreiros, artistas, atores, prostitutas e batedores de carteira, pode ser considerada o primeiro bairro artístico e boêmio. Uma das quatro lojas que Anderson lista se reunia na Tavern Crown em Parker’s Lane, uma rua estreita “mesquinha”[8] e perto das famosas “Hundreds of Drury”, uma das partes mais decadentes de Covent Garden[9]. É provavelmente a mesma Tavern Crown mencionada em um caso de 1722 aberto no Old Bailey, o tribunal criminal de Londres entre 1674 e 1913, no qual uma empregada do taberneiro foi acusado de roubar um capuz de seu patrono. Em sua defesa, a criada argumentou que qualquer pessoa poderia ter roubado a vestimenta, visto que a Tavern Crown era um local sem ordem, e afirmou que “o pior de que ela poderia ser culpada era ajudar seu patrão a conseguir prostitutas para os cavalheiros. “[10].

Charles Street, onde as negociações para formar uma Grande Loja deveriam ter ocorrido 300 anos atrás, ficava no coração de Covent Garden[11]. Em 1844, essa rua mudou de nome e hoje faz parte da Wellington Street, que é a continuação da Bow Street e a conecta com The Strandy e Waterloo Bridge. Para quem conhece Covent Garden, é a parte da Wellington Street ao norte da Tavistock Street, onde fica a entrada do antigo Flower Market e do London Film Museum. Charles Street foi um reflexo da importância de Covent Garden como um bairro de artistas. Os pintores Thomas Gibson e Isaac Collivoe Sr. viveram lá, e as pinturas de Collivoe foram vendidas após sua morte, em 1726, em uma casa de leilões e sala de concertos, na própria Charles Street, que era chamada de “The Vendu”[12]. O artista Claude du Bosc tinha uma loja nesta rua, na qual vendeu uma tradução de Ceremonies and Religious Customs of the Various Nations of the Known World, uma obra-chave escrita por Bernard Picart e Jean Frédéric Bernard, que continha uma ilustração de uma loja maçônica[13]. O dramaturgo e poeta laureado Collley Cibber e o ator Barton Booth também moravam lá. Mas Charles Street também foi um reflexo da extraordinária mistura social de Covent Garden. Abrigava a entrada secreta de Hummums, um banho turco famoso por ser um centro de prostituição, e o bordel administrado pela “Mãe” Hayward, que, após sua morte em 1743, recebeu um valor de 10.000 libras[14]. Em uma esquina da Charles Street, a viúva Hillmann oferecia o seu remédio “Prevenção venérea”, que garantia que “infalivelmente conquiste e destrua todas as partículas do veneno venéreo”[15].

A vida urbana agitada, enérgica, às vezes aterrorizante e muitas vezes imoral que se desenrolou na Inglaterra durante o século XVIII poderia ser desfrutada plenamente na Charles Street, o pano de fundo para o encontro que Robert F. Gould descreveria como “o momento mais importante da história da Maçonaria ”[16]. Mas esse encontro aconteceu na Charles Street? A Apple Tree Tavern existia? As respostas a essas perguntas são menos certas do que se poderia supor pela repetição do argumento de Anderson por mais de 300 anos. O relato da fundação da Grande Loja em 1716-1717 não foi divulgado publicamente em nenhum lugar antes da edição de 1738 das Constituições. Na edição de 1723 desta obra, não são mencionados de forma alguma os acontecimentos de 1717. Ao referir-se ao reinado de George I, as Constituições de 1723 apenas mencionam a colocação da primeira pedra de St. Martin-in-the-Fields, em setembro de 1722, e afirma-se que os maçons livres e aceitos floresceram sob a direção de seu Grão-Mestre, o duque de Montagu. A única referência feita a qualquer Grão-Mestre antes de Montagu é uma breve menção a George Payne, que ocupou o cargo durante os regulamentos de 1720[18]. De Anthony Sayer se diz que era um Vigilante da Loja nº 3, segundo a lista de lojas da versão de 1723 das Constituições, mas em nenhum momento se menciona que foi um Grão-Mestre[19].

Não é apenas a história da fundação da Grande Loja que está ausente das Constituições de 1723. Não há menção dos numerosos livros e artigos publicados sobre o assunto da Maçonaria entre 1723 e 1738, como William’s Pocket Companion for Free-Masons, de William Smith ou Maçonaria Dissecada de Samuel Pritchard. A primeira referência à Grande Loja foi feita no Post Boy de 24 a 27 de junho de 1721, onde uma nota foi publicada sobre o banquete em que o Duque de Montagu foi nomeado Grão-Mestre[20]. O documento mais antigo que sobreviveu, emitido pela Grande Loja, é um convite para o grande banquete de 1722, contendo uma gravura de John Sturt, o mesmo gravador que ilustrou a Cyclopedia de Ephraim Chambers[21]. O primeiro livro de atas da Grande Loja começa em 24 de junho de 1723. A história da Apple Tree, da Goose and Gridiron e das outras lojas é baseada inteiramente no relato de Anderson em suas Constituições de 1738. A hipótese é, como John Hamill explicou recentemente que “quando Anderson escreveu suas histórias, muitos dos que compareceram ou que conheciam aqueles que estavam presentes na taverna Goose and Gridiron em junho de 1717 ainda estavam vivos” e que eles o teriam retificado se necessário[22]. No entanto, essa suposição é um tanto arriscada.

Em fevereiro de 1735, Anderson apresentou duas queixas à Grande Loja: uma porque a primeira edição das Constituições estava esgotada e outra porque William Smith plagiou material de seu livro para compor o Free Mason’s Pocket Companion. Segundo Anderson, as Constituições eram “sua propriedade exclusiva”. Mas na verdade não eram. O formato e o texto lidos na página de título da obra deixam claro que os editores e detentores dos direitos autorais foram John Senex e John Hooke[24]. Anderson, que na época estava trabalhando com Hooke na tradução de Conversations in the Realms of the House of the Dead de David Fassmann, recebeu seu pagamento de Hooke e Senex na forma de “pagamento por página” (“copy money”) e não para todo o volume das Constituições[25]. Assim, não importa o quanto Anderson tenha reivindicado à Grande Loja, a edição de 1723 não era sua propriedade.

Duas figuras-chave na edição de 1738 das Constituições foram os editores Richard Chandler e Caesar Ward. Chandler fora aprendiz de Hooke e, após a morte de Hooke em 1730, adquiriu sua empresa e muitos dos direitos autorais que ela possuía[26]. Em 1734, Chandler fez parceria com seu cunhado, Caesar Ward, e eles procuraram expandir seus negócios para York[27]. As negociações de ambas as editoras para a compra do York Courant, em janeiro de 1739, foram provavelmente o motivo pelo qual a publicação da nova edição das Constituições foi atrasada, já que Anderson relatou que a obra estava pronta para impressão em janeiro de 1738, mas foi anunciada para venda já em janeiro de 1739. Por causa de sua amizade com Francis Drake, Ward esperava que as Constituições vendessem bem entre os maçons de Yorkshire. A importância de Chandler e Ward na produção das Constituições de 1738 é evidente no posterior destino da obra. Após o suicídio de Chandler em 1744 e a falência de Warden em 1746, as cópias restantes das Constituições de 1738 foram vendidas a um editor chamado Robinson, que aparentemente não era maçom. Robinson republicou o livro com sua própria página de título e sem referência à Grande Loja[28].

Como em 1723, era muito provável que Chandler e Ward pagassem a Anderson por página por seu trabalho nas Constituições de 1738. Os problemas financeiros de Anderson e o fato de ele ser um devedor sujeito às “regras de The Fleet”[29], eram um forte incentivo para sua produção literária. Ele e seus editores esperavam maximizar as vendas produzindo um volume mais completo e confiável do que seus concorrentes. Os anúncios da obra destacaram que “este novo livro tem quase o dobro de páginas do anterior, com muitas informações novas, especialmente sobre as transações da Grande Loja desde então”[30].

O trabalho de Anderson passou pelo escrutínio e correção de um grupo de grandes oficiais da Loja, mas não sabemos quem eles eram ou se eles tiveram algo a ver com os eventos de 1716-1717. George Payne e Jean-Théophile Desaguliers, duas figuras de suma importância nos primeiros anos da Grande Loja, ainda estavam em serviço como Grandes Oficiais por volta de 1738-1739. Mas muitos dos outros Grandes Oficiais haviam ingressado na Maçonaria muito depois de sua fundação. O fato de a Grande Loja ter ficado um tanto confusa com o que foi publicado na edição de 1723 das Constituições nos diz que a memória coletiva de seus primeiros anos não era muito boa.

Anderson começou a se envolver com a Grande Loja em 1721 e, portanto, não tinha conhecimento direto dos eventos anteriores. Mas, como bom historiador, assumiu a tarefa de coletar testemunhos orais e escritos, os quais tentou vincular. No final da edição de 1738 de seu livro, Anderson lista os irmãos que o apoiaram durante a sua preparação deste[31]. Em sua outra grande obra, Royal Genealogies, ele fornece uma lista semelhante. A lista de 1738 não era uma lista de membros, mas sim uma forma de divulgar suas conexões sociais e demonstrar sua autoridade no assunto. Assim, nesta lista encontramos os nomes do duque de Richmond, do conde de Inchiquin e do conde de Loudon. Outros listados, como os artistas John Pine e Louis-Phillippe Boitard ou o impressor Thomas Aris, são mencionados por sua intervenção na produção do volume. Alguns outros foram adicionados à lista à medida que contribuíam com informações sobre eventos específicos, como William Goston e o cientista Erasmus King, um amigo de Desaguliers, que atuou como Vigilantes durante a iniciação do Príncipe de Gales em 1737[32].

Muitos dos homens que Anderson menciona, como Martin Clare, William Graeme e Edward Hody, entraram na Maçonaria no final da década de 1720 e início da década de 1730[33]. É altamente improvável que Thomas Desaguliers, filho de Jean-Théophile, que tinha apenas 17 anos de idade e que começou a frequentar as lojas em 1738, tenha sido útil nas investigações de Anderson[34]. Dos maçons que Anderson menciona, que foram iniciados na Maçonaria no início da década de 1720, apenas um afirmou ter estado presente nos eventos de 1716-1717. Este é Jacob Lamball, um carpinteiro que foi nomeado o Primeiro Vigilante da Goose and Gridiron em 1717. Parece que Lamball foi a principal fonte de informações de Anderson para os eventos daquele ano. É surpreendente que Anderson não tenha mencionado Anthony Sayer em sua lista de agradecimentos, apesar de ainda estar vivo em 1738. Isso se explica pelo descrédito em que Sayer caiu devido às denúncias que foram movidas contra ele, em 1730, por iniciar maçons irregularmente, apesar de ter recebido ajuda financeira da Grande Loja. Se Anderson consultou Sayer, ele não estava disposto a ir a público.

Existem muitos elementos que desacreditam Lamball como testemunha dos eventos de 1716-1717. Apesar de ter sido nomeado Vigilante em 1717, não há evidências de sua atividade maçônica até março de 1735, quando serviu como o Primeiro Vigilante para substituir Sir Edward Mansell[35]. Isso aconteceu na primeira comunicação trimestral imediatamente após aquela em que Anderson propôs um novo esboço das Constituições. Suspeito, parece que o próprio Anderson foi o responsável pelo reaparecimento de Lamball na Grande Loja. Não se sabe como Lamball foi nomeado superintendente em 1735, pois há alguns problemas com sua história. Em 1717, Lamball era apenas um aprendiz de carpinteiro, pois começou seu contrato com John Manwell em março de 1714[36]. Lamball não se tornou um carpinteiro independente registrado na Carpenters ‘Company até 6 de junho de 1721[37]. Como aprendiz, o tempo de lazer e o descanso de Lamball eram estritamente controlados por seu mestre[38], por isso parece difícil que ele tenha sido capaz de se dedicar à organização da Grande Loja. Mas existem outras anomalias com Lamball. Quando se casou em 1725[39], declarou ter mais de 30 anos, o que significa que tinha cerca de 19 anos quando começou como aprendiz, idade superior à habitual de 14 anos. Em 1731, entretanto, Lamball era mais próspero e havia estabelecido sua própria carpintaria na Hyde Street, Bloomsbury, e estava alugando uma nova casa em Camberwell[40]. Ele continuou a frequentar a Loja até 1745. Em 1756, Lamball solicitou ajuda de caridade à Grande Loja devido à sua idade avançada e doença (ele tinha aparentemente 61 anos). Ele recebeu dez guinéus[41]. Ele morreu três anos depois e foi enterrado na Igreja de St George em Bloomsbury[42].

Anderson também se baseou em fontes escritas. O Grande Secretário John Revis deu-lhe acesso aos livros de atas da Grande Loja. No final do primeiro livro, há uma lista dos oficiais da Grande Loja, começando com Sayer como Grão-Mestre e continuando com Lamball e Joseph Elliot como Vigilantes. Essa lista foi alterada por Anderson, pois, após o nome do vigilante William Hawkins, nomeado em 1723, ele acrescentou: “quem enunciou e, em seguida, James Anderson AM foi eleito em seu lugar”[44]. Anderson também acrescentou as iniciais “A.M.F.R.S.” após o nome de Martin Clare, registrado em 1734. Independentemente de nossa opinião sobre as alterações feitas por Anderson no livro, isso confirma que a lista foi compilada independentemente de sua pesquisa e que ele a usou como fonte. Como o resto das atas, a lista de oficiais da Grande Loja foi escrita com a caligrafia de William Reid, que foi nomeado Grande Secretário em dezembro de 1727[45]. A fonte e a cor da tinta sugerem que Reid inseriu a lista no livro de atas depois de 1731, possivelmente em 1734. Assim, temos que esta lista, apesar de ser independente do trabalho de Anderson, também foi compilada muito depois da fundação da Grande Loja e provavelmente refletia o clima dentro dela na década de 1730.

Anderson fez o possível para reunir as histórias de pessoas como Lamball e os fragmentos de informações escritas, como os livros de atas mencionados anteriormente. Infelizmente, Anderson sucumbiu à tentação de atualizar e polir suas fontes. Ele acrescentou informações sobre Joseph Elliot, um dos Vigilantes da época de Sayer, afirmando que ele era um capitão. No entanto, não há informações a esse respeito nos arquivos militares. Anderson também acrescentou que John Cordwell, nomeado Vigilante da Grande Loja em 1718, era um “carpinteiro da prefeitura”. Cordwell era na verdade um membro do The City Carpenters Guild em 1738, quando se envolveu em uma batalha legal com o prefeito e o conselho devido a discrepâncias nos preços da madeira no contrato para a nova Mansion House[47], mas ele obteve esta posição em 1722 e não antes[48]. Da mesma forma, Richard Ware é mencionado na lista de oficiais como Vigilante da Grande Loja em 1720, e Anderson nos informa que ele era um matemático. Não há registros das contribuições de Ware para a matemática, mas sabe-se que foi um livreiro de sucesso e que muitas das obras que publicou tratavam da perspectiva e da arquitetura[49].

Continua…

Autores: Andrew Prescot e Susan Mitchell Sommers
Traduzido por: Luiz Marcelo Viegas

Fonte: REHMLAC

Screenshot_20200502-144642_2

Se você acha importante o trabalho que realizamos com O Ponto Dentro do Círculo, apoie nosso projeto e ajude a manter no ar esse que é um dos mais conceituados blogs maçônicos do Brasil. Você pode efetuar sua contribuição, de qualquer valor, através dos canais abaixo, escolhendo aquele que melhor lhe atender:

Efetuando seu cadastro no Apoia.se, através do link: https://apoia.se/opontodentrodocirculo

Transferência PIX – para efetuar a transação, utilize a chave: opontodentrodocirculo@gmail.com

Notas

[1] – Alfred Robbins, “The Earliest Years of English Organized Freemasonry”, Ars Quatuor Cororonati –a partir de ahora AQC–22 (1909):67-89.

[2] – Albert F. Calvert, The Grand Lodge of England 1717-1917 (Londres: Herbert Jenkins, 1917), 1.

[3] – James Anderson, The New Book of Constitutions of the Antient and Honourable Fraternity of Free and Accepted Masons (Londres: Caesar Ward and Richard Chandler, 1738), 109-110.A pesar de que existen ediciones en español de esta obra, se ha optado por hacer traducciones propias de los fragmentos citados por los autores del presente trabajo, con el fin de respetar la fuente original consultada por ellos (N. del T.).

[4] – Robert Freke Gould, The Four Old Lodges, Founders of Modern Freemasonry, and their Descendants (Londres: Spencer’s Masonic Depot, 1879). Un resumen conciso de lo descubierto por Gould se encuentra en “Fortitude and Old Cumberland Lodge No. 12”,CollectedEssays and Papers relating to Freemasonry(Belfast y Londres: William Tait, Spencer & Co., 1913), 183-187.

[5] – Se respetarán los nombres en inglés de las logias, tabernas, cervecerías, calles y lugares de referencia para facilitar su ubicación en otras fuentes y medios(N. del T.).

[6] – Wilhelm Begemann, Early History and Beginnings of Freemasonry in England, trad.LionelVibert, manuscrito resguardado en la Library and Museum of Freemasonryde Londres, 575. Este manuscrito es una traducción de los dos volúmenes de Begemann, Vorgeschichte und Anfänge der Freimaurerei in England(Berlín: E. S. Mittler, 1909) que estaba siendo preparada para su publicación por la logia Quatuor Coronati, pero que nunca vio la luz debido a la negativa de publicar el trabajo de un investigador alemán durante la primera guerra mundial.

[7] – Vic Gatrell, The First Bohemians: Life and Art in London’s Golden Age (Londres: Allen Lane, 2013),4.

[8] – JohnStow y JohnStrype, ASurvey of the Cities of London and Westminster(Londres: A. Churchill, J. Knapton, 1720), vol. II, 76.

[9] – Gatrell, FirstBohemians, 29-44.

[10] – Old Bailey Proceedings Online, 7 de septiembre de 1722versión 7.2, ref.f17220907-1.

[11] -Sobre Charles Street, véase “’Bow Street and Russell Street Area: The former Charles Street”, enSurvey of London: Volume 36, Covent Garden, ed. F.H.W.Sheppard (Londres: London County Council, 1970), 195-196.

[12] -Daily Journal,19 de enero de 1727.

[13] -Timothy Clayton, “Du Bosc, Claude (b.1682,d.in or after1746)”,en Oxford Dictionary of National Biography(Oxford:Oxford University Press, 2004), no. índ. 101008118; Lynn Hunt, Margaret Jacob y Winjand Mijnhardt, The Book that Changed Europe: Picart and Bernard’sReligious Ceremonies of the World(Cambridge, MA: Harvard University Press, 2010).

[14] -Fergus Linnane, Madams: Bawds and Brothel Keepers of London(Stroud: Sutton Publishing, 2005), 37, 95.

[15] -London Journal, 7 de octubre de 1721.

[16] – Gould, Four Old Lodges, 45.

[17] – The Constitutions of Free Masons (Londres: William Hunter for John Senex and John Hooke, 1723), 44-48.

[18] – The Constitutions of Free Masons,58.

[19] – The Constitutions of Free Masons,74.

[20] – Robbins, “Earliest Years”, 68. El reporte publicado en el Post Boy se reimprimió en el Weekly Journal or British Gazetteer, el 1 de julio de 1721, en el Weekly Journal orSaturday’s Post, también del 1 de julio de 1721, y en el Ipswich Journal, del 24 de junio de 1721.

[21] – Oxford, Bodleian Library, MS. Rawlinson C. 136, f. 5. Dado que este grabado ha sobrevivido hasta nuestros días, parece extraño que Anderson mencione, en la edición de 1738, que se comisionó un nuevo grabado para los boletos del banquete anual de 1723. Book of Constitutions, 115.

[22] – John Hamill, “When History is Written”, Freemasonry Today,7 de junio de 2016.

[23] – Quatuor Coronatorum Antigrapha –a partir de ahora QCA–10 (1913):244-245.

[24] – Si la logia o Anderson hubieran sido los titulares de los derechos de autor de las Constitucionesde 1723, entonces la página de título habría dicho algo como “Impreso para el autor (o la Gran Logia) y vendido por John Senex y John Hooke”, como se ve, por ejemplo, en la obra de 1725 de William GarbottNew-River, la cual dice “impreso para el autor y vendido por J. Hooke en The Flower-de-Luce de St Dunstan”. Véase M. A. Shaaber, “The Meaning of the Imprint in Early Printed Books”, The Library25 (1944), 120-141. James Ravenindica que, a principios del siglo XVIII, “los derechos de reproducción de una obra generalmente eran comprados por el librero-editor o por un consorcio de libreros. La mayoría de los autores renunciaba a cualquier reclamo sobre la titularidad; los derechos se dividían en participaciones entre distintos grupos de libreros”. Véase James Raven, “The Book Trades”’,en Books and their Readers in Eighteenth Century England: New Essays, ed. IsabelRivers (Leicester: Leicester University Press, 2011), 15. Acerca de los “pagos por página”, véase Richard Sher, The Enlightenment and the Book: Scottish Authors and their Publishers in Eighteenth-Century Britain, Ireland and America(Chicago y Londres: University of Chicago Press, 2006), 215-216. Tobias Smollett recibiótres guineas por cada página de Complete History of England.

[25] -La traducción de la obra de Fassmann tiene una referencia a la elección de un gran maestro por parte de los masones. Véase Prescott, “The Publishers of the 1723 Book of Constitutions”, AQC 121(2008):160, donde se indica que dicha traducción se publicó en 1719. La fecha correcta de la publicación es 1723, lo cual se deriva de los anuncios aparecidos en la prensa (en algunos casos, el libro de Fassmann se publicitaba junto con las Constituciones). Véase British Journal, 16 de febrero de 1723; London Journal, 9 de marzo de 1723. El crédito de Anderson como traductor y autor de la referencia a la masonería se hizopúblico en la reimpresión de 1739 del libro de Fassmann, posterior a la muerte de Anderson, en la página de título. News from Elysium or Dialogues of the Dead(Londres: J. Cecil and F. Noble, 1739). Sobre Fassmann, véase C. Sammons, “David Fassmann’s Gespräche in dem Reiche der Toten”, Yale University Library Gazette 46 (1972):176-178; yJ. Rutledge, The Dialogue of the Dead in Eighteenth-Century Germany(Fráncfort y Berna: Herbert Lang, 1974).

[26] – Prescott, “Publishers of 1723 Book of Constitutions”, 161-162.

[27] – Sobre Ward, véase further C. Y. Ferdinand, “Ward, Caesar (bap. 1710, d.1759)”, en Oxford Dictionary, no. índ. 101064292;y W. G. Day, “Caesar Ward’s Business Correspondence”, Proceedings of the Leeds Philosophical and Literary Society, Literary and Historical Section19 (1982):1-8. El catálogo A catalogue of books printed for Caesar Ward and Richard Chandler, at the Ship between the Temple-Gates in Fleet-Street, and sold at their Shop at Scarborough, 1734, se encuentra en la British Library: RB 23.a.5967.

[28] – QCA12 (1960), 80-81. John Entick, en su prefacio a The Pocket Companion and History of Free-Masons(Londres: J. Scott, 1754), nos dice que la supervisión de Anderson de la producción de las Constitucionesde 1738, fue muy descuidada: “por el motivo que haya sido, ya sea por fuerza de su salud o por confiar en el manejo de extraños, esta obra se publicó en muy malas condiciones. Las regulaciones, que habían sido revisadas y corregidas por el gran maestro Payne, estaban interpoladas en ocasiones y, en otras, el sentido quedo totalmente obscuro y vago”.

[29] – The Fleetera una prisión londinense que albergaba, mayormente, a deudores. Muchos de los prisioneros en realidad no residían dentro de los muros del edificio, sino que vivían en los alrededores, pero tenían que sujetarse a las “reglas de The Fleet” (N. del T.).

[30] – Por ejemplo, véase London Daily Post and General Advertiser, 22 de enero de 1739; Country Journal and the Craftsman, 25 de enero de 1739; London Evening Post, 27-30 de enero de 1739.

[31] – Book of Constitutions(1738), 229.

[32] – Sobre Erasmus King, véase J. H. Appleby, “Erasmus King: Eighteenth-Century Experimental Philosopher”, Annals of Science47 (1990):375-392. No queda claro si se trata del mismo William Goston que tuvo problemas legales con John Ward respecto a un proyecto de minería en sus tierras. RicBerman, The Foundations of Modern Freemasonry: The Grand Architects Political Change and the Scientific Enlightenment(Brighton: Sussex Academic Press, 2012), 167.

[33] – A Graeme se le menciona por primera vez en las minutas de la Gran Logia cuando fue nombrado oficial en 1734: QCA10, 241; Lo mismo sucede en el caso de Hody: QCA10, 254; sobre Martin Clare, véase Prescott, “Clare, Martin”,en Charles Porset y Cécile Revauger, Le monde maçonnique des Lumières: Europe-Amériques & Colonies, Dictionnaire prosopographique(París: Editions Champions, 2013), vol.1, 808-818.

[34] – Audrey T. Carpenter, John Theophilus Desaguliers: A Natural Philosopher, Engineer and Freemason in Newtonian England(Londres y Nueva York: Continuum, 2011), 241.

[35] – QCA10, 247.

[36] – “Jacob Lamball Son of Nicholas Lamball late of Sellborne in ye.Co [..] of Hants Yeom bound to John Manuel Citizen & Carpenter”, Carpenters’ Company, Minute Book of Courts and Committees, marzo 1713/1714, ref. GLCCMC251120116.

[37] – Archivo de la Carpenters’ Company,ref. GLCCMC251040025.

[38] – JoanLane, Apprenticeship in England 1600-1914(Londres: UCL Press, 1996), 95-116.

[39] – Lamball, declarado como miembro de la parroquia de St.Giles in the Fields, mayor de 30 años y soltero, se casó con Sarah Brown, mayor de 21 años,de la parroquia de St.Paul, Covent Garden, con licencia, el 23 de junio de 1725 en la iglesia de St.Benet’s, Paul’s Wharf, en Londres. Genealogical Society of Utah, Salt Lake City, FHL microfilms 547508, 574439, 845242.

[40] – Daily Advertiser, 5 de marzo de1731.

[41] – QCA12, 96-97.

[42] – London Metropolitan Archives, P82/GEO1/056: St George, Bloomsbury, registro de entierros, febrero de 1731 a marzo de 1761.

[43] – Agradecemos a Diane Clements y a Susan Snell por permitirnos consultar el libro original en la Library and Museum of Freemasonry.

[44] – QCA 10, xxiii-xxiv, 196. Songhurst sugiere que Anderson también borró la frase “quien substituyó a Mr.Hawkins” en la minuta en la que aparece como primer vigilante, del 24 de junio de 1723. Esto supone que Anderson nunca fue electo vigilante, pero que actuó como tal a partir del 28 de agosto de 1730.

[45] – QCA 10, XXV.

[46] – “City Carpenter” se refiere a aquellos miembros del gremio de carpinteros que obtenían puestos públicos en “the City”, el centro administrativo y financiero que, incluso en la actualidad, es independiente de Londres(N. del T.).

[47] – Gentleman’s Magazine9 (1739):214, 361-362; S. Perks, The History of the Mansion House (Cambridge: University Press, 1922), 178-87; Sally Jeffery,The Mansion House (Chichester: Phillimore, 1993), 78.

[48] – Evening Post, 16 de diciembre de 1721; Post Boy, 2 de enero de 1722. Un tal “señor Cordwell” aparece como miembro de la logia que se reunía en la taberna Queen’s Arms en 1725: QCA10, 32. No queda claro si esta referencia es acerca del Cordwell de esta historia o de su padre, que también fue carpintero pero que murió en 1728.

[49] – Richard Ware padre, fallecido en 1756, de acuerdo con The London Book Trades of the Later 18th Century, (Exeter: Exeter Working Papers in Book History) 10;A catalogue of books, printed for, and sold by Richard Ware, at the Bible and Sun on Ludgate-Hill, removed from Amen-Corner(Londres: ¿1755?).

Autor: Luiz Marcelo Viegas

Mestre Maçom da ARLS Pioneiros de Ibirité, nº 273, jurisdicionada à GLMMG. Membro da Academia Mineira Maçônica de Letras. Contato: opontodentrodocirculo@gmail.com

2 comentários em “Em busca da Apple Tree: uma revisão dos primeiros anos da maçonaria inglesa (Parte I)”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: