O maçom Simón Bolívar: entre o mito e a verdade histórica – Parte IV

Maçons Famosos - A∴R∴L∴S∴ 28 de Julho – 133

Proibição de sociedades secretas

Como resultado do fracasso da Convenção de Ocaña em junho de 1828, que confrontou os partidários do General Santander e os de Bolívar, e também do fracasso da conspiração contra Bolívar e sua tentativa de assassinato pela Sociedade Filológica, no final de setembro do mesmo ano [71] Bolívar e seus ministros consideraram conveniente prevenir futuras conspirações, portanto, evitaram encontros ilegais a pretexto de sociedades culturais. E com esse propósito emitiram o decreto de 8 de novembro de 1828, onde proíbem “associações ou fraternidades secretas” no território da República da Colômbia. Certamente, o decreto não menciona especificamente a Maçonaria, mas foi incluído tacitamente. A partir de 8 de novembro de 1828, a Maçonaria na Colômbia foi oficialmente dissolvida. A Maçonaria que, introduzida especialmente da Jamaica, a partir da década de 1820 adquiriu um notável desenvolvimento, com maior força no estabelecimento militar.

Desta proibição de Simón Bolívar, que junto com Francisco Miranda costuma ser colocado nas fileiras da Maçonaria, sendo este precisamente um de seus títulos de glória ou difamação (dependendo do ângulo de onde se olha) pouco se costuma dizer. No entanto, é curiosa a base ideológica que o próprio Bolívar faz no referido decreto de proibição posterior. Diz assim:

SIMON BOLIVAR

Presidente Libertador da República da Colômbia …

Tendo creditado a experiência tanto na Colômbia como em outras nações, que as sociedades secretas servem para preparar convulsões políticas, perturbando a tranquilidade pública e a ordem estabelecida; que ocultando todas suas operações com o véu do mistério, fazendo presumir fundamentalmente que não são boas nem úteis à sociedade, w por esse motivo levantam suspeitas e alarmes a todos aqueles que desconhecem os objetos de que se ocupam, tendo ouvido a opinião do Conselho de Ministros,

DECRETO:

Artigo 1. Na Colômbia são proibidas todas as associações ou fraternidades secretas, independentemente da denominação de cada uma.

Artigo 2. Os governadores das províncias, por si próprios e por intermédio dos chefes da Polícia dos Cantões, dissolverão e impedirão as reuniões das sociedades secretas, verificando cuidadosamente se há alguma nas respectivas províncias.

Artigo 3. Quem doar ou arrendar sua casa ou dependências a uma Sociedade Secreta terá de pagar uma multa de 200 pesos, e cada um dos que concordar, de 100 pesos pela primeira e segunda vez; para o terceiro e outros, a multa será o dobro; Quem não puder pagar a multa sofrerá dois meses de prisão pela primeira e segunda vez; e para o terceiro e outros, pena dupla.

Parágrafo 1.º As multas destinam-se a despesas policiais, a cargo dos governadores provinciais.

O Ministro Secretário de Estado do Gabinete do Interior é o responsável pela execução deste Decreto.

Dado em Bogotá em 8 de novembro de 1828.

O Ministro Secretário de Estado da Administração Interna, José Manuel Restrepo.

A respeito desse decreto sobre as sociedades secretas, há quem afirme que tal ordem foi dirigida especialmente contra a Maçonaria, em decorrência das divergências que surgiram entre Bolívar e Santander. No entanto, parece antes que este decreto pretendia acabar com certos grupos políticos que de outra forma mais ou menos velada conspiravam contra a estabilidade do governo. A Maçonaria que tinha partidários, tanto de Bolívar quanto de Santander, não podia ser excluída, embora Bolívar tivesse sido iniciado nela vinte e quatro anos antes.

O decreto de Bolívar pelo qual “todas as sociedades secretas ou fraternidades eram proibidas, independentemente da denominação de cada uma”, lembra outro decreto, um ano antes, datado e publicado em Granada, Espanha, no ano de 1827. Tem o seguinte título:

Édito do Ilustre Arcebispo de Granada em que é comunicado a todos os fiéis desta diocese e manda observar o Real Certificado de Sua Majestade e senhores do Conselho, pelo qual se manda guardar e cumprir a Bula, que é nele inserido, de nosso santíssimo Padre Leão XII, em que toda seita ou sociedade clandestina, qualquer que seja sua denominação, é proibida e novamente condenada [72] .

Decreto que coincide com a declaração quase textual ao definir o que se entende por empresas clandestinas. Como Bolívar faz com associações ou fraternidades secretas.

Seguindo o decreto de 8 de novembro de 1828 dado pelo maçom Simon Bolívar, todas as lojas maçônicas existentes em diferentes cidades da República foram fechadas [73]. Dessa forma, o Libertador de 1819 tornou-se o Libertador de 1828, segundo Antonio Caballero [74].

Conclusão

Acredito que não seja necessário recorrer a possíveis estudos psicossomáticos ou psicopatológicos de Bolívar [75] , e nem mesmo entrar no jogo da dificuldade dialética que a constante contradição bolivariana acarreta, para explicar que em algum momento de sua vida ele foi um Maçom. Talvez mais por curiosidade do que qualquer outra coisa, como diz Madariaga, seu detrator e ao mesmo tempo admirador [76] . E em outra, passou a considerar a Maçonaria ridícula, como parece que a declarou ao Peru de Lacroix em 1828, que a colecionou em seu Diario de Bucaramanga [77] , e que, pouco depois, a considerou não apenas ridícula, mas perniciosa, banindo pelo Decreto de 8 de novembro de 1828 [78] e praticamente encerrando sua existência na Grande Colômbia por vários anos.

Movemo-nos entre o homem e o mito, entre a lenda e a história. Mitos e lendas que não maculam a história nem o homem por isso, mas antes os enriquecem ensinando a aceitá-los com seus paradoxos e contradições, com sua multiplicidade de nuances, pois são [79]. Sem mais roupas do que aquelas de interesse que nos aproximam da realidade e verdade de um homem que neste caso tem o halo duplo com mais de cem anos, e que aos duzentos e trinta e sete anos de seu nascimento ainda está existindo olhado, talvez excessivamente, mitificado e manipulado em sua imagem em benefício de supostas ideologias bolivarianas distantes de sua realidade pessoal. Bolívar é um homem de quem, como se disse no Congresso Bolivariano de Caracas em 1983, é preciso sair de seu pedestal e levá-lo a passear pelos bairros extremos das cidades e por tantas nações latino-americanas para lembrar sua política. ou mensagem patriótica, maçônica ou simplesmente humana, confraternização, integração, independência de bairros desatualizados (externos e internos),

APÊNDICE I

Notas biográficas de Bolívar antes de sua iniciação maçônica

Os Bolívares têm origem em Marquina, um feudo da Biscaia (Espanha). Dos primeiros que há notícias confiáveis ​​são Simón Bolívar, o Ancião, que era secretário da Corte Real de Santo Domingo. Em 1587 já estava em Caracas com seu filho Simón Bolívar el Mozo ou el Americano, nascido em Santo Domingo. Foi o sacerdote fundador do Seminário Tridentino de Caracas. Em 1593 recebeu o encargo dos índios Quiriquire na cidade de San Mateo, a semente da propriedade da família Bolívar.

Ao longo dos séculos XVII e XVIII, os bolívares ocuparam altos cargos na administração colonial e nas milícias do rei da Espanha. Eles possuíam minas, extensas propriedades de terra e escravos negros para cultivar suas plantações. A família Bolívar alcançou grande prestígio social, fazia parte da chamada aristocracia Mantuan. Contribuíram para a construção do porto de La Guaira e para a defesa do território como oficiais da Coroa Espanhola.

Em 1783, quando Simón Bolívar tinha 3 anos, morreu seu pai, o coronel Juan Vicente Bolívar y Ponte. E em 1792, quando tinha apenas 9 anos, viu também morrer a sua mãe, Concepción Palacios y Blanco. Ambas as vítimas de tuberculose. A mesma doença que acabaria com Simón Bolívar em 1830 aos 47 anos de idade. Simón e seus outros três irmãos (Juan Vicente, Juana e María Antonia) foram deixados aos cuidados de seu avô materno, Feliciano Palacios. Simón, o mais indisciplinado, foi ensinado por Simón Rodríguez, um autodidata que marcou profundamente seu aluno, e Andrés Bello que lhe incutiu o interesse pela história e pela geografia. Aos 14 anos começou a receber treinamento militar no Regimento de Voluntários Brancos dos Vales do Aragua, onde alguns anos depois alcançou o posto de segundo tenente.

Primeira viagem a Espanha

Em janeiro de 1799, quando Simón Bolívar tinha 16 anos, embarcou para a Espanha no porto de La Guaira. Como Havana estava sitiada pelos ingleses, seu navio foi forçado a fazer escala em Veracruz. De lá foi para o mar e chegou a Santander no dia 30 de maio, de onde se mudou para Madrid. Ali o esperava seu tio Esteban Palacios em boa amizade com o secretário de Estado Francisco de Saavedra, ex-prefeito da Venezuela e amigo do pai de Simón Bolívar. Francisco de Saavedra, um ano antes, em 1798 havia substituído Godoy na primeira magistratura do Estado. Em 1800, o jovem Bolívar participava da vida social e política madrilena graças ao prestígio e aos amigos de seu tio Esteban Palacios, que também contava com a simpatia de Francisco de Saavedra.

Mas em 1801 Godoy recuperou o poder, Saavedra foi exilado e Esteban Palacios e sua comitiva presos. Simón Bolívar foi recebido na casa do Marquês de Ustáriz de Caracas, ex-ministro do Conselho Supremo da Guerra, ilustre e liberal promotor de reuniões sociais. Cuidou da formação de Bolívar, que conheceu María Teresa, filha de outro crioulo de Caracas, Bernardo Rodríguez del Toro, por quem se apaixonou tanto que a pediu em casamento. Isso levou Rodríguez del Toro a transferir sua filha para Bilbao, onde o próprio Bolívar logo chegou, perseguido pela polícia de Godoy. De Bilbao, Bolívar foi para a França, onde em Paris presenciou as celebrações pela paz de Amiens entre Napoleão e a Inglaterra, e onde buscou alguma imunidade ou segurança pessoal para retornar a Madrid.

Fê-lo pouco depois, e aos 19 anos, a 25 de maio de 1802, o casamento de Simón com María Teresa teve lugar em Madrid. De Madrid os noivos marcharam para La Coruña onde embarcaram para Caracas e a fazenda San Mateo onde se estabeleceram. Mas depois de cinco meses María Teresa morreu de febre amarela, Bolívar ficou viúvo aos 19 anos de idade.

Segunda viagem a Espanha

No final de outubro de 1803, ele iniciou sua segunda viagem à Espanha. Desta vez, desembarcou em Cádiz, onde estava seu tio Esteban Palacios, que havia recuperado a liberdade. A sua estada em Cádiz deve ter sido breve porque em fevereiro de 1804 já se encontrava em Madrid, de onde partiu com Fernando Rodríguez del Toro, primo de sua esposa, para Paris. Lá conheceu, entre outros americanos, Simón Rodríguez, seu tutor. Sabemos que Bolívar estabeleceu seu domicílio na rua Vivienne, no triângulo entre a Ópera, a Bolsa de Valores e a Biblioteca Nacional. Em Paris frequentou as reuniões de Madame Fany, conheceu Alexander von Humboldt e o naturalista Bonpland, com os americanos Montúfar, Rocafuerte, Tristan, entre outros. E em Paris ele começou na Maçonaria na Loja de Santo Alexandre da Escócia …

APÊNDICE II

Situação da Maçonaria Francesa quando Bolívar entrou

Os dois grandes ramos da Maçonaria universal, a inglesa e a escocesa, tiveram sua própria história na França. As primeiras lojas criadas na França no século 18 estavam de acordo com o modelo e influência ingleses até que em 1758 a Grande Loja da França se proclamou independente da Maçonaria de Londres, mas manteve a ortodoxia e os três graus clássicos de aprendiz, companheiro e mestre. Não foi até 1773 que o Grande Oriente da França foi criado.

Por sua vez, os escoceses constituíram a Grande e Soberana Loja de São João de Jerusalém, também conhecida como a dos Imperadores do Oriente e do Ocidente [80]. O Conselho desta Grande Loja enviou Etienne Morin para espalhar o sistema escocês nos Estados Unidos e nas Índias Ocidentais, onde as lojas inglesas predominavam.

Os americanos aceitaram o sistema escocês, denominado Rito da Perfeição, que alcançava apenas até o 25º grau, mas o aumentaram até o 33º grau e procederam à codificação do escocês dando origem ao antigo e aceito rito escocês. Em 1801, na cidade de Charleston, na Carolina do Sul, foi criado o primeiro Conselho Supremo do 33 [81] onde havia um francês, de nacionalidade americana, capitão de artilharia Alejandro Francisco Augusto, Conde de Grasse-Tilly, que em 1804 ele foi comissionado pelo Conselho Supremo como propagandista e difusor do antigo e aceito Rito Escocês. Após uma breve estada nas Índias Ocidentais, desembarcou em Bordeaux no início de julho de 1804. Pouco depois, o encontramos em Par t s como o fundador do Conselho Supremo do Grau 33[82] e um membro da loja de Santo Alexandre da Escócia que permaneceu fiel ao escocês em face do já poderoso Grande Oriente. Em pouco tempo e graças aos esforços de Grasse-Tilly, Santo Alexandre da Escócia tornou-se a Loja-Mãe Escocesa da França e a Grande Loja Geral Escocesa do antigo e aceito rito [83] com a intenção de ser o centro das diferentes obediências escocesas que até então haviam permanecido na França sem nenhuma relação entre si.

A constituição desta Grande Loja Geral Escocesa ocorreu em 22 de outubro de 1804 na sede da Loja Santo Alexandre da Escócia . Além da loja anfitriã, Santo Alexandre da Escócia , as lojas parisienses escocesas: La Parfaite Union, La Réunion des étrangers, Les Élèves de Minerve e Le Cercle oriental des Philadelphes . Nesse mesmo dia, Luís Bonaparte foi investido como Grão-Mestre da dita Grande Loja Geral Escocesa, e um mês depois, em 27 de novembro, seu irmão José Bonaparte tornou-se Grão-Mestre do Grande Oriente da França.

Dessa forma, a divisão da Maçonaria francesa que existia anteriormente foi patenteada e oficializada. Diante do Grande Oriente da França estava o Conselho Supremo do Grau 33. Porém, poucos dias depois, apenas três semanas[84], os responsáveis ​​pelos dois órgãos, José Bonaparte como Grão-Mestre do Grande Oriente da França e seu irmão Luis Bonaparte, Grão-Mestre da Grande Loja Geral Escocesa, eles chegaram a um acordo. Segundo o qual o Grande Oriente da França exerceria sua autoridade sobre os graus 1 a 18 e o Conselho Supremo de 19 a 33 [85]. Mas esse acordo provou ter vida curta, pois em 6 de setembro de 1805 os dignitários do Rito Escocês romperam com o Grande Oriente da França, e as duas instituições se separaram novamente [86].

Bolívar, que foi testemunha direta dessas divergências e já tinha outras preocupações políticas mais vitais e urgentes, não é de surpreender que esteja decepcionado com sua experiência maçônica parisiense.

Fim

Autor: Jose Antonio Ferrer Benimeli

Fonte: REHMLAC

*Clique AQUI para ler o artigo na íntegra.

Screenshot_20200502-144642_2

Se você acha importante o trabalho que realizamos com O Ponto Dentro do Círculo, apoie nosso projeto e ajude a manter no ar esse que é um dos mais conceituados blogs maçônicos do Brasil. Você pode efetuar sua contribuição, de qualquer valor, através dos canais abaixo, escolhendo aquele que melhor lhe atender:

Efetuando seu cadastro no Apoia.se, através do link: https://apoia.se/opontodentrodocirculo

Transferência PIX – para efetuar a transação, utilize a chave: opontodentrodocirculo@gmail.com

Notas

[71] – O guarda que guardava a residência do Presidente Libertador General Simón Bolívar foi surpreendido, que foi salvo de ser assassinado pela coragem de Dona Manuela Sáenz que o encorajou a se jogar na rua de uma varanda enquanto ela entretinha os conspiradores. Dona Manuela, chamada Libertadora do Libertador, era sua amante desde 15 de junho de 1822, dia em que se conheceram em Quito no baile que Dom Juan Larrea deu em homenagem a Bolívar, recém-chegado de Pasto. O idílio durou até a morte do Libertador, ocorrida em San Pedro Alejandrino, Santa Marta, em 17 de dezembro de 1830.

[72] – Ferrer Benimeli, Maçonaria Espanhola , volume I, 152-160 trata dos decretos semelhantes que Fernando VII deu na Espanha naqueles anos contra as sociedades secretas.

[73] – Segundo Carnicelli, La masonería , tomo II, 307 eram pelo menos trinta lojas: La Unión , Fraternidad Colombiana e Concordia Colombiana , de Caracas; Concordia e Valor y Constancia , de Valência; Por unanimidade, Bolívar e La Guaira , de La Guaira; La Amistad y Libertad , de Puerto Cabello; Os Irmãos Regeneradores , de Maracaibo; Protectora de las Virtudes , de Barcelona; Harmonia Perfeita , de Cumaná; The Prize-winning Virtue , de Carúpano; Amizade, de Barquisimeto; Unión Filantrópica , de Coro; Aurora , de San Felipe; San Juan de la Constancia , de Tocuyo; A Estrela do Leste da Colômbia no. 379 e La Concordia no. 792 , de Angostura; San Juan de la Margarita , da Isla Margarita; Fraternidade, As Três Virtudes Teológicas e Beneficência , de Cartagena; Fraternidade de Bogotana e corações sensíveis no. 20 , de Bogotá; Concordia de Boyacá , de Tunja; Hospitalidad del Magdalena , Honda; The Best Union , do Panamá; e lei natural, De Guayaquil.

[74] – Antonio Caballero, “A ação inútil”, História 16 VIII, n. 87 (julho de 1983): 65-69.

[75] – Diego Carbonell, Psicopatologia de Bolívar (Caracas: Universidade Central da Venezuela, 1965).

[76] – Salvador de Madariaga, Simón Bolívar (Londres: Hollis-Carter, 1952), tomo I, 222.

[77] – Carlos Restrepo, “Relatório sobre a Maçonaria e a Independência”, Boletim de História e Antiguidades 46 (Bogotá, 1959): 236.

[78] – Codificação Nacional , volume III, 437.

[79] – E não como gostaríamos que fossem.

[80] – Coen-Dumesnil, La Franc-Maçonnerie , 24.

[81] – Sua jurisdição se estendia ao sul dos Estados Unidos Em 1813, outro Supremo Conselho foi criado em Washington com jurisdição para o norte dos Estados Unidos.

[82] – Sua sede ficava “nas instalações da Rue Neuve-des-Petits-Champs, mais tarde conhecida como Galerie de Pompei. Cravo, Histoire Pittoresque, 241; Pérez Vila, The Masonic Experience , 329.

[83] – A constituição desta Grande Loja Geral Escocesa foi notificada a todas as lojas da França por uma circular datada de 1º de novembro daquele ano. Pérez Vila, The Masonic Experience , 328. Em 20 de outubro de 1804, dos dez membros do Conselho Supremo, seis pertenciam à loja de Bolívar [ Santo Alexandre da Escócia ]: Grasse Tilly, Thory, La Tour d’Auvergne, Bermond d’Alez d’Anduze, De Haupt e Bernardin Renier. Simon, Histoire du Rite Écossais , 88-89

[84] – Terceiro dia do décimo mês do ano 5804, de acordo com o calendário do sistema maçônico escocês.

[85] – Segundo Clavel, Histoire Pittoresque , 242, o acordo foi feito na residência do marechal Kellerman. Albert Lantoine, La Franc-Maçonnerie écossais en France (Paris, 1925).

[86] – Clavel, Histoire Pittoresque explica em detalhes essa crise que se tornou evidente em março de 1805. Jacques Simon, Histoire du Rite Écossais, 86-94. Em 3 de dezembro de 1804, De Grasse Tilly foi designado para a Itália como deputado do Príncipe Eugène de Beauharnais e deixou de ser Soberano Grande Comandante do Conselho Supremo do 33º Grau da França, sendo substituído pelo Príncipe Arqui-chanceler Cambacérès, nomeado em 8 de julho de 1806 e instalado em 13 de agosto. Pouco depois, em 4 de março de 1807, ele também foi nomeado Grão-Mestre do Rito de Filosofia da Escócia.

Bibliografia

Aguilar Meza, Ovidio. “En búsqueda de la verdad ¿Miranda fue masón?”. Biblioteca de autores y temas mirandinos. Los Teques: Ed. Simón Rodríguez, 2010.

Almeida de Carvalho, William. “Lojas Lautaro. Fatos e ficçoes”. En La masonería hispano-lusa y americana. De los absolutismos a las democracias (1815-2015). Coordinado por José Miguel Delgado Idarreta e Yván Pozuelo Andrés. Oviedo: Universidad de Oviedo – CEHME, 2017.

Avendaño, Rómulo. “La sociedad Lautaro. Rectificaciones históricas”, La Revista de Buenos Aires 19 (1869): 439-445.

Ballester Escalas, R. Simón Bolívar. Barcelona: Ed. Toray, 1963.

Barboza de la Torre, Pedro A. Simón Bolívar y la francmasonería. Maracaibo: S.C., 1977.

Barcia, Pedro Luis. “San Martín y la Masonería”. En San Martín. Catolicismo y masonería. Buenos Aires: Instituto Nacional Sanmartiniano, 1993.

Barcia, Pedro Luis. San Martín y la logia Lautaro. Buenos Aires: Gran Oriente Federal Argentino, 1950.

Beltrán Avila, Marcos. La pequeña Gran Logia que independizó a Bolivia (1823-1825). Cochabamba: Ed. Atlantic, 1948.

Berruezo León, María Teresa. “La propaganda independentista de la logia mirandina en Londres”. En Masonería española y América. Coordinado por José Antonio Ferrer Benimeli. Zaragoza: CEHME, 1993.

Berruezo León, María Teresa. “Londres una pionera de la propaganda americana independentista en Europa, 1808-1830”. Cádiz e Iberoamérica 7 (1984): 18-22.

Blanco-Fombona de Hood, Miriam. “La Masonería y nuestra Independencia”. El Repertorio Americano I (julio 1979): 59-70.

Boccia Romanach, Alfredo. La masonería y la independencia de América. Mitos e historia de las sociedades secretas. Asunción: Servi Libro, 2008.

Bohorquez, Carmen I. – Ghymers, Christian (coords). El papel de Miranda y su generación en la emancipación latinoamericana: identidad, integración regional y gobernabilidad. Caracas: ministerio del Poder Popular para la Cultura, 2006.

Bolívar, Simón. Discursos, proclamas y epistolario político. Selección Mario Hernández Sánchez-Barba. Madrid: Editora Nacional, 1978.

Bolívar, Simón. Escritos políticos. Selección Graciela Soriano. Madrid: Alianza Editorial, 1981.

Bolívar, Simón. Páginas selectas. Selección de José Roberto Arce. Madrid: Aguilar Crisol, 1975.

Briceño Belisario, Buenaventura. Humanos inmortales. La Habana: Lex, 1951.

Brihuega, Nicolás. Masones en las Letras. Huellas masónicas en la literatura universal. Oviedo: masonica.es, 2019.

Caballero, Antonio. “La acción inútil”, Historia 16 VIII, no. 67 (julio 1983): 65-69.

Calvet Fagundes, Morivalde. “La masonería y la independencia de América Latina”. En Masonería española y América. Coordinado por José Antonio Ferrer Benimeli. Zaragoza: CEHME, 1993.

Canter, Juan. “La logia Lautaro y la independencia de América según Antonio R. Zúñiga”. Crítica Histórica I (1933): 78-90.

Canter, Juan. “La logia Lautaro y la revolución de octubre de 1812”. La Nación, Buenos Aires, 3 octubre 1934.

Canter, Juan. “La logia Lautaro y Mendoza”. Revista de la Junta Provincial de Estudios Históricos II (Santa Fe: 1936): 78-90.

Canter, Juan. “La logia Lautaro y su evolución”. La Nación, Buenos Aires, 10 octubre 1934.

Canter, Juan. “La Sociedad Patriótica y la logia Lautaro”. La Nación, Buenos Aires, 10 octubre 1934.

Carbonell, Diego. Psicopatología de Bolívar. Caracas: Universidad Central de Venezuela, 1965.

Carnicelli, Américo. La masonería en la independencia de América (1810-1830). Bogotá: El Autor, 1970.

Carnicelli, Américo, Historia de la masonería colombiana (1833-1940). Bogotá: El Autor, 1975.

Carreras Damas, Germán. El culto a Bolívar. Caracas: Universidad Central de Venezuela, 1973.

Castro Olivas, Jorge Luis. Sociedades secretas y masonería en el proceso de emancipación peruana. Tesis de maestría en Historia, Universidad Nacional Mayor de San Marcos. Lima, 2009.

Catanzaro, Tomás. “Las Sociedades Patrióticas secretas de la emancipación”. Revista Luz 3, no. 9 (1952): 20 y ss.

Cerneau, José. Senda de las luces masónicas. New York: Wingslang, 1821.

Clavel, F.T.B. Histoire Pittoresque de la Franc-maçonnerie et des Sociétés secrètes anciennes et modernes. París: Pagnerre, 1843.

Coll y Prat, Narciso. Memoriales sobre la independencia de Venezuela. Madrid: Ed. Guadarrama, 1960.

Coen, Antoine – Dumesnil de Gramont, Michel. La Francmaçonnerie écossaise. Paris: E.E. Figuière, 1934.

Cuccorese, Ignacio Juan. San Martín y la masonería. Buenos Aires: Instituto Nacional Sanmartiniano, 1993.

Delaunay. Manuel maçonnique. Paris, 1821.

Denslow, William. 10.000 famous freemasons. Richmond, Virginia: Macoy, 1957.

Díaz y Pérez, Nicolás. La Francmasonería española. Madrid: R. Fe, 1894.

Duthu, D. “San Martín y la logia Lautaro”. Revista Eclesiástica del Arzobispado de Buenos Aires 5 (1905): 900-902.

Eyzaguirre, Jaime. La logia lautarina y otros estudios sobre la independencia. Santiago de Chile: Ed. Francisco de Aguirre, 1973. Montevideo: América Una, 1988.

Fernández Cabrelli, Alfonso. La francmasonería en la independencia de Hispanoamérica. Montevideo: América Una, 1988.

Fernández Cabrelli, Alfonso. Masonería y sociedades secretas en las luchas emancipadoras de la Patria grande. Montevideo: America Una, 1975.

Fernández Cabrelli, Alfonso. Masonería, morenismo, artiguismo: prensa e influencia de la francmasonería en los movimientos independentistas del Río de la Plata. Montevideo: América Una, 1982.

Ferrer Benimeli, José Antonio. “Aproximación a la historiografía de la masonería latinoamericana”. REHMLAC 4, No. 1 (mayo-noviembre 2012): 2-121. https://revistas.ucr.ac.cr/index.php/rehmlac/article/view/12144

Ferrer Benimeli, José Antonio y Susana Cuartero Escobés. Bibliografía de la masonería, 3 vols. Madrid: Fundación Universitaria Española, 2014.

Ferrer Benimeli, José Antonio, “Masonería e Independencia de Hispanoamérica: Miranda y las logias Lautaro. En La Masonería y la Independencia de Hispanoamérica. Tres siglos de fundación de la masonería simbólica (1717-2017). Tunja: Universidad Pedagógica y Tecnológica de Colombia, 2018.

Ferrer Benimeli, José Antonio. “A Maçonaria Bonapartista na Espanha”. En Formação Historica da Maçonaria. Río de Janeiro: Academia Brasileira Maçonica de Letras 1983.

Ferrer Benimeli, José Antonio. “Aproximación a las llamadas logias Lautaro”. Hoy es Historia IV, no. 23 (septiembre-octubre 1987): 45-58.

Ferrer Benimeli, José Antonio. “Bolívar masón?”. Historia 16 96 (abril 1984): 109-118.

Ferrer Benimeli, José Antonio. “Bolívar y la Masonería”. Estudos Ibero-Americanos IV, no. 1-2 (julho-decembro 1983) 1-51.

Ferrer Benimeli, José Antonio. “Bolívar y la Masonería”. Revista de Indias XLIII, no. 72 (julio-diciembre 1983): 631-687.

Ferrer Benimeli, José Antonio. “Cádiz y las llamadas logias Lautaro o Caballeros Racionales”. En De la Ilustración al Romanticismo. Ideas y movimientos clandestinos. Cádiz: universidad, 1988.

Ferrer Benimeli, José Antonio. “La masonería y la independencia de América española (Reflexiones metodológicas)”. Anuario de Estudios Americanos 35 (1978): 159-177.

Ferrer Benimeli, José Antonio. “Las logias Lautaro, los Caballeros Racionales y el movimiento independentista americano”. En Masonería y sociedades secretas en México. Coordinado por José Luis Soberanes Fernández y Carlos Francisco Martínez Moreno. México: UNAM, 2018.

Ferrer Benimeli, José Antonio. “Les Caballeros Racionales, les loges lotariennes et les formes deviées de la franc-maçonnerie dans le monde hispanique”. En Sous le masque de la francmaçonnarie. Editado por Jacques Lemaire. Bruxelles: Ed. de l’Université, 1990.

Ferrer Benimeli, José Antonio. “Mito, olvido y manipulación de la historia de la masonería”. REHMLAC+ 11, no. 1 (mayo-noviembre 2019): 1-11. https://doi.org/10.15517/rehmlac.v11i1.36976

Ferrer Benimeli, José Antonio. Masonería española contemporánea. Madrid: Siglo XXI de España Ed., 1980.

Fuentes Carvallo, Rafael. “Algunas consideraciones en relación a la fecha de llegada de Simón Bolívar por vez primera a España”. Boletín Histórico 39 (septiembre 1975): 393-398.

Furlong, Guillermo – Geoghegan, Abel Rodolfo. Bibliografía de la revolución de mayo (1810-1828). Buenos Aires: Biblioteca del Congreso de la Nación, 1960.

Furlong, Guillermo. “La logia Lautaro”. Criterio X (1930): 721-722.

Gandia, Enrique de. “Los orígenes probables de la logia Lautaro”. Símbolo 47 (agosto 1990): 15-18.

Gandia, Enrique de. “La política secreta de la Gran Logia de Londres”. Boletín de la Academia Nacional de la Historia XLIX (1976): 207-242.

González Bernaldo de Quirós, Pilar. “La Revolución francesa y la emergencia de nuevas prácticas de la política: la irrupción de la sociabilidad en el Río de la Plata revolucionario (1810-1815)”. En La Revolución francesa y Chile. Editado por Ricardo Krebs y Cristian Gazmuri. Santiago: Editorial Universitaria, 1990.

González Bernaldo de Quirós, Pilar. “Masonería y Nación: la construcción masónica de una memoria histórica nacional”. Historia 25 (1990): 81-101.

González Bernaldo de Quirós, Pilar. “Producción de una nueva legitimidad: ejército y sociedades patrióticas en Buenos Aires entre 1810-1813”. Cahiers des Amériques Latines 10 (1990): 177-195.

González Bernaldo de Quirós, Pilar. “Masonería y revolución de independencia en el Río de La Plata: 130 años de historiografía”. En Masonería, revolución y reacción. Coordinado por José Antonio Ferrer Benimeli. Alicante: Instituto Cultural Juan Gil-Albert, 1990.

González Bernaldo de Quirós, Pilar. Civilité et politique aux origines de la nation argentine. Les sociabilités à Buenos Aires (1829-1862). París: Publication de la Sorbonne, 1999.

González Loscertales, Vicente. “Simón Bolívar: el hombre y el mito”. Historia 16 87 (julio 1983): 50-57.

Guedea, Virginia. “Las sociedades secretas de los Guadalupes y de Jalapa y la independencia de México”. En Masonería y sociedades secretas en México. Coordinado por José Luis Soberanes y Carlos Francisco Martínez Moreno. México: UNAM, 2018.

Guedea, Virginia. “Una nueva forma de organización política: la sociedad secreta de Jalapa 1812”. En Un hombre entre Europa y América. Homenaje a Juan Antonio Ortega y Medina. Editado por Amaya Garriz. México: UNAM, 1993.

Guevara, Darío. Bolívar: libertador y arquitecto de la unidad americana. Quito, 1974.

Guillén, Julio. “Correo insurgente de Londres capturado por un corsario puertorriqueño, 1811”. Boletín de la Academia Chilena de la Historia XXVII, no. 63 (segundo semestre 1960): 125-155.

Guisado Cuellar, Angel. “Masonería británica en Cádiz durante la guerra peninsular”. St. Bernard’s Lodge of Research no. 1817 S.C. Gibraltar Masonic Papers 1 (2015): 1-16.

Henríquez-Uzcátegui, Gloria. Los papeles de Francisco de Miranda. Caracas: Biblioteca de la Academia Nacional de la Historia, 1984.

Heredia, José Francisco. Memorias sobre las revoluciones de Venezuela. París: Garnier, 1895.

Herrera Valdés, Willy. Las sociedades secretas y la independencia política del cono sur americano: O’Higgins, San Martín y la logia Lautaro. Tesis de doctorado, Universidad Complutense de Madrid, 1985.

Herrera, Michel, Iván, Bolívar y la francmasonería y La logia de Bolívar de París. http://www.diariomasonico.com/historia/bolivar-y-la-francmasoneria

Junco, Alfonso. “La masonería condenada por los prohombres de la independencia”. Cuadernos Hispanoamericanos 30 (1952): 295-303.

Keghel, Alain de. La Francmasonería en América latina. Idealismo. Complejidades y poder. Oviedo: masonica.es, 2018.

Lahoud, Daniel. “La masonería en Venezuela y Nueva Granada (Colombia) en los primeros años del siglo XIX”. Tierra Firme XXIV, no. 96 (2006): 621-632.

Lantoine, Albert. Histoire de la Francmaçonnerie française. París: Nourry, 1925.

Lantoine, Albert. La Francmaçonnerie écossais en France. París: 1925.

Lantoine, Albert. Le Rite Ecossais Ancien et Accepté. París: 1930.

Lappas, Alcibíades. La masonería argentina a través de sus hombres. Buenos Aires: Imprenta Belgrano, 1966.

Lappas, Alcibíades. San Martín y su ideario liberal. Buenos Aires: Símbolo, 1982.

Lappas, Alcibíades. “San Martín. El hombre de las logias”. Símbolo XXIV, nos. 71-72 (junio 1970) 186-192.

Lazcano, Martín V. Las sociedades secretas políticas y masónicas en Buenos Aires. Buenos Aires: El Ateneo, 1927.

Liévano Aguirre, Indalecio. Bolívar. Madrid: 1983.

López Albujar, Carlos. Masones y masonería en el Perú. Lima: Ed. José Pardo, 1961.

Madariaga, Salvador de. Simón Bolívar. México: Ed. Hermes, 1951 (Londres: Hollis Caster, 1952).

Maguirre, Patricio. La masonería y la emancipación del Río de la Plata. Buenos Aires: Nueva Hispanidad, 1961.

Mancini, Jules. Bolívar et l’émancipation des colonies espagnoles des origines à 1815. París: Perrin, 1912.

Manuel Maçonnique. París: 1820.

Martínez Zaldúa, Ramón. La Masonería Hispanoamericana. México: Ed. Costa-Amic, 1965.

Martínez, Nelson. Simón Bolívar. Madrid: Hª 16, 1987.

Masur, Gerhard. Simón Bolívar. México: Grijalbo, 1980.

Mijares, Augusto. El Libertador. Caracas: 1964.

Mijares, Augusto. Simón Bolívar. Doctrina del Libertador. Selección de Manuel Pérez Vila. Caracas: Biblioteca Ayacucho, 1976.

Miranda, Francisco de. Archivo del General Miranda. 63 t. Caracas: Academia Nacional de la Historia, 1921-1939.

Mitre, Bartolomé. Emancipation of South America. Londres: Chapman, 1893.

Mitre, Bartolomé. Historia de Belgrano y la independencia argentina. 3 t. Buenos Aires: Ed. Félix Lajouane, 1887.

Mitre, Bartolomé. Historia de San Martín y de la emancipación sudamericana. Buenos Aires: Eudeba, 1968.

Mora García, José Pascual. “Los comuneros, Francisco de Miranda y la francmasonería en Venezuela (1779-1810)”. Heurística 11 (enero-junio 2009): 74-92.

Morales Padrón, Francisco. Historia de América. Madrid: Espasa Calpe, 1962.

Nadra, Fernando. San Martín hoy. Buenos Aires, Ed. Cartago, 1974.

Navarro, Nicolás E. La masonería y la independencia. Caracas: Ed. Sur-America, 1928.

Navarro, Nicolás E. Tópicos bolivarianos. Glosas al ‘Diario de Bucaramanga’. Caracas: 1933.

Ocampo, Emilio. Alvear en la guerra con el Imperio del Brasil. Buenos Aires: Claridad, 2003.

Olaechea, Rafael y José Antonio Ferrer Benimeli. El Conde de Aranda. Mito y realidad de un político aragonés. Zaragoza: Ibercaja, 1998.

Onsari, Fabián. San Martín, la logia Lautaro y la francmasonería. Avellaneda: S.E., 1951.

Orrego Vicuña, Eugenio. O’Higgins: Vida y tiempo. Buenos Aires: Losada, 1946.

Otero, F. Pacífico. “La logia Lautaro. Su valor y su significado histórico”. La Nación, Buenos Aires, 12 junio 1910.

Oviedo Martínez, Benjamín. “La logia Lautarina”. Revista Chilena de Historia y Geografía LXLL (1929): 105-126.

Pacheco Quintero, Jorge. Influencia de la masonería en la emancipación de América (aspecto colombiano). Bogotá: Ed. Gran Colombia, 1943.

Padrón Iglesias, Wilfredo. “La masonería, un punto sombrío en la trayectoria de Francisco de Miranda”. Revista de Estudios Latinoamericanos 2, no. 61 (2015): 13-30.

Parra-Pérez, Caracciolo. Páginas de historia y de polémica. Caracas: Litografía del Comercio, 1943.

Parra-Pérez, Caracciolo. Miranda et la Révolution française. Caracas: Ed. Banco del Caribe, 1989.

Paz Soldán, F. “La logia Lautaro”. En Historia del Perú independiente. Lima: 1868. I.

Pérez Tendero, Tomás. “Trayectoria Militar de Miranda”. Boletín Histórico 39 (septiembre 1975): 319-352.

Pérez Vila, Manuel. “La experiencia masónica de Bolívar en París”. En Visión diversa de Bolívar. Caracas: Pequiven, 1984.

Perú de Lacroix, Luis. Diario de Bucaramanga. Caracas: d. Nicolás E. Navarro, 1935.

Pettengui, José. “San Martín en Cádiz, camino de América”. En Vida española del general San Martín. Coordinado por Antonio Lago Carballo. Madrid: Instituto Español Sanmartiniano, 1994.

Picirelli, Ricardo. San Martín y la logia Lautaro. Buenos Aires: Ministerio Educación y Justicia, 1958.

Picirelli, Ricardo. San Martín y la política de los pueblos. Buenos Aires: Aguirre, 1957.

Picón Salas, Mariano. Miranda. Mérida: Colección Clásicos merideños, 2006.

Pinto Lagarride, Fernando. La masonería y su influencia en Chile. Santiago: Orbe, 1978.

Pinto, Manuel. “Quién entregó al precursor?”. Boletín Histórico 39 (septiembre 1975): 277-318.

Ramírez de Villaurrutia, Wenceslao. “La reina María Luisa y Bolívar”. Boletín de la Real Academia de la Historia 90 (1927): 297-315.

Ramos Pérez, Demetrio. Simón Bolívar el Libertador. Madrid: Anaya, 2004.

Restrepo, Carlos. “Informe sobre la masonería y la independencia”. Boletín de Historia y Antigüedades 46 (1949): 232-237.

Reverón, Eloy. La masonería, Miranda, fuentes para su estudio. 21 de agosto de 2014. htpps://masoneriamirandina.blogspot.com/2014/

Reverón García, Eloy. “Mito y realidad en la historiografía masónica (1808-1830)”. Anuario de Estudios Bolivarianos 4 (1915): 261-335.

Reverón García, Eloy. “El fantasma de Bolívar en la masonería venezolana”. Anuario de Estudios Bolivarianos 6 (1997): 243-345.

Reverón García, Eloy. El fantasma de Bolívar en la masonería venezolana. Caracas: Publicaciones Monfort, 2001.

Rodríguez Alonso, Josefina. Le siècle des Lumières conté par Francisco de Miranda. París: France-empire, 1974.

Rojas, marqués de. El general Miranda. París, 1884.

Romero Juvenal. La Revolución de Mayo y la masonería. Buenos Aires: Hellas, 1960.

Romero, Celestino B. Raíz histórica de la masonería en Venezuela. Caracas, 1957.

Rottjer, Aníbal. La Masonería en la Argentina y en el mundo. Buenos Aires: Nuevo Orden, 1973.

Ruiz y Ruiz, Raúl. “La logia Lautaro y la independencia de América”. Revista de la Junta Provincial de Estudios Históricos XIV (Santa Fe, 1946): 73-82. Revista San Martín del Instituto Nacional Sanmartiniano 13 (1947): 117-126.

Rumazo González, Alfonso. Bolívar. Madrid: Edime, 1980.

Salcedo Bastardo, J. Visión y revisión de Bolívar. Buenos Aires: Imor. Logos, 1957.

Seal-Coon, F.W. “More Light: Simón Bolívar freemason”. Ars Quatuor Coronatorum 92 (1979): 231-248.

Seal-Coon, F.W. “Simón Bolívar, freemason”. Ars Quatuor Coronatorum 90 (1977): 231-248.

Seal-Coon, F.W. “Spanish-American revolutionari Masonry. The mythical Masonry of Francisco de Miranda”. Ars Quatuor Coronatorum 94 (1981): 83-106.

Seal-Coon, F.W. An Historical Account of Jamaica Freemasonry. Kingston, 1976.

Seal-Coon, F.W. “La mítica masonería de Francisco de Miranda”. En La masonería española entre Europa y América. Coordinado por José Antonio Ferrer Benimeli. Zaragoza: Diputación General de Aragón, 1993.

Segado-Uceda, Manuel Jesús. “José Francisco de San Martín. De héroe a proscrito”. Iberian 2 (2011): 30-39.

Sheriff, Keith. The Rough Aslar. The History of English Freemasonry in Gibraltar: 1727-2002. Gibraltar: Grand Lodge of Gibraltar, 2002.

Simon, Jacques. Histoire du Rite Écossais Ancien et Accepté en France. París: Dervy, 2019.

Solar, Felipe Santiago del. La logia Lautaro y la independencia de Sudamérica. Santiago de Chile: Universidad La República, 2005.

Solar, Felipe Santiago del. “La francmasonería y la Independencia de América: un balance historiográfico”. En Primeras Jornadas de Estudios Históricos de la franc-masonería chilena. Santiago de Chile: 2006.

Spence Robertson, William. La vida de Miranda. Caracas: Academia Nacional de la Historia, 2006.

Spence Robertson, William. Life of Miranda. North Carolina: The University of North Carolina Press, 1929.

Statuts de l’Ordre Maçonnique en France. París, 1806.

Thory, Antoine. Acta Latomorum ou Chronologie de l’Histoire de la Franche-maçonnerie française et étrangère. París: Dufart, 1815.

Thory, Antoine. Annales originis magni Galliarum O. ou Histoire de la fondation du Grand Orient de France et des révolutions qui l’ont précédée, accompagnée et suivie, jusqu’en mil sept cent quatre vingt dix neuf, époque de la réunion à ce corps de la Grande Loge de France, connus sous le nom de Grand Orient de Clermont ou de l’Arcade de la Pelleterie. París: Dufart, 1812.

Townsed, Andrés. Bolívar, alfarero de repúblicas. Buenos Aires, 1973.

Vaquero Iglesias, Julio Antonio. “Masonería e independencia americana según la historiografía decimonónica española”. En Masonería española y América. Coordinado por José Antonio Ferrer Benimeli. Zaragoza: CEHME, 1993.

Vaucaire’s, Michel. Bolívar the liberator. Boston: 1929.

Vázquez Semadeni, María Eugenia. “La masonería en México entre las sociedades secretas y patrióticas”. REHMLAC 2, no. 2 (diciembre 2010-mayo2011): 20-33. https://revistas.ucr.ac.cr/index.php/rehmlac/article/view/6594

Vázquez Semadeni, María Eugenia y Kyle Jackson. “El triángulo masónico en el golfo de México y el Caribe, 1815-1820”. En Gibraltar, Cádiz, América y la masonería. Constitucionalismo y libertad de prensa, 1812-2012. Coordinado por José Miguel Delgado Idarreta y Antonio Morales Benítez. Zaragoza: Gobierno de Gibraltar – CEHME, 2014.

Vera, María Cristina. “Acerca de las relaciones entre la masonería y la política en América en tiempos de los revolucionarios liberales”. Revista de la Junta Provincial de Historia 28 (2015): 215-251.

Vera, María Cristina. La vida de Miranda. Caracas: Academia Nacional de Historia, 2006.

Vicuña Mackenna, Benjamín. La revolución de la independencia del Perú. Santiago de Chile: Universidad, 1938.

Vicuña Mackenna, Benjamín. El ostracismo del General D. Bernardo O’Higgins. Escrito sobre documentos inéditos y noticias auténticas. Valparaíso: Librería del Mercurio, 1860.

Vicuña Mackenna, Benjamín. Vida del capitán general de Chile don Bernardo O’Higgins. Santiago de Chile: Rafael Jover, 1882.

Villanueva, Carlos A. La monarquía en América: Bolívar y el general San Martín. París: Librería Paul Ollenforft, 1911.

Villanueva, Carlos A. La revolución de independencia del Perú. Santiago de Chile: Universidad, 1938.

Zavala, Iris M. Masones, comuneros y carbonarios. Madrid: Siglo XXI de España ed., 1971.

Zeldis, León. “Freemasonry’s Constitution to South American Independence. A factual Approach”. Ars Quatuor Coronatorum 111 (1918): 78-101.

Zuñiga, Antonio R. La logia Lautaro y la independencia de América. Buenos Aires: J. Estrach, 1922.

O maçom Simón Bolívar: entre o mito e a verdade histórica – Parte III

Palomo é o companheiro de batalhas de Simón Bolívar - Cavalus

Maçonaria francesa, não americana

Aqui ainda temos que fazer mais reflexões. A primeira é que estamos tratando, não de uma sociedade patriótica americana no estilo dos Cavaleiros Racionais, mas de uma Maçonaria Francesa que logo terminaria, por um lado identificando-se como uma maçonaria bonapartista para o serviço e uso de Napoleão; e por outro está a origem e principal órgão da Maçonaria Escocesa da França. Maçonaria que não tem nada a ver com as lojas Lautaro Mirandistas ou San Martinianas, que da Maçonaria não tinha nada mais do que o uso da palavra Loja, porque nem em seus estatutos ou Constituições, nem em seus objetivos e recrutamento tinham a menor semelhança com a Maçonaria. Como é bem atestado, entre muitas outras coisas, pelo juramento de que os membros das “lojas” lautarinas tinham que tomar [61].

Por outro lado, a Maçonaria em que Bolívar entrou em  Paris  não tinha nada “americano” sobre isso. Apesar do que foi escrito por Vicente González Loscertales, que garante que Bolívar foi impregnado em Paris com ideias iluministas, as noções de independência, soberania popular, progresso e civilização, “o que o levou a se juntar à Maçonaria Americana em Paris, onde ele alcançou o grau de mestre”[62].

Se analisarmos a composição social dos 47 membros que compõem a loja de Santo Alexandre da Escócia no ano em que o nome de Bolívar aparece, encontramos o seguinte resultado: em primeiro lugar não há outros “americanos” além de Bolívar, que, no entanto, está registrado como um oficial espanhol. Todos os outros são franceses, exceto dois nobres venezianos e Manuel Campos, um nobre espanhol. Entre as profissões estão 10 militares, incluindo Bolívar, 6 advogados e homens de direito, 6 médicos e doutores da medicina (incluindo o regente da Faculdade de Medicina de Paris), 6 altos funcionários, 5 proprietários, 2 funcionários, empresários e músicos, respectivamente, e um de cada uma das seguintes profissões: rentista, pintor, acadêmico, marinheiro, senador…, bem como os três nobres mencionados [63]. Além   disso, é impressionante que na frente da juventude de Bolívar que   em 24 de julho de 1804 tinha completado vinte e um anos, há muitos aposentados ou ex-militares, ex-médicos, ex-advogados, ex-funcionários, ex-marinheiros, ex-magistrados. Assim, tendo em vista os componentes da loja e suas qualidades, parece que qualquer possível “conexão “americana está excluída.  Na loja de Bolívar destacam-se, entre outros, dois membros por suas obras e atividades posteriores, os dois graus 33: Conde Antoine Thory [64] e Auguste de Grasse Tilly [65].

Américo Carnicelli também disponibiliza um novo documento intitulado “Lista nominal dos Mazones [sic] de altos graus que são conhecidos em diversos órgãos no mês de abril de 1824”, feito pelo Grão-Comandante M. Ilt. José Cerneau [66]. Há um total de 84 supostos maçons em posse do 33º grau.  Nesta lista está Simón Bolívar na 58ª   colocação.  Outras listas seguem com notas 32 e 30. Trata-se de um documento sem papel timbrado ou selo oficial, que pertencia ao herói José Félix Blanco, e que hoje está em Caracas no Arquivo Geral da Nação [67].

Pessoalmente, penso que o valor histórico deste documento é bastante escasso, se não nulo, embora o tenha do ponto de vista do testemunho. Apresenta uma extraordinária semelhança com as numerosas listas de supostos maçons que existem entre os papéis reservados de Fernando VII do Arquivo do Palácio Real de Madrid, e que foram feitas pela polícia com base em presunções, denúncias, suspeitas, etc. Curiosamente, Seal-Coon em seu já citado e prestigiado trabalho intitulado Simón Bolívar Maçom descarta este documento que ele nem sequer menciona, apesar de usar Carnicelli como uma de suas principais fontes de informação.

Nelson Martínez vai mais longe em seu Simón Bolívar quando diz que, desde que deixou a Europa, trabalhou fora das decisões de “uma maçonaria cujo aparelho e mistério não parecem atraí-lo” [68]. Na verdade, Bolívar não aparece  mais em nenhuma outra pousada europeia ou americana. O próprio Carnicelli, que usa tanta documentação maçônica, embora nem sempre aponte as fontes, é incapaz de nos dizer uma única loja americana na qual Bolívar está listado como membro. E quando ele fornece a Lista de Maçons de 1809 a 1828 [69] ele não pode deixar de apontar para Simon Bolivar, Libertador, como um membro da loja St. Alexandre da Escócia em Paris, sendo o único que não aparece em Pousada americana.  Que é um reconhecimento indireto de sua não atividade maçônica na    terra que ele libertou ou se tornou independente. Em outras palavras, diante de um ou dois anos de militância maçônica em Paris, estamos enfrentando 25 ou 26 anos depois de afastamento maçônico, ou pelo menos de nenhuma notícia de participação direta.

Testemunho que coincide com o que o ajudante de campo de Simón Bolívar, Louis Perú de Lacroix escreve em seu Diario de Bucaramanga.  Lá ele diz que o Libertador confessou a ele: primeiro que ele tinha se tornado um maçom em Paris; depois disse que     abandonou a Maçonaria porque ele não encontrou nada de novo nela, apenas repetições insubstanciais [70].

Continua…

Autor: Jose Antonio Ferrer Benimeli

Fonte: REHMLAC

*Clique AQUI para ler a primeira e a segunda parte do artigo.

Screenshot_20200502-144642_2

Se você acha importante o trabalho que realizamos com O Ponto Dentro do Círculo, apoie nosso projeto e ajude a manter no ar esse que é um dos mais conceituados blogs maçônicos do Brasil. Você pode efetuar sua contribuição, de qualquer valor, através dos canais abaixo, escolhendo aquele que melhor lhe atender:

Efetuando seu cadastro no Apoia.se, através do link: https://apoia.se/opontodentrodocirculo

Transferência PIX – para efetuar a transação, utilize a chave: opontodentrodocirculo@gmail.com

Notas

[61] – La fórmula del juramento del segundo grado era la siguiente: “Nunca reconoceré por gobierno legítimo de mi patria sino a aquel que sea elegido por la libre y espontánea voluntad de los pueblos; y siendo el sistema republicano el más adaptable al gobierno de las Américas, propenderé por cuantos medios estén a mi alcance, a que los pueblos se decidan por él”. Mitre, Historia de Belgrano, vol. II, 213.

[62] – Vicente González Loscertales, “Bolívar: El hombre y el mito”, Historia 16 87 (julio 1983): 50.

[63] – No deja de ser curioso, pero así figuran en el Cuadro: de profesión, noble. Biblioteca Nacional de París. Gabinete de Manuscritos. Fondo F.M.2 100 bis. Dossier 3.

[64] – El historiador Antoine Thory es autor de Annales originis magni Galliarum O. ou Histoire de la fondation du Grand Orient de France et des révolutions qui l’ont précédée, accompagnée et suivie, jusqu’en mil sept cent quatre vingt dix neuf, époque de la réunion à ce corps de la Grande Loge de France, connue sous le nom de Grand Orient de Clermont ou de l’Arcade de la Pelleterie (París: Dufart, 1812) que posteriormente adoptó el título de Acta Latomorum ou Chronologie de l’Histoire de la Franche-maçonnerie française et étrangère (París: Dufart, 1815).

[65] – El conde Auguste de Grasse-Tilly, capitán de artillería, comisionado por el Supremo Consejo de Charleston, tras su estancia en las Antillas, desembarcó en Burdeos a comienzos de julio de 1804. Poco después está ya en París como propagandista y difusor del rito escocés antiguo y aceptado, fundador del Supremo Consejo del Grado 33 y miembro de la logia San Alejandro de Escocia. En 1806 lo encontramos en Italia, en 1809-1811 en España y en 1817 en Bélgica, según Carnicelli, Díaz y Pérez y Clavel. Carnicelli, La masonería, tomo I, 43; Nicolás Díaz y Pérez, La Franc-Masonería Española (Madrid: R. Fe, 1894), 211-213; F.T.B. Clavel, Histoire Pittoresque de la Franc-Maçonnerie et des Sociétés Secrètes anciennes et modernes (París: Pagnerre, 1843), 206 y 241.

[66] – De este mismo autor se conoce una obra titulada Senda de las luces masónicas (New York: Wingslang, 1821).

[67] – Archivo General de la Nación (Caracas). Papeles del prócer José Félix Blanco. tomo I, no. 298.

[68] – Nelson Martínez, Simón Bolívar, 16.

[69] – Carnicelli, La masonería, tomo II, 374-376.

[70] – Luis Perú de Lacroix, Diario de Bucaramanga (Caracas: Ed. de Nicolás E. Navarro, 1935), 77. Luis Perú de Lacroix, nacido en Francia el 14 de septiembre de 1780 en realidad se llamaba Luis Gabriel Juan de Lacroix Peroux, según Seal-Coon, y descendía de un linaje distinguido. Su biografía, según el mismo autor, se resume así: Sirvió de oficial en el ejército de Napoleón pero con la restauración de Luis XVIII tuvo que huir a las Antillas donde se unió al corsario francés Luis Aury en 1814. Este operaba bajo bandera mejicana y conquistó a los españoles la isla Old Providence. Establecido allí nombró a Lacroix comandante general, y Secretario de Estado de su “gobierno”. Por este tiempo Lacroix adoptó una forma españolizada de sus nombres y apellidos. Aury murió en agosto de 1821 y entonces Perú de Lacroix ofreció sus servicios a la nueva república de Gran Colombia y fue enviado a Cartagena; luego encontró a Simón Bolívar con quien trabó amistad y fue condecorado por él en Bucaramanga donde escribió su famoso Diario de Bucaramanga. Elevado a general en 1830 fue llamado por Manuela Sanz, la querida de Bolívar en noviembre del mismo año, para que acudiera a San Pedro Alejandrino, Santa Marta, pues Bolívar quería verle. Llegó pocos días antes del fallecimiento de El Libertador. El otoño siguiente Perú de Lacroix fue exiliado por el gobierno anti-bolivariano y se marchó de Bogotá para Jamaica. En 1833 estaba en Caracas y en julio de 1835 se puso a la cabeza del movimiento rebelde reformista. Fue derrotado y Perú de Lacroix abandonó Venezuela y su familia, refugiándose en Francia. En París, a la edad de 56 años se suicidó. Seal Coon, “La isla de Jamaica y su influencia masónica en la Región”, en Masonería española y América, coord. Ferrer Benimeli (Zaragoza: CEHME, 1993), tomo I, 219.

O maçom Simón Bolívar: entre o mito e a verdade histórica – Parte II

Geopedrados: Simón Bolívar nasceu há 238 anos

Bolivar, maçom. Sua iniciação

Deixando de lado as características políticas e não maçônicas das lojas Lautaro, Cavaleiros Racionais ou o que você quiser chamá-los, e ignorando até o fato não comprovado de que Bolívar tinha seus contatos com ditos cavaleiros racionais em Cádiz ou Londres, por curiosidade ou convicção. A verdade é que Bolívar, algo que não pode ser provado no caso de Miranda[42], pertencia à Maçonaria europeia pelo menos durante sua breve estada em Paris nos anos 1804-1806.

Ao dispensar as hipóteses de trabalho mais ou menos sugestivas, se nos atermos à documentação maçônica preservada, Simón Bolívar foi iniciado na Maçonaria, embora não se saiba onde. Já que o primeiro documento nos é apresentado no ato de receber o grau de Companheiro Maçom, ou seja, do segundo grau. Trata-se de um documento manuscrito do qual falam Carnicelli e Seal-Coon[43], de propriedade do historiador venezuelano Ramón Díaz Sánchez, que certificou sua origem e titularidade antes de depositá-lo no Conselho Supremo do Grau 33 da República da Venezuela.

O documento em questão diz o seguinte:

À Glória do Grande Arquiteto do Universo. No dia 11 do 11º mês do ano da Grande Luz 5805 [44] as obras do Companheiro foram abertas a Leste pela R. hº de la Tour d’Auvergne, a Oeste e a Sul sendo iluminadas pela RR. H H. Thory e Potu. Feita e sancionada a leitura da última última prancha traçada, o Venerável propôs elevar o patamar de Companheiro ao Hº Bolívar recentemente [45] iniciado, por causa de uma viagem que se aproxima que está em vésperas de empreender. Tendo sido a opinião dos irmãos unânime em sua admissão e escrutínio favorável, hº Bolívar foi introduzido no templo, e após as formalidades de rigor prestou a costumeira obrigação ao pé do trono, situado entre os dois Vigilantes, e foi proclamado cavaleiro Companheiro Maçom da R. Loja Madre Escocesa de Santo Alexandre da Escócia. Este trabalho foi coroado com uma tripla aclamação (hurra) [46] , e o hº tendo dado graças tomou lugar no topo da Coluna do Meio-dia.

Os trabalhos foram encerrados da maneira usual

Em seguida, vêm oito assinaturas, incluindo a de Simón Bolívar. Este é um excerto das atas da Loja Santo Alexandre da Escócia [47], localizada em Paris “no subterrâneo (porão) do boulevard Poissonnière” segundo Coen-Dumesnil e na rua Coq-Heron, segundo Jacques Simon [48]. Nesse excerto se diz que o Venerável se propõe a subir à categoria de Companheiro o Irmão Bolívar, recém-iniciado, por causa de uma viagem que está prestes a fazer. Acrescenta que, após as formalidades exigidas, Bolívar foi proclamado cavaleiro Companheiro Maçom, tomando lugar no topo da coluna do meio-dia. Estamos diante de um ato ou documento maçônico datado do 11º mês do ano da Grande Luz 5805, que equivale a janeiro de 1806 da Era Vulgar, se levarmos em conta que o calendário maçônico começa no mês de março[49].

Além disso, temos outro documento em versão dupla (manuscrita e impressa) em que Bolívar já aparece como Mestre, ou seja, um grau superior. No entanto, este novo documento é datado de 1804, um ano antes. É a “Tabela Geral dos Membros que compõem a Respeitável Loja Escocesa de Santo Alexandre da Escócia, a Leste de Paris” desde o ano da Grande Luz 5804, a Restauração 5564 e a Era Vulgar do ano 13. Em outras palavras , o ano de 1804 e 13 da Revolução.

Uma possível explicação para esse descompasso na datação de ambos os documentos pode ser devido ao fato de este último se referir não apenas a 1804, mas também a 1805, pois não especifica o dia nem o mês, que estão em branco. Este poderia ser um título ‘padrão’ em que os dados precisos, incluindo a correção do ano, não foram preenchidos, como às vezes é o caso com os formulários de hoje. Além disso, pode ser a tabela de 1804 à qual novos dados de 1805 foram adicionados, como também costumava ser o caso. Em todo caso, trata-se de outro documento autêntico, conservado na Biblioteca Nacional de Paris, na coleção maçônica do Gabinete de Manuscritos [FM 2 . 100 bis, Dossiê 3].

Nela aparecem dois nomes: Emmanuel Campos “nobre espanhol, Mestre Maçom” e Simón Bolívar “oficial espanhol, Mestre Maçom”. A título de curiosidade, deve-se acrescentar que esta é a única “lista” em que aparece o nome de Bolívar. A coluna correspondente não inclui as assinaturas regulamentares de nenhum dos dois, nem de Campos, nem de Bolívar. Isso significa que não compareceu à reunião realizada ou à reunião maçônica de final de ano (geralmente em 27 de dezembro, dia de São João) para registrar suas assinaturas no documento em questão; ou que esses dias estiveram ausentes de Paris. Pelo menos, no que diz respeito a Bolívar, sabemos que a urgência em receber o graus de Companheiro se deveu a uma viagem iminente que ele teve que fazer, e que de fato o fez, seja no ano de 1804 ou no ano de 1805 .

De fato, Bolívar, que tinha grande admiração por Napoleão como símbolo de liberdade e glória, experimentou grande decepção em consequência de sua auto coração como imperador na catedral de Paris em 2 de dezembro de 1804 [50]. O fato de Napoleão estar com a coroa imperial quebrou em Bolívar o mito que se forjava em torno de sua figura:

Eu o adorei como o herói da República, como a estrela brilhante da glória, o gênio da liberdade. No passado eu não sabia de nada igual a ele, nem o futuro prometia produzir algo semelhante. Ele se tornou imperador, e daquele dia em diante eu o considerei um tirano hipócrita, uma desgraça para a liberdade e um obstáculo para o progresso da civilização. [51]

Essa decepção foi agravada quando, alguns meses depois, em 15 de agosto de 1805, em Milão, Napoleão voltou a se coroar, desta vez como rei dos italianos. Bolívar também se encontrava na Itália, evocando as glórias da República Romana e, tendo como testemunha seu tutor Simon Rodriguez, fez no Monte Sacro em Roma seu famoso juramento:

“Juro pelo Deus de meus pais, juro por eles, juro pela minha honra e juro pelo meu país que não darei descanso ao meu braço, nem descanso à minha alma, até que tenha quebrado as correntes que nos oprimem pela vontade do poder espanhol.” [52]

Embora o documento que o atesta ainda não tenha sido localizado, o mais provável é que pouco depois de ter sido admitido ao posto de Companheiro tenha recebido, e pelo mesmo motivo, o de Mestre, pois com este grau – e não com o como um Companheiro – aparece na lista acima mencionada de membros da Loja Santo Alexandre da Escócia . Provavelmente, e como se fala de ter sido iniciado recentemente, Bolívar recebeu os três graus (Aprendiz, Companheiro e Mestre) com pouca diferença de tempo na mesma loja parisiense. Pois bem, se tivesse sido iniciado em outra loja, a cerimônia de recepção da grau de Companheiro – relatada no documento do historiador venezuelano Ramón Díaz Sánchez – teria que ser precedida do ato de filiação à loja em questão. Como não há alusão a ele, o correto é pensar que ele recebeu os três graus na loja parisiense de Santo Alexandre da Escócia com muito pouca diferença de tempo, possivelmente nos últimos meses ou semanas de 1805. Pérez Vila acredita que Bolívar, provavelmente, foi iniciado no início de dezembro, ou no final do mês anterior[53]. Miriam Blanco-Fombona, após examinar a documentação da Loja Santo Alexandre da Escócia na Biblioteca Nacional de Paris, acredita que Bolívar foi iniciado como Aprendiz em 27 de dezembro de 1805 [54].

Existe ainda um novo documento na Biblioteca Nacional de Paris intitulado “Quadro do hh. que compõem a R. Loja Mãe Escocesa da França, sob o título distintivo de Santo Alexandre da Escócia a Leste de Paris no ano da Grande Luz 5804 e 1805”, que vem a ser uma repetição da anterior, mas ordenado por graus maçônicos e no qual, a partir dos cavaleiros Rosa Cruz [55], são especificados os nomes de seis Mestres, entre eles Campos, um senhor espanhol e Bolívar, um oficial espanhol [56]. Eles são seguidos por um Companheiro, dois membros da Coluna da Harmonia, um membro honorário e três não residentes ao longo do ano.

Esta questão está ligada a outra dificuldade menor ou pequena anomalia das quadros em questão. E é que, de acordo com os Estatutos da Ordem Maçônica na França [57], publicado em 1806, era proibido receber o grau de Companheiro antes dos vinte e três anos e o de Mestre antes dos vinte e cinco anos. Por outro lado, a passagem de graus estava sujeita à assiduidade das lojas. Um Aprendiz não poderia ser recebido como Companheiro se não tivesse participado de pelo menos cinco sessões; o grau de Mestre só foi concedido ao Companheiro depois de justificada a sua participação em sete assembleias. Em suma, a presença nas reuniões maçônicas de um ano foi suficiente para alcançar a possibilidade de acessar o mais alto grau da Maçonaria Azul, ou seja, o de Mestre. No entanto, o militar – e este foi o caso de Bolívar – não só poderia ser iniciado antes dos 21 anos, como também os filhos dos maçons[58], assim como podiam, excepcionalmente, receberem mais de um diploma no mesmo dia quando sua partida era iminente. Ambas as circunstâncias ocorreram na pessoa de Simón Bolívar por ser militar e por ter que fazer uma viagem imediatamente. Na verdade, é sintomático que seu nome não apareça nos quadros dos membros da Loja de Santo Alexandre da Escócia antes de 1804 e 1805, nem nas posteriores[59]. No entanto, o nome de Emmanuel Campos aparece no quadro de 1806, um senhor espanhol de 24 anos, Mestre Maçom, que vivia na Rua Richelieu. Nesse caso, há a assinatura de Manuel Campos[60].

Continua…

Autor: Jose Antonio Ferrer Benimeli

Fonte: REHMLAC

*Clique AQUI para ler a primeira parte do artigo.

Screenshot_20200502-144642_2

Se você acha importante o trabalho que realizamos com O Ponto Dentro do Círculo, apoie nosso projeto e ajude a manter no ar esse que é um dos mais conceituados blogs maçônicos do Brasil. Você pode efetuar sua contribuição, de qualquer valor, através dos canais abaixo, escolhendo aquele que melhor lhe atender:

Efetuando seu cadastro no Apoia.se, através do link: https://apoia.se/opontodentrodocirculo

Transferência PIX – para efetuar a transação, utilize a chave: opontodentrodocirculo@gmail.com

Notas

[42] – Seal-Coon, “Maçonaria revolucionária hispano-americana. A alvenaria mítica de Francisco de Miranda ”, Ars Quatuor Coronatorum 94 (1981): 83-106. Seal-Coon, “The Mythical Freemasonry of Francisco de Miranda”, 107-126. Padrón Iglesias, “Maçonaria”, 13-20.

[43] – Carnicelli, Maçonaria , volume I, 121; Sean-Coon, “Simón Bolívar Freemason”, 231-248.

[44] – Na verdade, na terminologia maçônica, “o ano da Verdadeira Luz” é usado com mais frequência em vez de “Grande Luz”.

[45] – No original é usada a expressão nouvellement, que em espanhol tem duas traduções diferentes: de novo e recentemente . Seal-Coon em sua obra já citada Simón Bolívar maçom (233) usa a expressão recém-iniciado e sugere que ele pode ter sido iniciado em Cádiz. Mas além do fato de que devido ao contexto, a tradução correta é a de recentemente-também usado por Carnicelli- há outro erro em Seal-Coon: a alegada loja Caballeros Racionales de Cádiz ainda não havia sido fundada em Cádiz e também não pode ser entendida como uma loja maçônica, mas sim como uma sociedade patriótica; e sua adesão não implicava qualquer iniciação maçônica apropriada válida para a Maçonaria autêntica.

[46] – Na Maçonaria, a aclamação segue os tambores . Tambor é um rito que consiste em bater palmas um certo número de vezes, dependendo do grau em que este rito é praticado. Os veneráveis ​​e vigilantes costumam participar dos tambores batendo nos respectivos tacos em suas mesas. A aclamação é pronunciada pelos maçons em pé, a mão direita erguida e o braço estendido horizontalmente. Na Maçonaria francesa, existem duas aclamações tradicionais. O primeiro usa a fórmula vivat, vivat, sempre vivat-viva, viva, viva sempre-; a segunda, que ainda existe no rito escocês, é a tripla “houzzé” ou “houzza”. Esta última expressão é a utilizada no documento em questão. A origem desta palavra, “houzzé” ou “houzza”, ainda não está completamente esclarecida, apesar das obras de Lantoine. Segundo Delaunay ( Manuel maçonnique , Paris, 1821) e Vuillaume ( Manuel Maçonnique , Paris, 1820), significaria “Viva o rei”. Lantoine ( Le Rite Ecossais Ancien et Accepté , Paris, 1930) vê simplesmente uma distorção da velha exclamação inglesa “viva”. A bateria de alegria sempre foi feita em homenagem a um evento feliz para a loja ou um irmão, e era natural que os maçons escoceses usassem essa aclamação.

[47] – Carnicelli, Maçonaria , Volume I, 123-127. A reprodução fotográfica na página 129, e em Seal-Coon, Simón Bolívar , 233. Entre as assinaturas deste documento está a de Jeanne (Juana) de la Salle que liderou Iván Herrera Michel em sua obra La logia de Bolívar de Paris ( http://www.diariomasonico.com/historia/bolivar-y-la-francmasoneria) a um lamentável erro em acreditar que dita assinatura pertencia a um maçom e que portanto Bolívar recebeu o 2º e 3º graus na “prestigiosa loja mista St Alexandre da Escócia ”. No entanto, na foto da referida loja fica claro que Jeanne de la Salle é o sobrenome, e seu nome é Thomas, um ex-marinheiro que ocupou a posição de segundo diácono na loja.

[48] – Antoine Coen – Michel Dumesnil de Gramont, La Franc-Maçonnerie Écossaise (Paris: EE Figuière, 1934) 25-26. Jacques Simon, Histoire du Rite Écossais Ancien et Accepté en France. Tomo I: Des origines de la franc-maçonnerie à 1900 ( Paris: Dervy, 2019), 90.

[49] – A data maçônica usada, como o calendário maçônico não é uniforme, não é fácil especificar sua correspondência em nosso calendário gregoriano. A este respeito, Manuel Pérez Vila, “A experiência maçônica de Bolívar em Paris” em Visão diversa de Bolívar(Caracas: Ed. De Pequiven, 1984), 333-334, diz o seguinte: “Se o registro pertencesse a uma loja inglesa ou norte-americana de rito ortodoxo (o que não é o caso), não haveria dúvida: o 11º dia do O 11º mês do ano 5805 seria 11 de novembro de 1805, porque lá o ano maçônico começa na mesma época que o ano civil, em 1º de janeiro, e 4000 são adicionados ao ano para voltar ao que era então considerada a data da criação do mundo. Mas se o ato tivesse sido feito em uma loja francesa dependente do Grande Oriente da França, o 11º dia do 11º mês de 5805 corresponderia a 11 de janeiro de 1806, uma vez que essas lojas também acrescentaram 4.000 anos ao da era cristã, mas eles começaram o ano maçônico em março e não em janeiro. Mas como o ato relativo a Bolívar corresponde a uma loja escocesa de rito antigo e aceito, o assunto fica mais complicado, pois, além de somar 4.000 anos e iniciar o cálculo em março, os escoceses não necessariamente começam seu ano em 1º de março, mas seguem o calendário hebraico em que os meses são lunares, e não idênticos aos um ano para o outro, sendo necessário estabelecer uma tabela de equivalências. O máximo que se pode dizer é que o dia em que Bolívar foi promovido a companheiro na Loja Santo Alexandre da Escócia, em Paris, deve situar-se na primeira quinzena de janeiro de 1806”. Sobre sendo necessário estabelecer uma tabela de equivalências. O máximo que se pode dizer é que o dia em que Bolívar foi promovido a companheiro na Loja Santo Alexandre da Escócia, em Paris, deve situar-se na primeira quinzena de janeiro de 1806”. Sobre sendo necessário estabelecer uma tabela de equivalências. O máximo que se pode dizer é que o dia em que Bolívar foi promovido a companheiro na Loja Santo Alexandre da Escócia, em Paris, deve situar-se na primeira quinzena de janeiro de 1806”. Sobre Calendários maçônicos na Maçonaria , História Extra IV 16 (novembro de 1977): 134-136.

[50] – Bolívar estava em Paris quando Napoleão foi coroado imperador. Além disso, o embaixador espanhol convidou Bolívar a fazer parte de sua comitiva para presenciar a cerimônia na Catedral de Notre-Dame; mas não só ele recusou o convite, mas – de acordo com Villaurrutia – “ele se trancou em casa o dia todo.” Ramírez de Villaurrutia, A Rainha, 314.

[51] – Ramírez de Villaurrutia, La Reina , 313-314.

[52] – Nelson Martínez, Simón Bolívar, 18 anos.

[53] – Pérez Vila, A experiência , 334.

[54] – Miriam Blanco-Fombona de Hood, “Masonry and our Independence”, The American Repertory I (julho de 1979): 59-70.

[55] – Que são três: um Marechal do Império e dois Doutores em Medicina, os três oficiais do Grande Oriente da França.

[56] – Atualmente segundo tenente do Regimento da Milícia Voluntária Branca dos Valles de Aragua. Foi em junho de 1810 – seis anos depois – que Bolívar seria promovido a coronel das milícias. Porém, na filiação por ele cedida à polícia parisiense em abril de 1806, aparece como um “empresário domiciliado na Espanha”, embora na fornecida à pousada o faça como um “oficial espanhol”.

[57] – Statuts de l’Ordre Maçonnique en France (Paris, 1806), cap. XII, sec. VII, 205.

[58] – Observe aqui a influência de Napoleão Bonaparte na configuração do que acabaria sendo chamada de Maçonaria Bonapartista. Ferrer Benimeli, “A Maçonaria Bonapartista na Espanha”, in Formação Histórica da Maçonaria (Rio de Janeiro: Academia Brasileira Maçônica de Letras, 1983), tomo I, 102-165.

[59] – Como Demetrio Ramos coleta na biografia de Bolívar, alarmado com as tentativas de Miranda na Venezuela, ele decidiu retornar à sua terra natal. De Paris foi para Hamburgo, onde embarcou no final de 1806 em um navio neutro chegando a Charleston em 1º de janeiro de 1807. Ramos, Simón Bolívar , 38.

[60] – De Manuel Campos, que se apresenta como um ‘nobre’ ou ‘cavalheiro’ espanhol, pouco se sabe. Possivelmente foi iniciado por volta das mesmas datas de Bolívar, dada a ordem de inscrição na tabela lógica. Alguns anos antes localizei precisamente um Manuel Campos, capitão da Companhia Provisória dos Invalides estacionado na Alhambra e que recebeu o conde Aranda como prisioneiro em 29 de agosto de 1794 em consequência de sua demissão do cargo de Primeiro Ministro e o processo iniciado por Carlos IV a pedido de Godoy. Mas não é possível ser a mesma pessoa porque se Manuel Campos tinha 24 anos em 1806, deveria ter doze em 1794. Rafael Olaechea e Ferrer Benimeli, El Conde de Aranda. Mito e realidade de um político aragonês (Zaragoza: Ibercaja, 1998) 376.

O maçom Simón Bolívar: entre o mito e a verdade histórica – Parte I

A figura de Simón Bolívar em relação à Maçonaria, assim como aos demais heróis das independências hispano-americanas, permanece polêmica, apesar das investigações que vêm ocorrendo nos últimos anos para esclarecer o assunto. Trata-se, portanto, de atualizar o conhecimento histórico –não maçônico ou antimaçônico- sobre essa relação por meio dos estudos mais recentes.

Introdução

Esta obra é uma continuação e complemento da publicada em 1983 por ocasião do bicentenário do nascimento de Simón Bolívar (Caracas, 24 de julho de 1783) e das apresentadas em 2014 em Cartagena das Índias no IX Colóquio de História Social e Ciências “La Masonería and American Independence” (Grande Loja Nacional da Colômbia, 20-24 de março); em 2017 no México no Colóquio Internacional “Maçonaria e Sociedades Secretas” (UNAM, 12 a 13 de junho) e em 2019 em Gijón (Espanha) no “Seminário Interdisciplinar Permanente da Maçonaria” (Biblioteca Jovellanos, 22 a 25 de fevereiro)[1] .

Os quatro textos foram escritos com o intuito de superar ‘ideias, preconceitos e mitos’[2]. Preconceitos e mitos que, à força de se repetir sempre, à parte da crítica histórica mais elementar, tornaram-se dogmas históricos, pouco menos que imóveis, apesar de sua fragilidade histórica documental.

Esta abordagem afeta, especialmente, a suposta ou real filiação à Maçonaria dos chamados heróis da Independência americana e, em particular, o caso do libertador Simón Bolívar [3], o único do qual há provas documentais confiáveis ​​de sua pertença uma loja maçônica., pelo menos em um curto período de sua vida. O que não acontece, por exemplo, com Miranda, San Martín[4], O’Higgins, Sucre e tantos outros que se tornaram heróis e símbolos da pátria e da Maçonaria, embora sua filiação maçônica nem sempre seja clara ou suficientemente comprovada como a de Bolívar. Aqui, como afirma Alain Keghel, “a lenda e a imaginação desempenharam um papel importante na constituição de um corpus histórico-lendário, às vezes tingido de uma certa fantasia”[5].

Precisamente, um dos problemas anteriores que o estudo biográfico de Simón Bolívar acarreta é o caráter confuso e polêmico de sua iniciação maçônica, negada por alguns, afirmada por outros e desconhecida ou ignorada por outros. Mas isso, em qualquer caso, se converte em prova ou contraprova de ações políticas pró-independência, nem sempre suficientemente comprovadas com sua conexão ou não maçônicas.

As biografias de Bolívar, como tantos dicionários e enciclopédias[6], não têm nenhuma relação com o fato de ele ser ou não maçom. Em geral, são bastante decepcionantes devido às suas lacunas, imprecisões e reiterações neste assunto. Se tomarmos como exemplo três biografias de caráter popular e amplamente divulgado, observamos que uma delas fala apenas em “Sociedade Patriótica”[7]; em outra da “Loja de Cádiz” ligada ao Grande Encontro Americano, cuja sede era em Londres em agosto[8]; e em uma terceira em um capítulo intitulado “ações em ação”. A única coisa que se diz é que o movimento de Miranda e Bolívar, como mais tarde o de San Martín, tinha sido apoiado por sociedades secretas chamadas “lojas”, como a que levou o nome de Lautaro e operou em Cádiz durante a guerra de independência da Espanha contra Napoleão[9]. Como contrapartida no ambiente da Maçonaria existe uma tradição que vincula Bolívar com a Maçonaria e especialmente com as sociedades patrióticas ou lojas Lautaro[10].

Onde e quando Bolívar começou na Maçonaria?

O maçom William R. Denslow, em sua obra 10.000 maçons famosos, diz que Bolívar ingressou na Maçonaria em Cádiz e acrescenta que recebeu os graus do Rito Escocês em Paris, sendo elevado à liderança dos Cavaleiros Templários na França em 1807, e que durante sua missão diplomática em Londres em 1810 levou uma vida ativa naquele país. Mais tarde, ele fundou a Loja Protetora das Virtudes nº 1 na Venezuela, e La Libertad nº 2 no Peru, da qual teria sido Venerável Mestre[11]. Mas não chega a mais detalhes como, por exemplo, a data de sua entrada na Maçonaria de Cádiz, o nome da loja, ou o que era esta Maçonaria. Hoje sabemos que a primeira loja maçônica foi fundada em Cádiz em janeiro de 1807[12] e nessa época Bolívar já havia retornado à América, por isso foi difícil para ele entrar na Maçonaria em Cádis.

Por sua vez, o Dr. Buenaventura Briceño Belisario, que foi Soberano Grande Comandante do Supremo Conselho 33 do Antigo Rito Escocês e Aceito pela Venezuela, em seu livro Immortal Humans[13], assegura que Bolívar foi iniciado por Francisco de Miranda em uma loja Lautaro, porém, sem indicar qual, onde e quando – e recebeu o grau de Mestre na loja venezuelana de Carúpano[14].

Por sua vez, Carnicelli, como Mancini, a quem cita[15], asseguram que começou na “Maçonaria Mirandista” na cidade de Cádiz, na Loja Lautaro, sem indicar a data nem dar mais detalhes. E acrescentam que, em Londres, em 1810, recebeu do precursor Miranda, o grau iniciático supremo na Grande Loja americana. E como complemento ao anterior, trazem o depoimento do historiador Marquês de Villa Urrutia[16] em seu estudo Rainha María Luisa y Bolívar, onde se afirma que Bolívar foi iniciado no final de 1803 não na Loja Lautaro, mas na Cavaleiros Racionais também da cidade de Cádiz[17].

Michel Vaucaire, em Bolívar el Libertador, relata que depois de sua viagem à Europa em 1803 – após a morte de sua esposa María Teresa em 22 de janeiro daquele ano – e de seu retorno à Venezuela, via Estados Unidos, em 1806, lhe mostrou seu Diploma maçônico e comentou sobre a visita à loja de Cádiz “a que foi por curiosidade e não por convicção”[18].

Este testemunho, como os anteriores, não tem valor para Seal-Coon em seu rigoroso trabalho Simón Bolívar, maçom[19]. O primeiro por ser contraditório e não fornecer nenhuma prova. Este último, porque Bolívar, no final de 1803, tinha 20 anos e era um oficial espanhol, não um revolucionário, que veio a Madrid para amenizar a dor de ter perdido a esposa após seis meses do casamento[20]. E para Seal-Coon nenhuma dessas circunstâncias era favorável para pensar na possibilidade da iniciação de Bolívar a uma loja política. O máximo que ele admite é uma visita como um não-maçom.

Mas, é mais importante saber que a “Loja” Lautaro ou Cavaleiros Racionais, de Cádiz, ainda não existia em 1803, pois foi fundada em 1811 por Carlos de Alvear e não por Miranda, como se disse. Além disso, a Lautaro não era uma loja maçônica, mas uma sociedade secreta patriótica que tinha como objetivo a independência da América Espanhola[21]. A lenda da iniciação de Bolívar em Cádiz não faz sentido, já que nas datas indicadas não havia loja maçônica na cidade e, o suposto Lautaro, também não existia e ainda levaria sete ou oito anos para ser estabelecido por Alvear, segundo seu próprio testemunho[22].

Também não há evidências de que Bolívar tenha sido membro, muito menos fundador, da Loja Protetora das Virtudes que foi criada em Barcelona (Venezuela) em 1º de julho de 1810 por Diego Bautista Urbaneja; nem da Loja Ordem e Liberdade , nº 2 , de Lima (Peru). Fundação atribuída ao General Antonio Valero com quem Bolívar teria em 1826 palavras não excessivamente fraternas, por causa das lojas constituídas pelo referido General Valero[23]. Os primeiros contatos de Bolívar com a Maçonaria foram logo depois, e não com a Maçonaria Templária como Denslow aponta, nem com a loja americana de Carúpano como afirma Briceño Belisario, mas com a Maçonaria escocesa parisiense.

Sociedades secretas

Em todo caso, estamos perante instituições como Lautaro, Cavaleiros Racionais, Encontro de Americanos, Conjuração de Patriotas, União Americana, Supremo Conselho da América, Grande Loja Americana, entre outras. Todos esses nomes têm o mesmo significado[24]: instituições ou sociedades que realmente não tinham nada da Maçonaria, embora às vezes adotassem o nome de lojas[25].

Nem existe qualquer acordo sobre o nome e localização dessas “associações”. Para Martínez Zaldúa e Enrique de Gandía[26], os Cavaleiros Racionais de Cádiz não eram uma loja, mas sim membros do Grande Encontro Americano fundado em Londres por Francisco Miranda em 1797. Porém, para Fernando Nadra[27], a sociedade fundada pelo venezuelano Miranda em Londres foi chamada de Lautaro ou Cavaleiros Racionais. Por sua vez, María Teresa Berruezo León afirma que “Miranda fundou em Londres a loja cavaleiros Racionais ou Grande Encontro Americano, que mais tarde seria transplantada para Cádiz como uma filial da loja-mãe”[28].

Nicolás E. Navarro, em Maçonaria e Independência pergunta: “Eram essas lojas maçônicas verdadeiras? Pode-se duvidar ”[29], ele responde. O maçom Pedro A. Barboza de la Torre, de Maracaibo, em sua obra datilografada Simon Bolivar e a maçonaria[30] ao mencionar essas pseudo lojas mirandistas, se refere a elas como “lojas” itinerantes, talvez uma imitação das lojas militares bonapartistas[31].

O depoimento do próprio San Martín nos faz duvidar se a, por alguns chamados, Loja Reunião de Americanos de Cádiz, era uma sociedade ou loja, ou melhor, “uma reunião de americanos”, com letra minúscula, como o próprio San Martín refere numa carta escrito ao General Ramón Castilla dois anos antes de sua morte em seu exílio voluntário de Boulogne-sur-Mer, na França, na qual ele diz:

Como você, servi no exército espanhol, na península, dos treze aos trinta e quatro anos, até o posto de tenente-coronel da cavalaria. Num encontro de americanos em Cádiz[32], cientes dos primeiros movimentos ocorridos em Caracas, Buenos Aires, etc., resolvemos devolver cada um ao seu país natal, a fim de prestar nossos serviços na luta, pois nós calculou que ele faria.

O depoimento de José Pettenghi conclui com o seguinte comentário lapidar: “Tudo o que se acrescenta não passa de suposições”[33].

Por sua vez, William Spence Robertson, o biógrafo de maior prestígio de Miranda, considera como hipótese a fundação em Londres por Miranda daquela influente sociedade de revolucionários hispano-americanos chamada loja Lautaro que, mais tarde, desenvolveria uma grande atividade na América do Sul, onde fomentou a revolução. Além disso, ele acrescenta que o exame de seus documentos não publicados “não revela nada que ele possa provar, se ele pertencia à Ordem Maçônica e se ele foi o fundador da Loja Lautaro.”

Da mesma opinião é o maçom Seal-Coon, que conclui sua valiosa obra “A mítica maçonaria de Francisco de Miranda” com as seguintes palavras: “Em minha opinião é muito mais provável que nosso famoso e pitoresco sul-americano nunca tenha sido membro. de um organismo maçônico regular ou irregular”[34].

No entanto, a opinião de que Miranda foi o fundador de um clube revolucionário hispano-americano é adotada entre tantos outros que não puderam conhecer ou consultar o rico arquivo pessoal de Miranda, do maçom e ilustre historiador Bartolomé Mitre. Em sua História de San Martín y de la emancipación Sudamericana[35], diz sobre as chamadas “lojas mirandistas”[36] que as sociedades secretas constituídas por sul-americanos, com tendências à emancipação da América do Sul com base no dogma republicano, eram muito semelhantes em sua organização e em seus propósitos às associações carbonárias traçadas nos ritos da Maçonaria, dos quais não tinham senão suas formas e símbolos ”[37].

Essas mesmas ideias também se encontram em sua outra obra História de Belgrano y de la Independencia Argentina, onde no Capítulo XXIV do Volume Dois, sob o título “Belgrano y San Martín”, ele diz que essas sociedades secretas

assumiram todas as formas das lojas maçônicas; mas apenas sinais, fórmulas, graus e juramentos tinham tais sinais. Seu objetivo era mais alto e, por causa de sua organização, eles se assemelhavam muito às associações carbonárias. Compostas em sua maioria por jovens americanos fanatizados pelas teorias da Revolução Francesa, não iniciaram em seus mistérios, mas sim por aqueles que professavam o dogma republicano, dispostos a trabalhar pela independência da América.[38]

Nessas passagens é claramente apreciado como Bartolomé Mitre descreve a associação política secreta atribuída a Miranda. Uma associação muito diferente da Maçonaria e mesmo do Carbonária, da qual assumiu apenas uma aparência superficial de signos, fórmulas, graus e juramentos secretos. Era uma associação secreta, sim, mas uma sociedade secreta de natureza política, com um propósito perfeitamente definido que nada tinha a ver com o que a Maçonaria pretendia[39].

Mas como esse é um assunto que há pouco já abordei em Cartagena das Índias. Focado justamente na pessoa de Miranda, me refiro ao que foi dito e publicado ali [40] e também ao que publiquei nas lojas Lautaro [41], porque o que nos interessa agora é o que se refere a Bolívar e sua iniciação maçônica.

Continua…

Autor: Jose Antonio Ferrer Benimeli

Fonte: REHMLAC

Screenshot_20200502-144642_2

Se você acha importante o trabalho que realizamos com O Ponto Dentro do Círculo, apoie nosso projeto e ajude a manter no ar esse que é um dos mais conceituados blogs maçônicos do Brasil. Você pode efetuar sua contribuição, de qualquer valor, através dos canais abaixo, escolhendo aquele que melhor lhe atender:

Efetuando seu cadastro no Apoia.se, através do link: https://apoia.se/opontodentrodocirculo

Transferência PIX – para efetuar a transação, utilize a chave: opontodentrodocirculo@gmail.com

Notas

[1] – José Antonio Ferrer Benimeli, “Bolívar e a Maçonaria”, Revista de Indias XLIII, no. 172 (julho-dezembro de 1983): 631-632; Journal of Ibero-American Studies IX, no. 1 (julho-dezembro de 1983): 1-51; “Maçonaria e independência da América Latina: Miranda e as lojas Lautaro”, em La Masonería en la Independencia de América. Três Séculos de Fundação da Maçonaria Simbólica (1717-2017) , eds. Diana Elvira Soto Arango, Miguel Angel Puig-Samper e José Pascual Mora-García (Tunja: Universidade Pedagógica e Tecnológica da Colômbia, 2018), 15-45; “As lojas Lautaro, os Cavaleiros Racionais e o movimento de independência americana”, na Maçonaria e sociedades secretas no México, coords. José Luis Soberanes Fernández e Carlos Francisco Martínez Moreno (México: UNAM, 2018) 41-70; “Mito, esquecimento e manipulação da história da Maçonaria”, REHMLAC + , 17, no. 1 (maio a novembro de 2019) 1-11, https://doi.org/10.15517/rehmlac.v11i1.36976

[2] – Expressão utilizada por Fernando Marqués da Costa em seu excelente prefácio a Alain de Keghel, Maçonaria na América Latina. Idealismo, complexidades e poder (Oviedo: Masonica.es, 2019), 15.

[3] – Simón Bolívar era na verdade chamado Simón José Antonio de la Santísima Trinidad Bolívar y Palacios, seus pais sendo Juan Vicente Bolívar y Ponte e Concepción Palacios y Blanco.

[4] – Apesar de Angel Guisado Cuellar, “Maçonaria britânica em Cádiz durante a Guerra Peninsular”, St. Bernard’s Lodge of Research No. 1817 SC Gibraltar Masonic Papers 1 (2015): nota 14, diz que “a única coisa que foi claramente demonstrado é que o dirigente argentino San Martín era maçom ”, já que nenhuma das duas obras em que se apoia tem esse valor probatório. Vida espanhola do General San Martín , coord. Antonio Lago Carballo (Madrid: Instituto Español Sanmartiniano, 1994).

[5] – Keghel, Maçonaria na América Latina , 273.

[6] – A título de exemplo, basta recorrer à voz de Simón Bolívar em uma das muitas enciclopédias ou dicionários que tratam dele para verificar que omitem qualquer referência a sua presumível filiação à Maçonaria. Isso ocorre, por exemplo, com a European-American Illustrated Universal Encyclopedia (Barcelona: José Espasa e Hijos Ed. 1908), volume VIII, 1408-1413; Dicionário enciclopédico hispano-americano de literatura, ciências e artes (Barcelona: Montaner y Simón, 1888), volume III, 744-745; Salvat Encyclopedic Dictionary (Barcelona: Salvat, 1955), 249-251; Grande Enciclopédia do Mundo (Bilbao: Durvan, 1962), volume III, 725. Uma exceção é a Nova Enciclopédia Larousse (Barcelona: Planeta, 1980), 1262-1263, onde, bem informado, se diz que em Paris “ingressou numa loja maçônica”.

[7] – Demetrio Ramos Pérez, Simón Bolívar el Libertador (Madrid: Anaya, 2004), 47-49.

[8] – Nelson Martínez, Simón Bolívar (Madrid: Hª 16 Quorum, 1986), 15-16.

[9] – R. Ballester Escalas, Simón Bolívar (Barcelona: Toray, 1963), 145.

[10] – A escolha do título “Lautaro” -o guerreiro mapuche- já é muito significativa, pois Lautaro, o caudilho araucano, foi quem derrotou Valdivia, o conquistador do Chile, em Tucapel em 1554.

[11] – William R. Denslow, 10.000 maçons famosos (Richmond: Macoy, 1957).

[12] – Ferrer Benimeli, Contemporary Spanish Masonry (Madrid: Siglo XXI de España ed., 1980), 42-46.

[13] – Buenaventura Briceño Belisario, Immortal Humans (Havana: Lex, 1961).

[14] – Carúpano: cidade da Venezuela localizada na costa do Mar Antillean, no estado de Sucre, a 65 kms. de Caracas.

[15] – Américo Carnicelli, Maçonaria na independência da América (1810-1830) (Bogotá: El autor, 1970), tomo I, 207. Jules Mancini, Bolívar e a emancipação das colônias espanholas das origens a 1815 , citado por Carnicelli, Maçonaria , Volume I, 207.

[16] – Wenceslao Ramírez de Villaurrutia (Havana 1850-Madrid 1933), diplomata (embaixador em Viena, Londres, Roma e Paris), historiador (membro da Royal Academy of History) e político (senador vitalício em 1905 e Ministro de Estado do 27 de janeiro a 23 de junho de 1905 no governo presidido por Raimundo Fernández Villaverde), porém, ele não tem autoridade como historiador da Maçonaria.

[17] – Wenceslao Ramírez de Villaurrutia, “Rainha María Luisa y Bolívar”, Boletim da Real Academia de História 90 (1927): 297-315.

[18] – de Michel Vaucaire, Bolívar o libertador , citado por FW Seal-Coon, “Simón Bolívar, maçom”, Ars Quatuor Coronatorum 90 (1977): 232.

[19] – Seal-Coon, Bolívar, Freemason , 231-247.

[20] – Simón Bolívar ficou viúvo aos 19 anos, quando sua esposa María Teresa morreu em Caracas “de uma febre maligna” em 26 de janeiro de 1803.

[21] – Ferrer Benimeli, “Cádiz e as chamadas lojas Lautaro ou Cavaleiros Racionais”, em Da Ilustração ao Romantismo. Ideias e movimentos clandestinos (Cádiz: Universidad, 1988); “As lojas Lautaro, os Cavaleiros Racionais”, 41-70.

[22] – Enrique de Gandía, “A política secreta da Grande Loja de Londres”, Boletim da Academia Nacional de História (Buenos Aires, 1976), 208. Nicolás Eugenio Navarro, Bolivarian Topics. Glosses to the “Diario de Bucaramanga” (Caracas, 1933), 31-32. Emilio Ocampo, Alvear na guerra com o Império do Brasil (Buenos Aires: Claridad, 2003).

[23] – Carnicelli, Maçonaria , volume II, 64.

[24] – Francisco Morales Padrón, História da América (Madrid: Espasa Calpe, 1962), 87, em vez de Cavaleiros Racionais diz Cavaleiros Nacionais.

[25] – D. Duthu, “San Martín e a Loja Lautaro”, Revista Eclesiástica do Arcebispado de Buenos Aires V (1905): 900-902; Juan Canter, “A Sociedade Patriótica e a Loja Lautaro”, La Nación, Buenos Aires, 10 de outubro de 1934; “A Loja Lautaro e a Revolução de Outubro de 1812”, La Nación, Buenos Aires, 3 de outubro de 1934; “A Loja Lautaro e a independência da América segundo Antonio R. Zúñiga”, Crítica Histórica (Buenos Aires, 1933): 1-14; “The Lautaro y Mendoza Lodge”, Revista da Junta Provincial de Estudos Históricos II (Santa Fe, 1936): 79-80; Raúl Ruiz y Ruiz, “A Loja Lautaro e a Independência da América”, Revista do Conselho Provincial de Estudos HistóricosXIV (Santa Fe, 1946): 73-82 e Revista San Martín 13 (Buenos Aires, 1947): 117-126; Fabián Onsari, San Martín, Lautaro Lodge e Maçonaria (Avellaneda, 1951); F. Pacífico Otero, “The Lautaro Lodge. Seu valor e importância histórica ”, La Nación, Buenos Aires, 12 de junho de 1910; Benjamín Oviedo Martínez, “La logia lautarina”, Revista Chilena de História e Geografia LXII (1929): 105-126; Mariano F. Paz Soldán, “The Lautaro Lodge”, em History of Independent Peru (Lima, 1868-1870): tomo I, 228-232; Rómulo Avendaño, “Sociedade Lautaro. Retificações históricas ”, Buenos Aires Magazine 19 (1869): 439-445; Augusto Barcia, San Martín e o Lautaro Lodge(Buenos Aires, 1950); Jaime Eyzaguirre, La logia lautarina e outros estudos sobre a independência (Santiago do Chile, Ed. Fco. De Aguirre, 1973); Guillermo Furlong. “The Lautaro Lodge”, Critério X (Buenos Aires), 1930): 721-722; Enrique de Gandía, A política secreta da Grande Loja de Londres (Buenos Aires, 1977); José Pettenghi, “San Martín em Cádiz, a caminho da América”, em espanhol Life of General San Martín , coord. Antonio Lago Carballo (Madrid, Instituto Español Sanmartiniano, 1994): 186-193.

[26] – Ramón Martínez Zaldúa, Maçonaria na América Latina (México, 1965), 15; Enrique de Gandía, “As prováveis ​​origens da loja Lautaro”, Symbol (Buenos Aires) 47 (agosto de 1990): 15-18.

[27] – Fernando Nadra, San Martín hoje (Buenos Aires: Ed. Cartago, 1974) 26.

[28] – María Teresa Berruezo León, “Londres, uma pioneira da propaganda da independência americana na Europa, 1808-1830”, Cádiz e Iberoamérica 7 (1984): 18-22.

[29] – Nicolás E. Navarro, Freemasonry and Independence (Caracas: Ed. Sur-America, 1928), 15-16.

[30] – Pedro A. Barboza de la Torre, Simón Bolívar e a Maçonaria (Maracaibo: sc 1977).

[31] – Sobre a Maçonaria Bonapartista na Espanha: Ferrer Benimeli, Maçonaria Espanhola Contemporânea (Madrid: Século XXI da Espanha Ed. 1980), 38-81.

[32] – O sublinhado é meu.

[33] – Pettenghi, “San Martín em Cádiz, a caminho da América”, 188. Manuel Jesús Segado-Uceda, “José Francisco de San Martín. De herói a fora da lei ”, Iberian 2 (2011) 30-39.

[34] – “Tampouco houve qualquer evidência que indicasse que ele alguma vez tenha iniciado revolucionários como San Martín e Bolívar em uma associação de ‘carbonari’ sul-americanos. Na verdade, nem mesmo há indícios de que Miranda tenha conhecido San Martín ”. William Spence Robertson, A vida de Miranda (Caracas: Academia Nacional de História, 2006): 158. FW Seal-Coon, “A mítica Maçonaria de Francisco de Miranda”, em Maçonaria espanhola entre a Europa e a América , coord. Ferrer Benimeli (Zaragoza: Gobierno de Aragón, 1993), volume I, 107-126.

[35] – Bartolomé Mitre, Emancipation of South America (Londres, 1893). História de San Martín e a emancipação sul-americana (Buenos Aires: Eudeba, 1968).

[36] – Francisco de Miranda é considerado o criador de algumas associações secretas às quais aderiram os americanos espalhados pela Europa (O’Higgins do Chile, Nariño de Nueva Granada, Montúfar e Rocaforte de Quito, Caro de Cuba, Alvear da Argentina …). Porém, em seus papéis privados que o próprio Miranda encadernou em mais de 60 volumes e que de 1812 a 1926 foram mantidos na Inglaterra, não há alusão a essas sociedades. Quando Miranda foi feito prisioneiro na Venezuela em 1812, seu secretário particular Antonio Leleux despachou os documentos em um navio inglês com destino a Curaçao, onde permaneceram por dois anos. Posteriormente, foram enviados para a Inglaterra sob a custódia de Lord Barthust, cuja família os guardou até que o diplomata e historiador venezuelano Caracciolo Parra Pérez os comprou e transferiu para Caracas. A Academia Nacional de História da Venezuela publicou os primeiros 14 volumes entre 1929 e 1933. Outros dez foram publicados entre 1934 e 1950. Eles mantêm a classificação que Miranda deu a seus trabalhos: Viagem (1750-1805), Revolução Francesa (1792-1808 ) e Negociações (1790-1810). Wilfredo Padrón Iglesias. “A Maçonaria, um ponto negro na trajetória de Francisco de Miranda”,Journal of Latin American Studies 2, no. 61 (2015): 23-24. Gloria Henríquez-Uzcátegui. Os papéis de Francisco de Miranda (Caracas: Biblioteca da Academia Nacional de História, 1984), 135.

[37] – Iris M. Zavala, Masones, comuneros y Carbonarios (Madrid: Siglo XXI de España Ed. 1971).

[38] – Citado por Nicolás E. Navarro, Masones, comuneros y carbonarios (Madrid: Siglo XXI de España Ed. 1971).

[39] – O professor Salvador M. Dana Montaño (ex-reitor da Universidad del Litoral e professor das universidades de Trelew e Santa Fe, na Argentina, teve a mesma opinião em nossa correspondência privada (anos 1975-1987) em torno de San Martín, da qual afirma que “em nenhum documento público ou privado o general San Martín menciona a Maçonaria”. E acrescentou: “Acho que não era maçom, mas membro de uma sociedade secreta de natureza política, como a de Mazzini na Itália., ou o de Echeverría em Buenos Aires ”.

[40] – Ferrer Benimeli, “Maçonaria e independência da Hispano-América”, 15-45.

[41] – Ferrer Benimeli, “Cádiz e as chamadas“ lojas ”Lautaro”, 149-176. Ferrer Benimeli, “Os Cavaleiros Racionais, os loges lotariennes e as formas de la franc-maçonnerie dans le monde hispanique”, em Sous le masque de la Franc-Maçonnerie , ed. Jacques Lemaire (Bruxelles: Editions de L’Université, 1990), 11-30.