15º Sorteio Literário do blog

Screenshot_20200502-144642_2

Se você acha importante o trabalho que realizamos com O Ponto Dentro do Círculo, apoie nosso projeto e ajude a manter no ar esse que é um dos mais conceituados blogs maçônicos do Brasil. Você pode efetuar sua contribuição, de qualquer valor, através dos canais abaixo, escolhendo aquele que melhor lhe atender:

Efetuando seu cadastro no Apoia.se, através do link: https://apoia.se/opontodentrodocirculo

Transferência PIX – para efetuar a transação, utilize a chave: opontodentrodocirculo@gmail.com

Usos e Costumes em Lojas Maçônicas

Loja Maçônica Independência, 131

Este trabalho tem por objetivo analisar a prerrogativa da liberdade e colocação em prática de Usos e Costumes em Lojas Maçônicas. Justifica-se por ser algo pertinente a estas Lojas, bem como ao fato de que seu entendimento pode ter interpretações diversas. A adoção de alguns Costumes em Lojas pode ocasionar questionamentos diferentes, dependendo muitas vezes de observações pessoais e vantajosas para quem as pratica.

O questionamento destas práticas, em sua pretensão, coloca uma interpretação do conceito e definição em uma maior profundidade, sempre tendo por objetivo acrescentar, ajudar e evoluir cada vez mais em uma busca justa e perfeita. Por que se adotam práticas em Lojas que, em outras do mesmo Rito, estes costumes são abominados e não adotados?

Sabemos que na história, por circunstâncias diversas, Usos e Costumes tornam-se regras. Nas Lojas Maçônicas não foi diferente, pois com o passar dos tempos algumas coisas adotadas, e por serem usuais rotineiramente, tornaram-se regras oficiais. Além de que, com o passar dos anos, regras são alteradas devido à evolução dos tempos e adaptações aos momentos de vida dos segmentos envolvidos. Estas mudanças, quando necessárias, é que devem ser melhores analisadas. Esta análise deve ser feita, necessariamente, em caráter oficial para que não resida o grande descompasso na liberalidade de adoção de práticas que poderão se tornar regras. Urge decisões de instâncias oficiais, normatizando situações adotadas diferentemente por motivos circunstanciais.

Algumas interpretações devem se aproximar de um consenso, tendo em vista que o objetivo é único.

A liberdade para as mudanças necessárias de regras em Lojas Maçônicas, e isto está autorizado em Manuais com ressalvas, deve permear a análise profunda e histórica do Rito e adotar-se algumas regras particulares, acobertados pela liberalidade do Rito quanto aos seus Usos e Costumes estão descaracterizando-o. Mesmo que esteja bem claro que a atualidade de certas práticas não deve perder o contexto histórico do fato.

Apesar de ser uma premissa básica o entendimento do Rito, na sua primeira e decisiva finalidade, este entendimento fica em segundo plano quando se interpreta de forma errada o que está escrito. Está lá no Manual de Instruções do Rito Schöroder – Grau de Aprendiz Maçom: 

O termo Rito incute nas pessoas o hábito cerimonial. O termo Rito se aplica no sentido de regra, ordem, método, orientação, diretriz, uso e conotações, que impregnam a conduta humana de compromisso com um sentimento preconizado.

E como complemento decisivo encontra-se na Edição 2015 do livro Docência Maçônica: 

Em Maçonaria a aplicação de Usos e Costumes deve ter sempre a observância atenta de suas componentes, entre elas sua temporalidade, não devendo ser confundida, pois, com a tentativa de modificações a serem introduzidas nas regras e normas ritualísticas e administrativas devidamente regularizadas. Exige-se que essas práticas contenham sua habitualidade em grande lapso de tempo, ou seja, observe certa antiguidade.

Reforçar este entendimento apenas traz consigo os elementos que devem ser analisados, entendidos e praticados em Lojas. Quando da adoção de certas normas particulares de costumes em Lojas, algumas coisas devem ser levadas em considerações: regras, normas, tradições, culturas, evolução da vida física, temporalidade e outras. Devemos considerar aquilo que nos faz diferentes dos demais, isto é, a tradição, a temporalidade quanto ao seu estágio inicial para que não percamos com o passar dos tempos algumas características que nos fazem diferentes.

Adotar-se certas práticas dentro de uma Loja que são confortáveis ou menos trabalhosas, atitudes estas amparadas em liberalidade dos Usos e Costumes, é afastar-se do caminho da persistência que deve ter um Maçom quanto ao seu esforço físico na busca de uma evolução.

Adotar-se atitudes particulares e transferi-las para o âmbito de uma Loja, é descaracterizar aquele esforço que se deve ter, mesmo que seja penoso, na busca de uma evolução. Não se deve adotar alguns Usos e Costumes em uma Loja porque uma maioria de irmãos achou que deveria ser assim, pois, entender que uma maioria é soberana, é diferente de uma unanimidade. Adotar algumas coisas pela sua praticidade é incorrer no erro dos que buscam apenas coisas pensando em si próprios e não na busca do coletivo.

Usos e Costumes não devem ser desculpas para adoção de interesses de pequenos grupos. Adaptações devem ser seguidas com relação a sua temporalidade, contudo, de tal modo que nunca fujam daquelas normas preconizadas às suas características básicas.

A adoção de Usos e Costumes, com a retórica baseada em uma simples análise de evoluções apenas ligadas ao calendário de que o mundo evoluiu, passa necessariamente pela análise de suas características iniciais de que a finalidade da evolução do homem em todos os seus aspectos é única e adaptações corriqueiras não devem ser manipuladas apenas visando o conforto dos que as propugnam, pois senão incorre-se no erro de que a evolução dos tempos os transforma em iguais na sua caracterização.

Entender que qualquer evolução pode ser benéfica, necessariamente não quer dizer que se deve adotá-las, pois, decisões de pequenos grupos podem trazer erros em sua concepção. O processo de implantação de regras e normas, necessariamente, têm características próprias e objetivos bem definidos quanto a sua diferenciação. Tentar a aproximação do unânime, quanto à evolução do tempo, e aos seus circundantes que navegam no acaso sem responsabilidades algumas, pode os tornar comuns e descaracterizar aquele grupo de pessoas que buscam, incessantemente, a evolução.

Notam-se em algumas Lojas pequenos grupos tentando adotar práticas que descaracterizam a Maçonaria na sua essência básica, com a simples desculpa que o mundo evoluiu. Nestes casos específicos, numa análise mais profunda, verificam-se adoções de práticas particulares com relação aos rituais que são feitos, sem a preocupação da preservação de uma tradição.

É necessário um entendimento e praticidade mais profunda do que significa Usos e Costumes, mesmo que, para isto, tenha-se que adotar certas regras impositivas de fiscalização que podem ser adotadas até mesmo dentro dos referidos grupos.

Autor: Jorge Antonio Mendes

Fonte: Ritos & Rituais

Screenshot_20200502-144642_2

Se você acha importante o trabalho que realizamos com O Ponto Dentro do Círculo, apoie nosso projeto e ajude a manter no ar esse que é um dos mais conceituados blogs maçônicos do Brasil. Você pode efetuar sua contribuição, de qualquer valor, através dos canais abaixo, escolhendo aquele que melhor lhe atender:

Efetuando seu cadastro no Apoia.se, através do link: https://apoia.se/opontodentrodocirculo

Transferência PIX – para efetuar a transação, utilize a chave: opontodentrodocirculo@gmail.com

Servidão voluntária: o olhar de Bauman e Huxley sobre a sociedade de consumo

Saramago já nos advertia que estamos cegos da razão. Talvez seja o nosso ego, sempre inflado e se achando o dono do pedaço. Talvez seja pela nossa incessante incapacidade para amar. Podemos dizer que essa cegueira se alastra em função da facilidade. É sempre mais fácil andar sem olhar para o lado. Sem olhar para nós mesmos. Sem olhar para o que somos ou nos tornamos.

Cegos que somos, seguimos a doutrina da sociedade de consumo. Condicionados como bons soldados, não recusamos a missão de esvaziar um Shopping Center. Aprendemos desde cedo, que como partes do todo, devemos manter a ordem e, assim, não devemos transgredir as leis de ouro que tornam a sociedade contemporânea um reino de “felicidade”.

O sistema hegemônico, através da mídia, não nos deixa esquecer a importância de manter o sistema funcionando harmonicamente, e de que como ele é um bom senhor, devemos-lhes obediência e servidão. Servidão esta, construída por meio de chicotes ou força física? Não. Ora, se somos seres desejantes, então, nada melhor do que usar a mídia para nos seduzir.

Somos seduzidos pela promessa de felicidade escondida atrás do consumismo. Somos tentados por todos os sorrisos espalhados nas propagandas. Somos condicionados a acreditar que a felicidade só é possível se e, se somente se, tenho condições de participar da orgia do consumo.

Sendo assim, somos ludibriados por um sistema que nos entorpece e nos torna míopes que só enxergam a realidade pelos óculos que lhes são oferecidos. Tornamo-nos, dessa forma, servos voluntários do sistema, pois embora livres, nos permitimos condicionar e obedecê-lo. Sem espaço para a crítica ou autorreflexão, somos apenas reprodutores de uma cultura aprisionadora que qualifica como tolice qualquer prazer fora do consumo.

“Imaginem que tolice, permitir que as pessoas se dedicassem a jogos complicados que não contribuíam em nada para o consumo. Atualmente, os Administradores não aprovam nenhum jogo novo, salvo se, se demonstrar que ele necessita, pelo menos, de tantos acessórios quanto o mais complicado dos jogos existentes.”

A felicidade, portanto, deve ser comprada, aliás, somente existe se for comprada. Não há espaço para as coisas simples, para o que é “gratuito”. Para que possamos ser felizes e ter prazer, precisamos inexoravelmente consumir. Essa é a servidão voluntária através do consumo, não pela violência ou coerção, mas pela sedução e erotismo produzido nas relações de consumo.

Devidamente seduzidos pelo mercado, não conseguimos sair das suas entranhas. Não precisamos. Tudo é mercadoria. Ouvimos o tempo inteiro a voz do mercado, com seus alto-falantes que denunciam qualquer ato de “tolice” e nos lembram incessantemente a necessidade vital de consumir, pois como bem atenta Huxley: “Sessenta e duas mil repetições fazem uma verdade”.

Todos esses mecanismos de controle social escondem um autoritarismo com o qual nos acostumamos e aceitamos, pela indisposição em ser mais que um pacote de biscoitos e um par de sapatos. Preferimos estar cegos e condicionados que se opor ao sistema. Estamos, assim, mais que cegos da razão, estamos, como diz Bauman, em uma cegueira moral.

Somos subservientes a um sistema que racionaliza as emoções e que transforma a vida em uma longa linha de produção, de modo que não existe outro caminho a uma vida prazerosa sem passar por ela. Somos cegos admirando os caminhos líquidos de um mundo novo.

O admiramos, pois fomos seduzidos pelo encanto e enlace erótico de um mundo que me permite ser um novo a cada dia, em que não se precisa de laços e que, portanto, cada um é um fim em si mesmo. Somos servos voluntários, pois nós mesmos nos fazemos dominar. Entretanto, esquecemos que esse sistema hegemônico através da sedução que nos domina, mantém o status quo de opressão e escravidão.

Como diz Bauman: “A vida desejada tende a ser a vida vista na TV”. Mas, a vida vai além de padrões de comportamento, de cartilhas, senhas e números. Vai além de escravidão e dominação. Vai além de reproduzir as verdades da mídia. Vai além de um cartão sem limites. Vai além de algumas polegadas. Ainda que para enxergar esse além, seja preciso coragem para sair do cinema e visitar a própria vida.

Autor: Erick Morais

Fonte: Provocações Filosóficas

Screenshot_20200502-144642_2

Se você acha importante o trabalho que realizamos com O Ponto Dentro do Círculo, apoie nosso projeto e ajude a manter no ar esse que é um dos mais conceituados blogs maçônicos do Brasil. Você pode efetuar sua contribuição, de qualquer valor, através dos canais abaixo, escolhendo aquele que melhor lhe atender:

Efetuando seu cadastro no Apoia.se, através do link: https://apoia.se/opontodentrodocirculo

Transferência PIX – para efetuar a transação, utilize a chave: opontodentrodocirculo@gmail.com

Consumo x consumismo – Zygmunt Bauman

A desordem do consumismo na sociedade do consumo | by Revista Torta |  revistatorta | Medium

Tentamos achar nas coisas, que por isso nos são preciosas, o reflexo que nossa Alma projetou sobre elas.” Marcel Proust

Consumimos! Desde a aurora de nossa existência, rotineira e ininterruptamente, da hora em acordamos ao momento em que vamos dormir, antes mesmo do nascimento e até após a morte, consumimos.

Mas, uma coisa é o consumo de bens necessários e até indispensáveis à vida e ao bem estar (morar, comer, beber, dormir, saúde, estudos, lazeres… prazeres!); Outra é o consumismo.

Desenfreado, o consumismo excede a necessidade, culminando na profusão de mercadorias, na ostentação do luxo e num portentoso descarte de lixo.

Analisar o fenômeno do consumismo é fundamental para que possamos compreender um aspecto funesto e nevrálgico da sociedade em que vivemos.

Da obra do sociólogo polonês Zygmunt Bauman, “Vida Para Consumo – A transformação das pessoas em mercadoria” trazemos uma breve reflexão sobre o capítulo intitulado “Consumo versus Consumismo”.

Segundo o autor, o fenômeno do consumo “tem raízes tão antigas quanto os seres vivos (…) é parte permanente e integral de todas as formas de vida (…)”.

Mas, enquanto o consumo constitui uma característica e ocupação de todos os seres humanos enquanto indivíduos, o consumismo, alerta o estudioso, é um atributo da sociedade.

Não precisamos de uma lupa superpoderosa para observar que, nos últimos séculos, galopando cada vez mais em mega escala, rumamos a um consumismo vertiginosamente apoteótico: de uma natural necessidade de segurança, conforto e, até sobrevivência mesmo, o que justifica o consumo, ao abismo propulsionado do vício do consumismo.

Governado por nossas ‘vontades’, o consumismo se tornou o propósito de nossa existência quando nossa capacidade de ‘querer’, ‘desejar’, ‘ansiar por’, passou a sustentar a economia (oikós = casa + nomós = norma) mediando o convívio humano.

Bauman afirma que o ‘consumismo’ é um tipo de arranjo social resultante da reciclagem de vontades, desejos e anseios humanos rotineiros (neutros quanto ao regime), transformando-os [e transmutando-os] na principal força propulsora e operativa da sociedade.

O ‘consumismo’ chega, diz ele, quando o consumo assume o papel-chave que na sociedade de produtores era exercido pelo trabalho.

Passa a ser central quando “a capacidade profundamente individual de querer, desejar e almejar deve ser, tal como a capacidade de trabalho na sociedade de produtores, destacada [‘alienada’, o termo aqui empregado não em conotação pejorativa] dos indivíduos e reciclada/reificada numa força externa que coloca a ‘sociedade de consumidores’ em movimento e a mantém em curso como uma forma específica de convívio humano, enquanto ao mesmo tempo estabelece parâmetros específicos para as estratégias individuais de vida que são eficazes e manipula as probabilidades de escolha e conduta individuais”.

Ou seja, o coletivo mais que se sobrepõe: dita o modus vivendi/modus operandi do indivíduo que se afoga, ‘engolfado’ pelo ‘Todo’.

A revolução consumista, diz o sociólogo, é uma questão que exige investigação mais atenta, diz respeito ao que ‘queremos’, ‘desejamos’ e ‘almejamos’, e como as substâncias de nossas vontades, desejos e anseios estão mudando no curso e em consequência na passagem ao consumismo.

Equivocadamente, pensamos que os consumistas se empenham pela apropriação e acumulação de objetos pelo conforto e/ou respeito que outorgam a seus donos, mas, embora essa possa ser a principal motivação, na verdade, foi “um tipo de sociedade comprometida com a causa da segurança estável e da estabilidade segura, que baseia seus padrões de reprodução a longo prazo em comportamentos individuais criados para seguir essas motivações” que serviu de esteio para alicerçar a pedra fundamental do consumismo.

Àquela em que Bauman nomeia fase “sólida da modernidade” foi basicamente orientada para a segurança e, norteada por esse anseio, “apostou no desejo humano de um ambiente confiável, ordenado, regular, transparente e, como prova disso, duradouro, resistente ao tempo e seguro…”.

Lícito, sem dúvida, todo esse afã constituiu a matéria-prima convincente e “bastante conveniente para que fossem construídos os tipos de estratégias de vida e padrões comportamentais indispensáveis para atender à era do ‘tamanho é poder’ e do ‘grande é lindo’: uma era de fábricas e exércitos de massa, de regras obrigatórias e conformidade às mesmas, assim como de estratégias burocráticas e panópticas de dominação que, em seu esforço para evocar disciplina e subordinação basearam-se na padronização e rotinização do comportamento individual (…)”.

Assim, afirma o renomado sociólogo, foi-nos incutido que a posse de um grande volume de bens garantiria uma existência segura, imune aos caprichos do destino: “Sendo a segurança a longo prazo o principal propósito e o maior valor, os bens adquiridos não se destinavam ao consumo imediato – pelo contrário, deviam ser protegidos da depreciação ou dispersão e permanecer intactos”.

Não era exatamente pelo desfrute imediato que ansiávamos, ao contrário, esse modelo preconizava que se adiasse (quase indefinidamente) a fruição dos bens arduamente conquistados, acumulados e estocados.

No começo do século XX, o ‘consumo ostensivo’, diz ele, portava um significado bem distinto do atual: “consistia na exibição pública de riqueza com ênfase em sua solidez e durabilidade, não em uma demonstração da facilidade com que prazeres imediatos podem ser extraídos de riquezas adquiridas (…)”.

Bens resistentes e preciosos, como joias e palacetes ricamente ornamentados, “Tudo isso fazia sentido na sociedade sólido-moderna de produtores – uma sociedade que apostava na prudência, na durabilidade (…)”.

Mas o desejo humano de segurança e os sonhos de um ‘Estado estável’ definitivo não se ajustam a uma sociedade de consumidores, alerta Zygmunt Bauman: “(…) o consumismo, em aguda oposição às formas de vida precedentes, associa a felicidade não tanto à satisfação de necessidades (…), mas a um volume e uma intensidade de desejos sempre crescentes, o que por sua vez, implica o uso imediato e a rápida substituição dos objetos destinados a satisfazê-la”.

A insaciabilidade – maldição de Tântalo! –, permeia nosso ambiente líquido-moderno, inóspito ao que é estável, à placidez de um ‘Tempo Eterno’.

O pensador Stephen Bertman cunhou os termos ‘cultura agorista’ e ‘cultura apressada’ para denotar a maneira como vivemos atualmente: “O consumismo líquido-moderno é notável, mais do que por qualquer outra coisa, pela (até agora singular) renegociação do significado do tempo”. Ser feliz? Só se for para já!

Nem cíclico, tampouco linear, o tempo agora é pontilhista[1]: “(…) fragmentado, ou mesmo, pulverizado numa multiplicidade de ‘instantes eternos’ – eventos, incidentes, acidentes, aventuras, episódios –, mônadas contidas em si mesmas, parcelas distintas, cada qual reduzida a um ponto cada vez mais próximo de seu ideal geométrico de não-dimensionalidade”.

Agora, imediatamente. E o motivo da pressa é, em parte, o impulso de adquirir e juntar. Mas o motivo mais premente que torna a pressa de fato imperativa é a necessidade de descartar e substituir, aponta Bauman. Entediante, esse enfadonho ‘viciante círculo vicioso’ gera angústia, melancolia.

Mesmo os que encontram uma real necessidade de algo, “logo tendem a sucumbir às pressões de outros produtos ‘novos e aperfeiçoados’”. Vem-nos à mente a imagem do cão correndo em círculos, a perseguir o próprio rabo.

E, ao “sentir a infinidade da conexão, mas não estar engatado em coisa alguma”, sobrevém sorrateira melancolia, o que Bauman aponta como sendo a aflição genérica do consumidor.

Autora: Luciene Felix

Fonte: Blog Conhecimento Sem Fronteiras 

Nota

[1] – “Fazendo uma analogia com o movimento pontilhista de mestres como Sisley, Signac ou Seurrat, Pissaro ou Utrilo”.

Screenshot_20200502-144642_2

Se você acha importante o trabalho que realizamos com O Ponto Dentro do Círculo, apoie nosso projeto e ajude a manter no ar esse que é um dos mais conceituados blogs maçônicos do Brasil. Você pode efetuar sua contribuição, de qualquer valor, através dos canais abaixo, escolhendo aquele que melhor lhe atender:

Efetuando seu cadastro no Apoia.se, através do link: https://apoia.se/opontodentrodocirculo

Transferência PIX – para efetuar a transação, utilize a chave: opontodentrodocirculo@gmail.com

Diferenças Filosóficas Maçônicas no Século XXI

Empreendedorismo em Tecnologia (TI): 4 caminhos possíveis - Loocalizei

Como editor de uma revista maçônica nacional, recebo muitas cartas ao editor e artigos submetidos para publicação. No meu caso, a maioria deles é sobre Maçonaria, Templários ou Cristianismo. Daqueles sobre a Maçonaria, vários são de Irmãos expressando opiniões sobre a grande controvérsia sobre onde nossa liderança deveria estar nos conduzindo neste momento de crise em nossa Fraternidade.

Enquanto leio e tento entender todo esse diálogo, perguntas vêm à mente. Existe uma crise em nossa fraternidade? Se sim, quais são nossas opções? O que exatamente aqueles oferecendo sugestões querem que façamos? Existe acordo ou até mesmo definição da crise? Como chegamos a esse ponto? Quantas opiniões diferentes existem? Qual lado devo tomar? Como posso ajudar?

Vamos explorar essa situação, tentar determinar quais são os fatos, usar alguma lógica e ver se podemos tentar resolver isso para que possamos tomar algumas decisões inteligentes e conscientes e tomar medidas que beneficiem a Fraternidade. Acima de tudo, vamos ver se podemos alcançar ou restabelecer a harmonia entre a Arte. Existe uma situação ganhar-ganhar a se ter sobre tudo isso?

Agora você provavelmente está perguntando: “qual crise, a qual conflito ele está se referindo? Vamos olhar para a nossa história e ver se podemos definir a crise.

Precedente histórico para desacordo generalizado

A controvérsia não é estranha à nossa fraternidade. Eu lhe pediria que olhasse para trás por um momento, para uma disputa que surgiu há mais de duzentos anos, não muito tempo depois que o sistema da Grande Loja foi estabelecido. Um grupo de maçons percebeu que essa nova entidade chamada Grande Loja havia começado a modificar a fraternidade de maneiras com as quais eles não concordavam. A nova Grande Loja em Londres, a partir de sua perspectiva, estava tentando consolidar as visões e práticas de muitas de suas recém-denominadas Lojas “subordinadas” em uma fraternidade consistente. O grupo que se opunha às ações da Grande Loja se desligou e formou sua própria Grande Loja chamando a si mesmos de “Antigos”, porque eles defendiam voltar ao que eles acreditavam ser os antigos modos de fazer a Maçonaria. Isso, é claro, resultou em a Grande Loja original ser chamada de “Modernos”, embora fosse mais antiga que a Grande Loja dos Antigos. Essa controvérsia se estendeu até os primeiros anos do século XIX, quando suas diferenças foram resolvidas, e mais uma vez se uniram para formar a Grande Loja Unida da Inglaterra. Evidências desta controvérsia são encontradas em toda a Maçonaria Americana, já que algumas de suas Lojas carregam o título de “Maçons Livres e Aceitos”, enquanto outras são conhecidas como “Antigos Maçons Livres e Aceitos” ou até mesmo “Maçons Antigos”. A maioria dos irmãos nos Estados Unidos nem sequer entende de que se tratava o rebuliço, e até há indícios de que algumas lojas tomam uma posição firme contra um lado ou outro, sem perceber que receberam cartas constitutivas do mesmo lado a que estavam se opondo.

 Perspectiva histórica

  • A Grande Loja de Londres 1717-1813: Modernos
  • A Grande Loja Antiga da Inglaterra 1751-1813: “A Grande Loja da Inglaterra de acordo com as Antigas Instituições”
  • A Grande Loja dos Antigos: Antigos
  • A Grande Loja Unida da Inglaterra 1813 – Até hoje

A crise proliferando o desacordo atual

O dicionário nos informa que uma crise é “um estágio em uma sequência de eventos em que a tendência de todos os eventos futuros, especialmente para o melhor ou para o pior, é determinada; ponto de inflexão.” A crise atual pode ser rastreada até um único gráfico e a interpretação de seu significado.

Os neomodernos

Em 1959, o número de maçons nos Estados Unidos chegou ao auge e começou a declinar. Na história conhecida da Maçonaria, pelo menos desde que se vem contando os Maçons, o número de membros em nossa Fraternidade subiu e desceu, mas isso foi, de longe, o maior número de membros que já tivemos. Quando eu falo de Maçonaria, eu incluo a Loja Azul da Maçonaria Simbólica e todas as outras organizações que predicam sua participação na Loja ou estão de algum modo associadas a ela. Eu geralmente me refiro apenas à Maçonaria dentro dos Estados Unidos. A fraternidade havia estabelecido uma infraestrutura interna elaborada e extensa. Cada um dos nossos corpos tinha funcionários em níveis estadual e nacional e muitos em nível local. Além disso, a maioria dos corpos estabeleceu filantrópicas estaduais ou nacionais que empregavam literalmente milhares de pessoas. Tínhamos hospitais, lares de órfãos, comunidades de aposentados, fundações e instituições educacionais. Além das folhas de pagamento, havíamos herdado ou construído um grande número de edifícios. Tínhamos edifícios de Lojas, edifícios de Grande Lojas, Templos de Rito Escocês, Templos de Rito de York, Templos de Shrine, orfanatos, hospitais, museus, bibliotecas e escolas, sem mencionar o espaço de escritório necessário para administrar toda essa infraestrutura. Tudo isso era apoiado financeiramente pelos nossos membros através de taxas, contribuições, esforços de angariação de fundos, e às vezes retornos de investimentos que alguns de nossos predecessores mais sábios haviam feito com essa finalidade.

À medida que o número de membros começou a declinar, nossa liderança enfrentou um problema que nenhum de seus antecessores em sua memória havia enfrentado. Reduzir os custos de infraestrutura ou sobrecarregar os membros. Você percebe que eu não disse, “aumentar o fardo sobre seus membros” porque conforme os números subiam durante os cinquenta anos anteriores, as demandas financeiras sobre cada membro diminuía em termos de poder de compra real a ponto que era uma pequena fração do que uma vez foi. A inflação e o índice de preços ao consumidor continuaram a subir a cada ano e o custo das taxas permaneceu o mesmo ou até mesmo diminuiu em alguns casos. Esta situação foi exacerbada pela natureza de nossas propriedades imobiliárias. Durante a primeira metade do século XX, a Fraternidade tinha construído edifícios elaborados e impressionantes em todo o país, e esses edifícios geralmente não tinham sido bem  mantidos. Eles estavam, em alguns casos, literalmente caindo aos pedaços ao nosso redor e tinham significado histórico não apenas para a Fraternidade, mas também para as comunidades em que estavam localizados.

À medida que a pressão financeira aumentava, os primeiros a tentar resolver o assunto foram compreensivelmente o Rito Escocês da Jurisdição do Sul, o Shrine e, em menor grau, a Grande Loja da Pensilvânia. Por que “compreensivelmente?” Porque eram organizações muito grandes, administradas centralmente e, no caso do Shrine e do Rito Escocês, possuíam vastas propriedades imobiliárias. As decisões difíceis atingiram essas organizações primeiro. Justamente acreditando que a fonte do problema estava nas Lojas Azuis, porque todos os seus membros eram derivados da Loja, o Rito Escocês e o Shrine decidiram tentar envolver a liderança das Grandes Lojas na formulação de uma solução para o “problema”. Eles levaram o problema e o colocaram aos pés da Conferência dos Grão-Mestres da América do Norte. Isso resultou na formação de um “Comitê de Renovação Maçônica”. Esse comitê, percebendo que precisava de mais dados para tomar uma boa decisão, contratou consultores para coletar os dados, analisá-los e fazer recomendações. Deste esforço várias recomendações foram oferecidas. Algum reconhecimento foi feito de que nossos membros deveriam ser melhor educados sobre a fraternidade. Atividades de membros mais populares deviam ser adotadas. Nossos membros existentes deviam encarar o fato de que precisam se posicionar e, como indivíduos, compartilhar uma quantidade maior da responsabilidade financeira, aumentando taxas ou conduzindo mais arrecadações de fundos, mas de longe e acima de tudo, a mensagem mais clara dos consultores e do comitê era que precisávamos aumentar o número de membros ou pelo menos diminuir a perda de “sangramento” de membros a cada ano.

Foi sugerido que a Maçonaria tinha ficado para trás no tempo e não respondia às necessidades da geração atual. Foi anunciado que a perspectiva moderna não estava interessada em ritual e não tinha tempo para passar noite após noite em reuniões de loja por causa das demandas de trabalho e família de nossa sociedade moderna. Foi até dito que parecíamos desencorajar os homens a se tornarem maçons por devido à nossa política de não-convite, nossas exigências de que os iniciados memorizassem e recitassem páginas de palestras e os longos três a cinco meses necessários para completar o processo de iniciação. Assim, as recomendações incluíram propostas para reduzir ou eliminar a necessidade de qualquer memorização, reduzir o tempo e o esforço necessários para se tornar um maçom e até ter aulas de um dia em que um homem pudesse dar o seu dinheiro, participar de uma reunião de meio dia ou de um dia inteiro, observar o que estava acontecendo e, no final do dia ir para casa como um cartão bona fide de Mestre Mason. Além disso, havia recomendações sobre a visibilidade da Fraternidade. Afinal, precisaríamos anunciar para atrair bons maçons em potencial. Daí vieram as recomendações de que nossos edifícios fossem abertos ao público mais do que nunca, que nossas instituições beneficentes e seus benefícios fossem divulgados mais do que nunca e que nossas atividades de arrecadação de fundos para instituições de caridade aumentassem e envolvessem mais participação pública. Para atrair o tipo certo de homens, seria necessário que os conscientizássemos das coisas boas que fazemos.

Neomodernos:

  • Comitê de Renovação Maçônica da Conferência dos Grandes Mestres da América do Norte;
  • Shrine;
  • Rito Escocês Antigo e Aceito;
  • Grande Loja da Flórida;
  • Grande Loja da Pensilvânia.

Agora considerando a definição da palavra “crise” como um momento de mudança significativa, todos em todos os lados desta questão pareciam concordar que havia uma crise. Muitas das Grandes Lojas aceitaram as recomendações do comitê e começaram imediatamente a implementar as sugestões. Outros se rebelaram.

Aqueles que estavam a bordo com as recomendações do comitê começaram a ministrar aulas de um dia, permitir convites a candidatos, relaxar os padrões de memorização e adotar campanhas publicitárias. Eles frequentemente diziam que a família de organizações maçônicas doou mais de dois milhões de dólares por dia para caridade. Open houses e noites “traga um amigo” começaram a surgir em quase toda parte. Essa foi a gênese do grupo que constitui uma das facções do debate sobre aonde devemos nos dirigir no século XXI. Vou chamá-los de “neomodernos” em memória daquela facção dos maçons chamada de “Modernos” na divisão do século XVIII e início do século XIX que ocorreu em nossa Fraternidade.

Havia outros que viam as coisas de maneira diferente. Eles expandiram o gráfico para incluir mais anos e obtiveram a seguinte imagem da situação.

Essa visão expandida levou a duas interpretações diferentes. Uma interpretação é que esse fenômeno de aumento e queda de membros é natural e que há pouco que se possa fazer a respeito, exceto esperar. Existe claramente uma relação entre grandes guerras e o número de membros maçons, mas essa relação não é bem compreendida para se controlar os resultados. Aqueles que assumem essa posição acreditam que não temos controle real sobre a situação e que certamente não queremos destruir a Maçonaria engajando em uma reação radical e instintiva. Eu chamo a esses de “Status-Quos” e falarei mais sobre eles depois.

Outra interpretação dos dados é que esses Status-Quos de alguma forma causaram o problema, e que ele precisa ser resolvido de uma maneira completamente diferente daquela sugerida pelos neomodernos. Essas pessoas estavam de acordo com os neomodernos de que algo precisava ser feito, porque acreditavam que, à medida que os números aumentavam, o caráter, o intelecto e o foco da afiliação diminuíam. Embora os números tenham aumentado, toda a natureza e a finalidade da organização desapareceram. Vamos olhar para essas pessoas a seguir.

Os neoantigos

Mais ou menos na mesma época em que os neomodernos começaram a evoluir, ou talvez um pouco antes, uma Loja na Austrália estava lidando com o mesmo, ou pelo menos um problema similar de declínio de membros e interesse, e em resposta ao seu problema, propuseram um tipo totalmente diferente de solução. Eles decidiram que a razão pela qual o número de membros estava declinando era que seus próprios membros, e portanto o público, realmente não entendiam o que a Maçonaria realmente era, que como resultado, a Loja tinha sido transformada em algo completamente diferente do que pretendia ser, e que os membros e possíveis membros eram apáticos sobre essa “nova” organização chamada Maçonaria, não sobre a Maçonaria em si. Eles notaram que a ênfase havia mudado de companheirismo, estudo filosófico e desenvolvimento espiritual para donuts azedos, roupas casuais e discussões superficiais sobre tópicos mundanos, tal como a maneira como o telhado deveria ser reparado. Eles insistiram que se a Fraternidade retornasse ao que eles acreditavam que uma vez fora, os homens, tanto membros quanto não-membros, seriam atraídos, e o problema se resolveria por si mesmo. Eles insistiram que os homens eram atraídos por coisas que eles consideravam valiosas e que os membros da Loja deveriam ser retratados como sendo de imenso valor a fim de atrair homens que se beneficiariam do crescimento intelectual e espiritual que a Fraternidade oferece. Colocando sua teoria em prática, criaram uma Loja com uma estrutura de taxas de dez a cem vezes maior do que as que estavam pagando. Eles exigiram que os membros se vestissem formalmente e com algum grau de uniformidade. Colocaram ênfase nas discussões intelectuais da filosofia e história maçônicas e reduziram o número de reuniões, eliminando assim muitas oportunidade de se desfazer do custo de seguro do edifício ou de como o teto deveria ser consertado.

Neoantigos:

  • A Fundação de Restauração Maçônica;
  • Lojas de Observância Tradicional;
  • Lojas de Conceito Europeu;
  • Loja Epicureana No. 906 (Victoria, Austrália);
  • Loja Amalthea No. 914 (Victoria, Austrália);
  • Loja Washington-Alexandria Nº 22.

Por todos os Estados Unidos, havia muitos maçons que não estavam realmente felizes com o que estava acontecendo em suas Lojas. Quando finalmente conseguiam se tornar membros da Fraternidade, ficavam desiludidos. Quando viram o que os maçons realmente faziam em suas reuniões, ficaram muito desapontados. Eles tinham esperado cerimônias majestosas e impressionantes; discussões profundas de assuntos que os desafiariam mentalmente; e a oportunidade de aprender sobre grandes mistérios aos quais, de outra forma, não teriam tido acesso. Muitos desses jovens maçons eram DeMolays Sêniores. Eles tinham grande respeito pela Fraternidade antes de apresentarem petições e pelos homens que conheciam como Maçons, mas faltava alguma coisa. Em vez disso, viam Mestres conferindo graus vestidos com chinelos, bermudas e uma camiseta com buracos, anunciando cerveja. Eles eram ridicularizados se usassem uma gravata para ir à Loja, apesar de terem visto seus avós colocarem uma gravata antes de cada reunião da Loja. Eles viram cerimônias que poderiam ou deveriam ter sido mais impressionantes, lidas em um livro por um membro da loja que lia mal e não entendia algumas das palavras, muito menos o significado dos rituais. Eles viam homens assumindo obrigações solenes de fazer todo tipo de coisas elevadas e, em seguida, prontamente se comportando como se não tivessem feito aquilo. Quando eles perguntavam “por quê?” Sobre partes das cerimônias ou dos rituais, eles eram instruídos a memorizar corretamente as palavras, que ninguém sabia por que eles diziam o que faziam. Eles viam homens discutindo incessantemente se deveriam gastar pequenas quantias de dinheiro para consertar um banheiro na Loja, que esses mesmos homens não hesitariam um segundo em a ter reparado em suas casas. Eles olharam para os edifícios decadentes, mal conservados e às vezes apenas sujos, e se perguntaram: “Em que eu me meti? Não há algum lugar melhor onde eu quero gastar meu tempo?

Muitos desses homens se afastaram da Fraternidade, perdidos e desiludidos. Alguns, no entanto, tiraram um tempo para aprender o ritual, ler a literatura, pensar sobre o que a Maçonaria deveria ser e decidiram que isso precisava retornar à instituição que eles percebiam que uma vez ter sido. Eles viram o que o pequeno grupo na Austrália tinha feito. Eles aprenderam que esta Loja Australiana agora tinha uma lista de espera de homens querendo se tornar membros, e eles perceberam que essa era a Maçonaria que eles haviam negociado e, por Zeus, eles a teriam. Fora disso, cresceu um movimento relativamente novo nos Estados Unidos, de estabelecimento de Lojas de “Observância Tradicional”, ou “Lojas de Conceito Europeu”.

Essas lojas geralmente têm uma estrutura de taxas mais elevadas, vestem-se mais formalmente, se reúnem com menos frequência, são mais exigentes com seus membros e discutem assuntos mais esotéricos e filosóficos. Algumas também enfatizam a excelência na experiência iniciática transmitida por um ritual bem feito e impressionante. Embora existam diferenças sutis nesses tipos de Lojas, elas se enquadram no guarda-chuva que alguns chamam de “Restauração Maçônica” e, de fato, tem havido uma organização estabelecida para promover esses ideais. Eu chamarei essas pessoas de “neoantigos” em homenagem aos “Antigos” que rivalizaram com os “Modernos” duzentos anos atrás. Lembre-se de que ambos os grupos estão tentando mudar o status quo em resposta ao que acreditam ser uma situação de crise. Naturalmente, muitos dos membros que não olham olho no olho com essas pessoas estão horrorizados, se rebelaram e tentaram suprimir esse movimento. Esses Neoantigos são frequentemente vistos como “elitistas”, especialmente pelos Status-Quos.

Percepções e Posições

Na realidade, tanto os Neomodernos quanto os Neoantigos estão reagindo contra as práticas do Status-Quos. Eles apenas discordam sobre como o status quo deveria ser radicalmente alterado.

Vejamos as percepções de cada um desses grupos e como isso influencia as posições que eles assumem. Eu começo com os Status-Quos. Existem realmente dois subgrupos sob os Status-Quos, os “ativos” e os “inativos”. Embora os inativos não sejam atores importantes no drama que está se desdobrando, eles terão alguma influência e não podem ser ignorados. O inativo é membro da Fraternidade há quinze a cinquenta anos, mas paga suas taxas todos os anos, embora raramente compareça às reuniões. Ele contribui para as instituições de caridade da Fraternidade quando solicitado e pode até aparecer e ajudar nas atividades de levantamento de fundos. Ele tem orgulho do que os maçons fazem pela caridade e se orgulha de fazer parte dela. Ele acredita que os maçons são bons homens e se orgulha de estar associado a eles. Ele não está interessado em fazer rituais ou dar palestras de ensino, mas tem grande respeito por aqueles que fazem essas coisas bem. Ele acha que seu filho deveria se tornar um maçom e fica intensamente orgulhoso se o fizer. Ele não está ciente de que há uma crise e não entende que existe discordância entre os neomodernos e os neoantigos. Ele está muito feliz com o nível de seu envolvimento e não vê razão para mudar nada. Porque ele está acostumado com a atual estrutura de taxas em vigor durante toda a sua carreira maçônica e porque ele não está recebendo nada mais tangível para suas contribuições além de um cartão de papelão de 2x 3 polegadas e talvez um pin de 50 anos, ele é um tanto resistente a qualquer aumento nas taxas anuais. Ele não tem um voto na sessão da Grande Loja e não compareceria se tivesse. Mais importante, ele compreende cerca de oitenta por cento dos nossos membros atuais.

O outro segmento dos Status-Quos consiste nos “ativos”. À medida que eu os descrevo, lembre-se de que eles são apenas os Status-Quos ativos. Quase todos os Neomodernos e Neoantigos são ativos.

Esses Status-Quos são as pessoas que mantiveram nossa fraternidade viva nos últimos cinquenta anos. Eles respeitam, acima de todos os outros, aqueles que podem fazer o ritual de maneira precisa e impressionante, embora menos de dez por cento deles realmente faça isso. Eles são institucionalmente orientados e geralmente não perguntam por que fazemos as coisas que fazemos. Eles se orgulham de ser membros de uma fraternidade que incluiu tantos presidentes, heróis e outras celebridades. Eles têm uma visão firme da origem e da história da ordem e, embora possam discordar uns dos outros sobre essas coisas, eles não os consideram suficientemente importantes para discutir. O importante é que as contas sejam pagas, o prédio permaneça habitável, as instituições de caridade sejam financiadas e a associação pare de declinar. Eles acreditam que os inativos são a chave para a sobrevivência financeira da Loja e temem muito que elevar as taxas produzirá um êxodo em massa de inativos, arruinará a Loja e significará o fim da Maçonaria. Eles acreditam que o ofício maçônico é primariamente uma recompensa pela assistência fiel e pelo trabalho árduo, e sentem que o principal dever da liderança é servir à irmandade exaltando as virtudes da Maçonaria, principalmente para os irmãos. Eles veem o atual declínio em números como temporário e parte da natureza cíclica da Fraternidade. Eles certamente não querem se envolver em nada que possa ser chamado de “oculto” e provavelmente não conhecem a palavra esotérico. Eles não acreditam que o relaxamento de qualquer tipo de padrão beneficiará a Fraternidade, mas sim que, pela introdução de materiais ruins, isso irá destruí-la, transformando-a em algo completamente diferente do que pretendia ser. Eles veem os Neoantigos como “elitistas” que acreditam que são melhores do que qualquer outra pessoa e temem que o estudo da filosofia leve a fraternidade pelo caminho da heresia e ignoram a proibição da discussão da religião na Loja. Eles  veem os neomodernos tentando descartar o ritual e diminuir os padrões de caráter requeridos para o ingresso. Eles veem um desastre iminente, mas acreditam que ainda é possível convencer os inativos a se tornarem ativos e que os Neos de ambas as variedades irão embora ou simplesmente desistirão e se demitirão. Eles continuam a aconselhar novos iniciados dos males dos neoantigos e dos neomodernos, mas com sucesso decrescente. Ao mesmo tempo, lembre-se de que, na maior parte, esses são os homens que estão realmente mantendo a Fraternidade junta neste momento.

Percepções e Posições
Status-Quos
Baixas taxas– Ênfase em inadimplências
O ritual é rei– Educação maçônica sem ênfase
Vestimenta casual– O problema desaparecerá
Neomodernos
Aulas de um dia– Exigir mais votos para rejeitar
Menores requisitos de memorização– Mais caridade pública
Recrutamento– Focado em dinheiro
Vestimenta casual– Estrutura de taxas marginalmente mais altas
Neoantigos
– Estrutura de taxas muito mais elevada– Excelente ritual
– Vestimenta formal– Ênfase em “experiência iniciática”
– Ênfase em filosofia– Educação maçônica

Então, onde se colocam os neomodernos e por quê? Essas pessoas são homens de negócios. Eles entendem o valor da linha de resultados e são homens de ação. Se algo está quebrado, você conserta. Eles acreditam que as duas coisas que estão quebradas sobre a Maçonaria é que nós não temos membros suficientes para apoiar nossas instituições de caridade e infraestrutura, muito menos influenciar a sociedade fora de nossa organização e que não temos dinheiro suficiente para pagar nossas contas. Eles acreditam que a abordagem ativa dos Status-Quos às finanças de simplesmente cortar o orçamento a cada ano está minando os propósitos da fraternidade e acabará fracassando. Eles acreditam firmemente que aumentos substanciais de taxas para compensar a perda de números expulsarão a galinha dos ovos de outro dos Status-Quos inativos e significarão o fim da Fraternidade. Seu principal objetivo é preservar a existência da Maçonaria a todo custo. A única opção que resta, portanto, é aumentar o número de membros de volta ao nível necessário para sustentar nossas instituições de caridade e infraestrutura. Provavelmente será necessário sacrificar alguns dos nossos edifícios elaborados e grandiosos ao longo do caminho. Eles são homens práticos. Então, como aumentamos os números? Os neomodernos acreditam que existem muitos homens bons por aí que fariam bons maçons, pelo menos bons o suficiente para serem aceitáveis. Se conseguirmos que esses homens ingressem, para pagar as contas e um número suficiente deles se tornar ativos em atividades de loja que sejam atraentes para ainda mais homens, poderemos perpetuar a Fraternidade indefinidamente.

Eles acreditam que a Fraternidade sempre evoluiu e deve evoluir à medida que a sociedade em que vivemos continua a mudar. Eles concordam com os Status-Quos de que devemos continuar a relaxar os requisitos de vestimenta para que os homens se sintam confortáveis quando vierem à Loja. Eles acreditam que devemos incluir mais atividades familiares, porque o jovem de hoje é muito mais interessado em gastar a quantidade limitada de tempo de lazer que ele tem com sua jovem família do que em se relacionar com outros homens. Devido aos estilos de vida cada vez mais urbanos e suburbanos, nosso possível membro não tem mais tempo para passar noite após noite na Loja e incontáveis horas aprendendo palestras. Ele será atraído para a ordem em parte por causa de seus bons trabalhos, por isso devemos continuar no nível atual e anunciar cada vez mais nosso envolvimento para que os melhores homens sejam atraídos. Ele não concorda com os Neoantigos e Status-Quos que os homens atraídos e iniciados desta forma seriam inúteis ou mesmo prejudiciais porque afinal de contas, eles estariam pagando taxas e apoiando as instituições de caridade, e alguns até se interessariam pelo ritual e por perpetuar a fraternidade.

Além disso, se ficarmos sem ritualistas, agora temos a capacidade moderna de gravar a coisa toda e mostrá-la a centenas de cada vez. Afinal, o homem moderno agora aprende com vídeos, não livros, e certamente não de um indivíduo sentado sozinho, de boca a orelha; isso é muito ineficiente, e os jovens não são mais treinados para aprender assim. Eles não têm mais esse tipo de paciência. O ritual inteiro não está publicado em algum lugar na internet, então qual é o dano em gravá-lo? Esta é a posição daqueles que eu chamo de Neomodernos, e embora algumas dessas pessoas tenham tentado essa abordagem e determinado por resultados medidos que não tiveram sucesso, essas pessoas parecem estar suplantando os Status-Quos em posições de liderança em vários de nossas Grandes Lojas e alguns dos corpos adjuntos, notavelmente o Shrine. O Shrine já relaxou seus padrões para eliminar a exigência de pertencer a um dos ritos. Esta posição do Shrine é completamente compreensível. A organização tem apenas dois propósitos declarados, apoiar as instituições de caridade e a irmandade. Além disso, eles estão entre os mais atingidos pelo declínio dos números de membros e o custo de seus hospitais está aumentando.

E onde essa nova galera, os Neoantigos, se colocam sobre tudo isso? Em primeiro lugar, embora apreciem os Status-Quo por preservar a Fraternidade durante todos esses anos, eles sentem que fomos longe demais nos Estados Unidos com essa coisa “no nível”, estendendo-a aos profanos. Os bons maçons permitem que um “homem marginalmente bom” se torne um membro na expectativa confiante de que a exposição à Fraternidade polirá suas arestas. Este homem traz alguém que é marginalmente “menos bom” do que ele, com a esperança de que a Maçonaria o “torne melhor”. Eventualmente você tem uma situação em que estamos tendo julgamentos maçônicos para tentar nos livrar daqueles que estão prejudicando a reputação da Fraternidade e destruindo sua harmonia, homens que obviamente não têm o caráter para cumprir suas obrigações ou talvez o entendimento de saber o que eles são. Pior ainda, não estamos tendo esses julgamentos, mas sim tolerando esse tipo de comportamento. Nossos iniciados entram na Loja e ficam apropriadamente impressionados com nossas obrigações solenes, apenas para descobrir que, apesar de todos esses elevados e sonoros princípios, muitos de nossos membros estão se comportando abertamente como se nunca os tivessem ouvido. Somos, então, classificados como hipócritas pelo iniciado de qualidade e descartados como os remanescentes de algo que já foi, com certeza, uma grande instituição. Você vê, o jovem que peticiona em nossas Lojas hoje é bem diferente do que ele era dez anos atrás. Ele viu todos os filmes e pesquisou na internet procurando e encontrando informações sobre a fraternidade. Ele pode até ter lido alguns dos livros. Embora as informações que ele adquiriu possam ser verdadeiras ou falsas, ele tem uma opinião favorável sobre a fraternidade, porque solicitou afiliação mesmo que não conheça realmente um maçom. Ele tem grandes expectativas de ser recebido em uma instituição com uma história antiga e muitos mistérios a revelar que irão melhorar sua reputação e satisfazer sua curiosidade intelectual. Ele não espera que esse esforço seja fácil ou barato. Nada fácil e barato poderia ser tão valioso. Ele espera ter que estudar e trabalhar pelo que recebe, e espera que valha a pena. Ele espera que seus novos irmãos sejam como ele, apenas melhor informados. Ele quer fazer parte de uma irmandade mística que veio de eras passadas e que está engajada em grandes e importantes empreendimentos, importantes não apenas para ele, mas para a civilização como um todo.

Ele certamente não está esperando algum tipo de clube cívico superficial em que os homens finjam ser profundos e sábios e ainda assim não se comportem melhor do que qualquer outra pessoa que ele conheça. Os neoantigos querem encontrar e iniciar este homem. Eles acreditam que o respeito pela instituição exige que um irmão que esteja participando de uma reunião maçônica se vista com as melhores roupas que possua, se possível. Por outro lado, se as circunstâncias realmente ditarem que se trata de uma camisa branca e um macacão, ele é bem-vindo entre eles. Esses Irmãos acreditam na excelência no ritual, assim como os Status-Quos, mas eles insistem na parte de excelência e acreditam que o sujeito que a entrega deve saber o que significa e dize-lo quando disser. A ignorância do simbolismo, da história e da filosofia é tolerada, mas a apatia em relação a eles não é. Eles simplesmente preferem não gastar seu tempo comparecendo à Loja com aqueles que não estão interessados ​​nesses assuntos. A irmandade é importante para esses neoantigos, mas frequentemente em um ambiente mais formal e envolvendo uma maior qualidade de alimentos e arredores. Eles estão dispostos a pagar por essas coisas.

Ao contrário da opinião dos Status-Quos, eles não acreditam que sejam melhores que os outros irmãos, mas eles acreditam que deveriam poder formar Lojas para que possam se associar primariamente a irmãos de interesses similares. Esses neoantigos têm padrões de conduta muito altos para a consideração de futuros maçons. Eles acreditam que só porque um homem parece ser de bom caráter, ele necessariamente não tem “direito” a ser membro de sua Loja, e que se ele não se encaixa bem em suas opiniões e interesses, como um membro, ele pode atrapalhar harmonia da Loja. O número de membros nestas Lojas é normalmente limitado, porque os membros desejam cultivar um relacionamento muito próximo com todos os outros membros da Loja. Eles acreditam que isso seria difícil de fazer com um grande número de membros. Por outro lado, esses Irmãos acreditam que, se você não estiver suficientemente interessado em participar de todas as reuniões da Loja, pode ter sido motivado a ingressar por motivos com os quais eles não concordam. Não deve haver maçons inativos.

Embora eles concordem com os neomodernos que a mudança é necessária, eles diferem deles de várias maneiras significativas. Eles acreditam que a experiência iniciática, incluindo o ritual, é extremamente importante. Eles acreditam que os homens são atraídos por instituições como a nossa, não pelo baixo custo ou pela facilidade de se tornarem membros, mas que exatamente o oposto é verdadeiro. Quanto mais difícil é obter algo, mais valioso parece. Eles também acreditam que a instituição deve cumprir suas promessas, fornecendo associações de qualidade e informações intelectualmente estimulantes, para não mencionar boa comida. Esses irmãos estão dispostos a pagar por essa experiência, muitas vezes várias vezes o que pagam por taxas em outra Loja Status-Quo. A abordagem dos neomodernos parece para aos neoantigos estar pervertendo o que eles percebem como a missão da fraternidade e transformando-a em algo completamente diferente do que originalmente era, apenas para preservar o nome “Maçonaria”.

Este artigo não pretende tentar persuadi-lo a assumir um lado ou outro sobre o debate em curso, embora, seja claro que eu já decidi a minha posição. Ele pretende conscientizá-lo de que existe um diálogo contínuo em escala nacional e que muitas Grandes Lojas já estão realizando ações como resultado da influência de um lado ou de outro. Para saber mais sobre essa controvérsia, recomendo os seguintes sites. Eles descrevem com algum detalhe o que é proposto pelos neomodernos e também pelos neoantigos. Lembre-se de que esses termos são meus e não podem ser encontrados em nenhum lugar da web.

Autor: Sir Knight John L. Palmer
Traduzido por: José Filardo

Fonte: Bibliot3ca Fernando Pessoa

Screenshot_20200502-144642_2

Se você acha importante o trabalho que realizamos com O Ponto Dentro do Círculo, apoie nosso projeto e ajude a manter no ar esse que é um dos mais conceituados blogs maçônicos do Brasil. Você pode efetuar sua contribuição, de qualquer valor, através dos canais abaixo, escolhendo aquele que melhor lhe atender:

Efetuando seu cadastro no Apoia.se, através do link: https://apoia.se/opontodentrodocirculo

Transferência PIX – para efetuar a transação, utilize a chave: opontodentrodocirculo@gmail.com

Recursos para mais informações

Restauração Maçônica – (Neoantigos)

http://www.masonicrestoration.com/

http://traditionalobservance.com/

http://www.freemasons-freemasonry.com/masonic_education.html

Observando o ofício por Andrew Hammer

Renovação Maçônica – (Neomodernos)

http://www.masonicrenewal.org/

http://www.pagrandlodge.org/gmaster/renaissance.html

Maçonaria: problemas modernos ou antigos?

O Triunfo da Maçonaria especulativa: O capitalismo como criação de Lojas  Maçônicas radicais

Introdução

Choque de gerações, novos tempos, entre outros assuntos que envolvem mudanças na Maçonaria costumam gerar bastante polêmica.

No entanto, este artigo se propõe a demonstrar que nem tudo é o que parece e que, muitas vezes, aquilo que é interpretado como um problema da modernidade, na realidade, não tem nada de novo.

Antes da Era da Informação, a Maçonaria brasileira no geral, bem como uma grande quantidade de lojas em particular, viviam numa espécie de bolha de realidade, isoladas do restante do mundo e da história maçônica em uma série de coisas. Afinal, manuscritos, livros e até mesmo conversas com o resto do mundo ficavam restritos a uns poucos.

Mas a realidade atual é outra. E, através de dez exemplos reais, este artigo demonstrará que muitas vezes aquilo que é percebido como uma mudança ruim, na realidade, nada mais é do que um fenômeno antigo.

1) Ritual canibalizado?

Algumas semanas atrás, um amigo me ligava e dizia-se chateado com os desdobramentos do Rito Escocês Antigo e Aceito no Grande Oriente do Brasil. Segundo ele, o ritual havia sido canibalizado e havia uma insatisfação geral na loja com seu conteúdo. Cogitavam até trocar de Potência.

Pedi pra ver o ritual e pude constatar que diversos dos enxertos que foram feitos ao rito nas últimas décadas haviam sido removidos. De modo que aquele era um dos rituais mais próximos do ritual francês de 1829 em prática aqui no Brasil. Quando esclareci isso a meu amigo, ele demonstrou enorme surpresa.

Não importa se alguém é contra ou a favor da revisão dos rituais e eliminação dos enxertos. Fato é que, muitas vezes, os rituais revisados podem se basear numa prática mais antiga. Não se pode considerar que isso seja uma inovação!

2) Sem Entrada Ritualística

Numa crítica recente às sessões virtuais, presenciei alguns irmãos dizendo que não poderiam considerar aquilo como sessão porque não havia como ter entrada ritualística em uma sessão virtual.

Independente da posição que alguém tenha sobre sessões virtuais, ocorre que entrada ritualística não é prevista em diversos ritos ou trabalhos. Rituais do York, Emulação, entre outros, preveem que os trabalhos comecem com os irmãos já em loja.

Mesmo no Rito Escocês Antigo e Aceito, a entrada ritualística não consta nos primeiros rituais. O que não quer dizer que ela seja ruim. Apenas, não se define Maçonaria a partir desse fato.

3) Contra o Espírito da Coisa?

Outra crítica às reuniões virtuais diz que conceder graus de forma virtual quebraria o espírito da coisa, já que não teríamos ritualística e a passagem se resumiria a uma mera leitura.

A crítica a isso ser um processo sem graça e bem inferior à teatralidade e às cerimônias das sessões não deixa de ser bastante válida. O problema é que novamente isso é apontado como um problema moderno.

Se alguém atentar para os rituais originais de Charleston do REAA, produzidos no começo do século 19, verá que a ritualística era extremamente simples e os graus eram quase que essencialmente leitura.

A teatralização e maior elaboração das cerimônias foi algo que começou a ser desenvolvido meados do século 19 em diante.

4) Uso de Novas Tecnologias

Outro problema apontado como recente seria o uso de novas tecnologias.

Porém, uma gravura datando de cerca de 1900, no acervo do museu do Rito Escocês do Supremo do Norte dos EUA (NMJ) mostra um retroprojetor sendo usado em loja para ilustrar o conceito dos graus.

Em outras palavras, a Maçonaria já incorpora novas tecnologias a favor de suas sessões há mais de 120 anos!

5) A Maçonaria agora aceita mulheres?

Recentemente, a Grande Loja Unida da Inglaterra postou uma foto conjunta com a Maçonaria feminina.

A foto gerou vários comentários raivosos de maçons brasileiros mas, o que chamou a atenção foram alguns comentários reclamando da ‘modernidade’ no aceite de mulheres na Maçonaria, o que uns classificavam como traição, outros como comércio, uns tantos ainda como o presságio apocalíptico do fim da Maçonaria.

Ocorre, porém, que existem duas Grandes Lojas femininas na Inglaterra com quem a GLUI tem amizade: a Honourable Fraternity of Ancient Freemasons, que foi fundada em 1913, e a Order of Freemasonry for Women, que se tornou estritamente feminina na década de 1920.

Como se pode ver, a Maçonaria feminina na Inglaterra tem literalmente mais de um século. Além de décadas de amizade com a GLUI. Ou seja, não se trata de uma questão recente.

6) Estão desrespeitando os Landmarks?

Analogamente, não é incomum ver maçons alegando que algo vai contra os Landmarks quando veem coisas que lhes causam estranheza. E qual não é o espanto de muitos ao saber que os landmarks de Mackey, criados em 1858, nunca foram adotados como critério pela Inglaterra, que é quem mais dá as cartas em termos de regularidade maçônica no mundo e tem seus próprios Princípios de Regularidade, nem são adotados como padrão universal pelas Grandes Lojas norte-americanas.

Isso sem contar que, ao longo do século 19, vários compilados de landmarks foram propostos por autores diferentes. Nenhum deles foi adotado de forma universal.

Discussões, portanto, revolvendo em torno de coisas que destoam os landmarks de Mackey também não podem ser tratadas como inovações.

7) Revisionismo?

Não são poucos os que vociferam contra irmãos que se levantam para denunciar as ideias e alegações fantasiosas de autores como Rizzardo da Camino, Jorge Adoum, Jean-Marie Ragon, entre outros. Alegam que fazer tal coisa seria matar a alma da Maçonaria.

Mas, novamente, essa questão está longe de ser uma atitude revisionista moderna.

Muito pelo contrário, a própria loja Quatuor Coronati 2076, da Grande Loja Unida da Inglaterra, foi fundada exatamente porque os maçons ingleses já questionavam desde, pelo menos, meados século 19, as ideias fantasiosas propagadas por alguns sobre as origens e desenvolvimentos da Maçonaria.

E os registros históricos da Quatuor Coronati indicam que a loja questionava ideias lendárias propagadas por ninguém menos do que o próprio James Anderson, autor das famosas constituições que carregam seu nome.

Ou seja, a Maçonaria nunca teve um autor como sagrado ou acima de qualquer crítica, e sempre teve pessoas que criticaram a romantização de suas origens.

8) Maçons não estudam mais?

Igualmente é comum ver irmãos reclamando que nos tempos deles os estudos eram sérios e supostamente muito mais conhecedores de Maçonaria do que atualmente, como se os tempos atuais fossem piores.

No entanto, em 1875, Albert Mackey fez a seguinte reclamação:

“No entanto, nada é mais comum do que encontrar maçons que estão em trevas totais sobre tudo o que se relaciona com a Maçonaria. Eles são ignorantes de sua história – eles não sabem se é uma produção de cogumelos hoje, ou se remonta a idades remotas em sua origem. Eles não têm compreensão do significado esotérico de seus símbolos ou suas cerimônias, e dificilmente estão familiarizados com seus modos de reconhecimento. E, no entanto, nada é mais comum do que encontrar tais pseudo-sábios de posse de altos graus e às vezes honrados com assuntos elevados na ordem, presentes nas reuniões de lojas e capítulos, intermediando com o processo, tomando uma parte ativa em todas as discussões e teimosamente mantendo opiniões heterodoxas em oposição ao juízo de irmãos de maior conhecimento.” (Reading Masons and Masons Who Do Not Read)[1]

Ou seja, o problema de haver uma grande quantidade de maçons ignorantes, e pior, ostentando altos graus, cargos administrativos, etc. não é exatamente um problema novo.

9) Aventais

Outra discussão que recentemente presenciei dizia respeito ao Rito Escocês Antigo e Aceito nas Potências da COMAB. Alguns irmãos reclamavam que a COMAB teria “suprimido as rosetas” em prol do típico M. B. no avental de Mestre.

Outros ainda discutiam o padrão dos aventais de Mestre Instalado. Novamente, acusando alguns de quererem inovar.

Ocorre, porém, que um manual dos graus franceses publicado em 1820, em Paris, descreve o ritual de Mestre como tendo justamente o M. B. utilizado pela COMAB.

E, pra piorar, temos o fato de que Instalação é algo inexistente na origem do Rito Escocês Antigo e Aceito, tendo sido incorporada ao rito aqui no Brasil e em outros países. Ou seja, na origem, o REAA não tinha avental de Mestre Instalado, de modo que não importa o padrão, já que não há um padrão original a ser seguido.

10) Egrégora

Outra preocupação muito constante entre alguns irmãos é que determinadas posturas corporais ou pequenos desvios ritualísticos possam comprometer a egrégora da loja. Reclamam que as novas gerações não atentam para coisas que poderiam supostamente quebrá-la.

Sem entrar no mérito da questão de se egrégora existe ou não, fato é que até pouco tempo atrás não se ouvia falar tal termo em Maçonaria. E ele certamente não figura em nenhum ritual histórico da Maçonaria nos seus principais ritos e sistemas.

Ou seja, ironicamente, o conceito de egrégora é, em si, a inovação, não os desvios que poderiam supostamente comprometê-la!

Considerações finais

A lista poderia continuar, com dezenas de outros exemplos, mas os dez acima já são mais do que suficientes para ilustrar o ponto.

Como se pode perceber, uma parte considerável dos incômodos levantados por alguns irmãos com as supostas mudanças ou inovações dos tempos atuais ou das novas gerações estão muito longe de ser assim. Pelo contrário, às vezes representam até mesmo um resgate de práticas mais antigas.

É importante compreender que a postura do “porque sim” ou do “sempre fizemos desse jeito nesta loja”, para justificar ideias ou práticas, não sobrevivem à possibilidade de escrutínio que a Era da Informação nos trouxe, em que fontes podem ser checadas e informações outrora tidas como verdadeiras podem ser facilmente invalidadas.

A Maçonaria não corre, portanto, risco de extinção por esse processo. Nem é justo atribuir tais coisas, como alguns fazem, ao “danoso espírito inovador.”

Autor: Luis Felipe Moura

*Luis Felipe é M∴ M∴, membro da ARLS São Paulo de Piratininga 250 (GOP/COMAB). É bacharel em Letras (inglês), mestre em Teologia e em Psicanálise, atualmente trabalha como psicanalista e professor de Bíblia Hebraica.

Fonte: Ritos & Rituais

Nota do blog

[1] – Clique AQUI para ler o texto completo de Albert Mackey.

Screenshot_20200502-144642_2

Se você acha importante o trabalho que realizamos com O Ponto Dentro do Círculo, apoie nosso projeto e ajude a manter no ar esse que é um dos mais conceituados blogs maçônicos do Brasil. Você pode efetuar sua contribuição, de qualquer valor, através dos canais abaixo, escolhendo aquele que melhor lhe atender:

Efetuando seu cadastro no Apoia.se, através do link: https://apoia.se/opontodentrodocirculo

Transferência PIX – para efetuar a transação, utilize a chave: opontodentrodocirculo@gmail.com

Bibliografia

DYER, Colin. The history of the first 100 years of Quatuor Coronati Lodge No. 2076. Disponível em: https://www.quatuorcoronati.com/about-qc-lodge/centenary-booklet/. Acesso em: <08/09/2021>

JANTZ, Percy. The Landmarks of Freemasonry. Disponível em: http://freemasonry.bcy.ca/texts/landmarks.html. Acesso em: <08/09/2021>.

MACKEY, Albert. Reading Masons and Masons Who Do Not Read. The Master Mason, 1875.

SIMON, Jacques. REAA – Rituel des trois premiers degrés selon les anciens cahiers. Éditions de La Hutte, 2010.

RODRIGUES, Luciano R. Egrégora: um conceito totalmente estranho à tradição maçônica. Disponível em: Egrégora: um conceito totalmente estranho à tradição maçônica. Acesso em: <08/09/2021>

Magic Lanterns: Illuminating the Teachings of Freemasonry. Disponível em: https://scottishritenmj.org/blog/magic-lantern-freemasonry. Acesso em: <08/09/2021>

Manuel Maçonnique, ou Tuileur de tous Les Rites de Maçonnerie Pratiqués en France. Paris, 1820.

Ordo Ab Chao: The Original and Complete Rituals of the first Supreme Council, 33º – Vol. 1. Boston: Boemandres Press, 1995.

Women Freemasons. Disponível em: https://www.ugle.org.uk/becoming-a-freemason/women-freemasons. Acesso em: <08/09/2021>.

HFAF: Our history. Disponível em: https://hfaf.org/about-us/our-history. Acesso em: <08/09/2021>.

The Order of Women Freemasons: Our History. Disponível em: https://www.owf.org.uk/about-us/our-history/. Acesso em: <08/09/2021>.

A Maçonaria e o abismo geracional: uma proposta de discussão

O abismo entre o dizer e o amar. - Psicóloga Danielle Vieira

Um espectro ronda a Maçonaria. O espectro do abismo geracional.

Mas o que é o abismo geracional? Grosso modo, seria a distância nas diferenças de opinião entre uma geração e outra no que tange às crenças, à atitude política e valores[1]. Na Maçonaria ela é perceptível – apesar da ausência de trabalhos, no Brasil, que aprofundem esta questão – nas diferenças de visão entre os maçons mais jovens e os maçons mais velhos.

Crises decorrentes de diferenças de visão de mundo não são exatamente de uma novidade. A maçonaria especulativa moderna, em seus mais de trezentos anos, já passou por outros conflitos ideológicos fortes, como, por exemplo, o conflito entre os Moderns e os Antients na maçonaria inglesa na segunda metade do século XVIII, entre os racionalistas e os místicos também no século XVIII, entre teístas e ateus no século XIX, entre revolucionários e conservadores em vários períodos históricos.

Haveria, então, uma diferença entre aquelas crises e a atual?

Os primeiros a chamar a atenção para essa questão (para variar) foram nossos irmãos do Norte. A Maçonaria norte americana se viu entre dois extremos do fim da Segunda Guerra Mundial à virada do Milênio. A greatest generation, que cresceu sob a depressão econômica e venceu os nazistas afluiu em massa para espaços de sociabilidade como a Maçonaria. Os seus filhos – os Baby Boomers – entretanto, não demonstraram nenhum interesse para tal, preferindo a via da contestação do que viam como “velhos valores”

Jay Kinney, em sua obra “O Mito Maçônico” (Record, 2010), destaca o que considera os obstáculos mais óbvios:

  • O declínio das famílias nucleares;
  • O desaparecimento gradual das esferas sociais separadas para homens e mulheres;
  • O aumento na exigência de horas de trabalho;
  • A perda da influência da religião organizada;
  • A informalização da sociedade;
  • A balcanização dos grupos de idade (pp. 327-328)

Colocando em bom português: hoje as pessoas têm menos tempo livre, menos referências intrafamiliares ou sociais e menos disposição para atividades formais, preferindo ficar em casa assistindo TV ou jogando Pokemon Go.

O desafio que existe nos EUA é, também, perceptível aqui.

A última década assistiu a um aumento considerável – falo sem conhecimento de estatísticas, partindo apenas da minha vivência – do ingresso de jovens na Maçonaria. Esta geração, nascida no fim dos anos 70 e no início dos anos 80 (Geração X) parece ser em boa medida formada por jovens que viveram na Ordem DeMolay nos anos 90 e 2000. Só que essa geração é uma de transição. Conviveu com as tecnologias analógicas e digitais. Com a Enciclopédia Barsa e com a Wikipedia. O desafio, agora, consiste em preparar a Maçonaria para a chegada de uma nova geração, aquela nascida nos anos 90 e 2000 (geração Y), já sob o signo da sociedade da informação.

Vejam como reside o problema. A Maçonaria pode ser percebida como um sistema de moralidade, velado por símbolos e ilustrado por alegorias. Porém, o debate que esta geração propõe ocorre em outros termos. Enquanto as lições da Maçonaria giram em torno de Virtudes Teologais (Fé, Esperança, Caridade) e Virtudes Cardeais (Temperança, Fortitude, Prudência e Justiça), da boca da geração Y saem palavras que denotam outra linguagem moral: homofobia, machismo, gordofobia, preconceito, consciência social, politicamente correto [e incorreto].

Enquanto aquelas estão cada vez mais escamoteadas do debate público (a não ser quando ligadas às novas), essas ocupam espaço, adquirem significado (ainda que camaleônico), possuem valor e força compulsória.

Quando este dois sistemas de linguagem se encontram, instaura-se um legítimo diálogo de surdos e o conflito é inevitável. Os primeiros campos de batalha serão, provavelmente, as Ordens Paramaçônicas Juvenis (Ordem DeMolay e Ordem das Filhas de Jó), justamente as fontes de renovação da vida maçônica da última década.

E este campo de batalha, o do debate público, é precisamente aquele para o qual a Maçonaria deixou de se preparar.

E o saldo pode ser bastante negativo, já que a Geração Y vem adquirindo uma expertise cada vez maior no linchamento virtual coletivo[2].

“Ora, mas quem se importa se esses meninos mimados xingam muito no Twitter?”. Bem, nós deveríamos, se pretendemos que a Maçonaria sobreviva a nós (senão podemos começar a encomendar um novo lema: “Après nous le déluge”).

É preciso romper, antes, com dois preconceitos.

O primeiro é o preconceito contra a juventude, de achar que a nova geração é sempre um lixo em comparação com um passado idealizado. Desde os tempos de Sócrates[3], a geração mais antiga é pessimista com a geração mais nova.

O segundo é o preconceito contra a velhice, de achar que a juventude é “a época da rebeldia, da independência e do amor à liberdade”, e que, portanto, devemos confiar o futuro ao discernimento dos jovens como observou, mordazmente, o filósofo Olavo de Carvalho[4].

É bem verdade o que escreveu o filósofo José Ortega Y Gasset:

“O fato da rebelião [das massas] apresenta um aspecto ótimo; já o dissemos: a rebelião das massas é a mesma coisa que o crescimento fabuloso que a vida humana experimentou no nosso tempo. Mas o reverso do mesmo fenômeno é tremendo: vista deste ângulo, a rebelião das massas é a mesma coisa que a desmoralização radical da humanidade”[5]

Não é, portanto, uma tarefa fácil. É o trabalho de construir pontes entre as gerações. Só que as pontes são sempre vias de mão dupla, de forma que, se as coisas boas passam de um lado para o outro, o lixo também pode passar, em ambos os sentidos.

As Ordens Paramaçônicas serão vitais nesta nova realidade. Nelas os Maçons poderão aprender a linguagem dos jovens, para poder melhor transmitir o seu legado para a construção de um futuro e a defesa dos valores perenes sustentados na Ordem.

Isso não acontecerá, todavia, enquanto os maçons permanecerem imersos num mundo paralelo, desconectado do mundo real e recheado de mistificações autocongratulatórias com o seu passado, ressentimento com o presente e pessimismo com o futuro.

P.S.: Sugerimos a leitura dos artigos “The Millennial Generation and Freemasonry” (aqui a Parte 1 e a Parte 2) e “Millennial masonry: How those in their twenties and thirties are changing the Craft

Autor: Edgard da Costa Freitas Neto

Fonte: York Blog

Screenshot_20200502-144642_2

Se você acha importante o trabalho que realizamos com O Ponto Dentro do Círculo, apoie nosso projeto e ajude a manter no ar esse que é um dos mais conceituados blogs maçônicos do Brasil. Você pode efetuar sua contribuição, de qualquer valor, através dos canais abaixo, escolhendo aquele que melhor lhe atender:

Efetuando seu cadastro no Apoia.se, através do link: https://apoia.se/opontodentrodocirculo

Transferência PIX – para efetuar a transação, utilize a chave: opontodentrodocirculo@gmail.com

Notas

[1] – https://en.wikipedia.org/wiki/Generation_gap

[2] – Cf. JONSON, Ron. Humilhado. Como a era da Internet mudou o julgamento público. São Paulo: Bestseller, 2015

[3] – http://blogs.oglobo.globo.com/luciana-froes/post/conflito-de-geracoes-496043.html

[4] – http://www.olavodecarvalho.org/textos/juvenil.htm

[5] – ORTEGA y GASSET, José. A Rebelião das Massas. Rio de Janeiro: Bibliex, 2006, p. 147

Premiados no 12º sorteio literário do blog

12º Sorteio Literário do blog

Revista Libertas Nº 22 – edição janeiro/abril

cropped-pergaminho_escrito1.gif

Caríssimos leitores,

Já está disponível no blog O Ponto Dentro do Círculo a edição nº 22 da revista Libertas, uma publicação da Academia Mineira Maçônica de Letras.

Clique no link abaixo e boa leitura!

https://opontodentrocirculo.com/revista-libertas/

Fraternalmente,

Luiz Marcelo Viegas

Screenshot_20200502-144642_2

Se você acha importante o trabalho que realizamos com O Ponto Dentro do Círculo, apoie nosso projeto e ajude a manter no ar esse que é um dos mais conceituados blogs maçônicos do Brasil. Você pode efetuar sua contribuição, de qualquer valor, através dos canais abaixo, escolhendo aquele que melhor lhe atender:

Efetuando seu cadastro no Apoia.se, através do link: https://apoia.se/opontodentrodocirculo

Transferência PIX – para efetuar a transação, utilize a chave: opontodentrodocirculo@gmail.com