A música na Maçonaria

HARMONIA SIGNIFICA, SOBRETUDO "EQUILÍBRIO"; NO DUALISMO MAÇÕNICO SE FAZ  NECESSÁRIO COMO PRÁTICA DO BOM SENSO , A OBSERVÂNCIA DAS ATITUDES E DO BOM  COMPORTAMENTO HARMÔNICO. • Jornal O Independente

Descobri um site com um manancial importante de informação sobre música e maçonaria. Se o atual Mestre da Harmonia de sua Loja não o conhece, ser-lhe-á certamente útil passar por lá. Mas não só ele. Qualquer outro maçom, exerça ou não o ofício de Mestre da Harmonia, terá interesse em por lá passar. Mesmo quem não é maçom, se quiser saber algo mais sobre a relação da maçonaria e dos maçons com a música, certamente apreciará as informações que ali pode obter.

A página de entrada do site dá-nos acesso a um texto introdutório, que pode ser lido em inglês, castelhano ou francês. Todo o resto do sítio está unicamente em inglês. Na banda esquerda, a página principal apresenta-nos um conjunto de atalhos para diversas outras páginas setoriais do site. Também após a introdução se apresenta, ao jeito de índice, um conjunto de atalhos para a restante matéria do site. Quer por uma, quer por outra via, o acesso ao conjunto da informação é fácil e intuitivo. A informação disponível parece-me bem organizada e apresentada de modo adequado. Em relação a cada compositor ou tema, são, por regra, disponibilizados atalhos para ficheiros de música, que, através do leitor de multimídia instalado no nosso computador, podem ser ouvidos ou, mesmo, descarregados para o disco.

São individualizadamente tratados quatro compositores referidos como maçónicos: Mozart, Haydn, John Philip de Sousa e Sibelius.

Na página dedicada a Mozart, são disponibilizados cinco atalhos para outros tantos ficheiros de música maçônica mozartiana, encabeçados pelo dedicado à Música Fúnebre Maçónica, K477. Seguem-se seis atalhos para trechos de A Flauta Mágica, incluindo a abertura, o final e quatro árias, nelas se incluindo as duas de Papageno, a de Monostatos e a da Rainha da Noite. São ainda disponibilizados três atalhos para três outras peças musicais “não maçónicas” de Mozart: Eine kleine nachtmusik, K525, a abertura das Bodas de Fígaro e a sonata em lá para piano, K331. Seguem-se a indicação da lista da música expressamente composta por Mozart para ser tocada em Loja ou que tem sido utilizada em tal contexto e vários textos sobre o compositor e a sua obra. O espaço dedicado a Mozart termina com a indicação de mais três atalhos para outros sítios que contém matéria sobre este compositor.

A página dedicada a John Plilip de Sousa contém, além de duas imagens deste compositor luso-descendente, uma em uniforme militar, outra com o típico barrete Shrine, cinco atalhos para outros tantos trechos de música maçónica do compositor e mais seis atalhos para outras seis conhecidas marchas de Sousa: Stars and Stripes Forever, Semper Fideles, Marcha do Sino da Liberdade, El Capitán, Marcha do Washington Post Marcha do Escoteiro. O espaço termina com a indicação de dois atalhos para dois outros sítios sobre o compositor e a sua música.

O espaço referente a Haydn, para além de um texto sobre este compositor, onde se defende a natureza de composição maçónica da oratória A criação, dispõe de um atalho para um trecho desta obra, mais dois atalhos para outras duas obras deste compositor. Termina com a apresentação de um atalho para o espaço dedicado a Haydn nos Classical Midi Archives, onde é disponibilizada uma completíssima gama de músicas do compositor.

O espaço dedicado a Sibelius contém a foto deste, um atalho para a composição Finlândia, vários textos sobre o compositor e atalhos para outros sítios sobre o mesmo.

Outros espaços do sítio são os dedicados a outros compositores de marchas maçônicas e shriners e a outros compositores e intérpretes maçons.

Muito interessante é o espaço dedicado à Música usada em Loja. Começa com oito atalhos para outras tantas peças musicais habitualmente tocadas em Loja e seguidamente fornece mais um conjunto de atalhos que nos permitem apreciar como, também na música, a maçonaria prima pela diversidade dentro do padrão comum: música usada na Loja americana, música usada nas Lojas inglesas, ágape em Indiana e ágape no Texas.

Ainda mais espaços tem este interessantíssimo site. Não os vou referir. O vosso interesse os encontrará. Só abro uma exceção para uma curiosidade: música de gaita de foles e música celta em Loja… Como veem, este site dedicado à Música da Maçonaria é um mundo…

Autor: Rui Bandeira

Fonte: A Partir Pedra

Screenshot_20200502-144642_2

Se você acha importante o trabalho que realizamos com O Ponto Dentro do Círculo, apoie nosso projeto e ajude a manter no ar esse que é um dos mais conceituados blogs maçônicos do Brasil. Você pode efetuar sua contribuição, de qualquer valor, através dos canais abaixo, escolhendo aquele que melhor lhe atender:

Efetuando seu cadastro no Apoia.se, através do link: https://apoia.se/opontodentrodocirculo

Transferência PIX – para efetuar a transação, utilize a chave: opontodentrodocirculo@gmail.com

A música na Maçonaria

Música e Maçonaria – A Harmonia em loja às ressonâncias secretas da  Maçonaria – Bibliot3ca FERNANDO PESSOA

A música é uma das sete artes liberais. Procede do vocábulo do grego “musa” que significa inspiração, poesia, harmonia e encanto. A música tem o Dom de preparar o ambiente, para meditação, para o culto espiritual; não só acalma, ameniza, conforta como pode curar certos tipos nervosos e ajudar na cura de processos orgânicos. Esotericamente, os sons penetram de tal forma no intimo dos seres humanos que lhe dão harmonia e paz. 

Todo o universo é som, que por sua vez é matéria e espírito. Os vegetais e os animais sentem influência da música e deleitam-se em ouvi-la. Em todas as civilizações, a música era cultivada por meio do cântico e de instrumentos; inicialmente de percussão, depois de sopro e, mais tarde, de cordas; hoje, com a eletrônica, obtêm-se os sons mais variados que possam surgir. 

Religião e música mantiveram-se inseparavelmente ligadas nos antigos tempos da humanidade. A música é um fenômeno universal. É a linguagem que todos entendem. É o traço de união entre os povos.

Pitágoras considerava a música e a dieta os dois principais meios de limpar a alma e o corpo e manter a harmonia e a saúde de todo o organismo. 

A vida é som. Continuamente estamos cercados de sons e ruídos oriundos da natureza e das varias formas de vida que ela produz. A própria natureza é que nos dá a música; o que dela fazemos varia, conforme o temperamento, a educação, o povo, raça e a época. 
Grande foi a influência da música sobre a mente humana. O homem primitivo dispõe apenas de poucas palavras. Quase somente o que ele vê é que tem nome. Para exprimir os sentimentos, serve-se de sons e cria a música que o ajuda a exteriorizar o Júbilo, a tristeza, o amor, os instintos belicosos, a crença nos poderes supremos e a vontade de dançar. 

Para ele é parte da vida a música, desde o acalante até a alegria fúnebre, desde a dança ritual até a cura do doente pela melodia e pelo ritmo. O efeito música sobre o homem diminui no decorrer dos milênios; apesar disso, podem ser encontrados nos tempos históricos e até na atualidade interessantes exemplos do seu poder. 

Davi toca harpa para afugentar os maus pensamentos do rei Saul; Farinelli, com o auxilio da música, cura a terrível melancolia de Felipe V.; Timóteo provoca, por meio de certa melodia, a fúria de Alexandre, o grande, e acalma-o por meio de outra. 

Os sacerdotes celtas educam o povo com música; somente eles conseguiram abrandar os costumes selvagens. Santo Agostinho conta que um pastor foi, em virtude das suas melodias, eleito imperador. 

Na literatura moderna, vemos numerosas obras de psicologia profunda em que as mais fortes excitações sentimentais são provocadas pela influência da música. 

A música é, nas mãos dos homens, um feitiço o seu efeito se estende desde o despertar dos mais nobres sentimentos até o desencadeamento dos mais baixos instintos, desde a concentração devotada até a perda da consciência que parece embriaguez, desde a veneração religiosa até a mais brutal sensualidade. 

Na verdade, muita coisa está envolvida na escolha da música para cada situação, pôr exemplo: Uma música relaxante tranquiliza e propicia a meditação. O estimulo musical é aprendido e assimilado em nível celular. O relaxamento ocorre tanto em nível fisiológico quanto psicológico. O corpo, até onde podemos verificar, parece adquirir aptidão para expressar sua própria natureza e harmonia interna. Um dos meus ditados favoritos sobre a vida harmoniosa comenta Estevem, é “som Saúde” e começo em casa. 

Relaxamento, considerado por muitas autoridades médicas como condição essencial para conseguir e manter a saúde pode ser facilmente aprendido e praticado em casa. Se você teve um dia de ruído estressante no trabalho, merece o prazer de música agradável e relaxante, escolha o que parecer melhor para você para fins de relaxamento. Ouça especialmente música tranquilizadora na qual a própria música relaxa o sistema nervoso, em lugar de deixá-lo mais nervoso ainda. Desse modo, o corpo maneja o fluxo de energia numa maior eficácia do que com a música com forte padrão rítmico. 

Algumas pessoas conseguem aliviar dores de cabeça devidas às tensões sem tomar remédios, apenas se concentrado totalmente na música. 

Na medicina do som, grande parte da cura de que se fala hoje é na verdade uma auto cura. Realmente, muitos médicos admitem que eles não fazem a cura, apenas ajudam o organismo a se libertar de um problema que impede que o corpo se cure por si mesmo.. “Em toda história” escreve o Dr. David E. Bresler, a “música tem sido incorporada em muitos rituais de cura. 

Estudos científicos recentes demonstraram que a música equilibra o metabolismo do corpo, a atividade muscular e a respiração influenciam também à velocidade do pulso e a pressão sangüínea, além de minimizar os efeitos da fadiga. “Outros estudos sugerem que a música pode até mesmo diminuir o colesterol na corrente sanguínea” e outras tantas deficiências do organismo como também para mentes conturbadas. 

Mostrou a investigação diz David Tame que a música influi na digestão nas secreções internas, na circulação, na nutrição e na respiração. Verificou-se que a rede nervosa do cérebro são sensíveis aos princípios harmônicos. O Corpo é afetado de acordo com a natureza da música cujas vibrações incidem sobre ele. 

Certamente não há dúvidas de que a música transmite estados emocionais muito reais e, às vezes, muito específicos do músico ou do compositor ao ouvinte. Eis porque, de tempos a tempos, os pensadores têm afirmado que a música é uma forma de linguagem.

Já, na Maçonaria, a música é um preceito ritual. Os Rituais recomendam que aja música durante a realização das sessões maçônicas, para que o espírito fique mais apto a captar a atmosfera esotérica das reuniões.

O Maçonólogo Dangler Travassos Guimarães orienta que o fundo musical, deve ser ouvido desde o inicio quando na sala dos passos perdidos, com melodias que elevem os presentes aos mais altos paramos*, preparando-os para o inicio dos trabalhos.

No Átrio, onde se deve entrar já paramentado e com as insígnias, a melodia pode ser religiosa por ser um local onde todos se limpam mental e espiritualmente para a entrada no Templo, por que nenhuma reunião de elevação espiritual deve ter início com pessoas despreparadas, sob pena de ser até prejudicial e sentida a baixa vibração e consequentemente, nada de positivo ser aproveitado.

É no Átrio, que o maçom faz sua preparação espiritual para os trabalhos, deixando para trás, as coisas do mundo profano, fazendo sua introspecção. O Mestre de cerimônias ao comandar para abrir a porta do Templo todos já conscientes preparados (limpos espiritualmente) para entrar no Templo sagrado, deve o Mestre de harmonia, nesse momento  colocar o fundo musical de uma melodia suave.

Na abertura da bíblia, que seja executada uma melodia de “Câmara” e nos giros do mestre de cerimônia e do irmão hospitaleiro a melodia deve ser suave, convidativa a uma meditação porque é o momento em que os irmãos se conscientizam do que estão praticando.

Terminados os trabalhos com o fechamento do Livro da Lei, as melodias podem ser alegres e assim por diante. O ideal desejável é que todas as lojas dispusessem de vasto repertório de músicas maçônicas, isto é, músicas compostas exclusivamente para Ritualística Maçônica que, através de discos, fitas, o mesmo de partituras seriam executadas durante as sessões, a realidade, infelizmente está muito longe desse ideal. 
Se, por um lado, são pouquíssimas as lojas que tem uma coluna de harmonia bem estruturada, por outro, são pouquíssimas, na literatura musical, as músicas rotuladas “maçônicas”. 

Encontramos lojas que o Mestre de Harmonia coloca músicas cantadas ou músicas outras que acha bonita. Pensa que está contribuindo para a harmonia da sessão, a Egrégora, mas não. Ele sugere músicas maçônicas como Mozart, Beethoven, Amadeus e outras mais atuais, que não cantadas, mas que tenham um sentido suave e que leve a todos os presentes à meditação ou a tranquilidade de espírito. 

O Mestre de harmonia deverá entender a psicologia da harmonia na maçonaria. Se colocar uma música gregoriana, estará induzindo a sentimentos cristãos. Se for hino evangélico a sentimento de sua religião. 

Por isso que as músicas não poderão ter cunho sectário, para não desviar a Egrégora Maçônica a um sentimento religioso ou de culpa. Ou outro tipo de melodia que leve o irmão a fazer imagens mentais que o tire da Egrégora pelo efeito dos sons daquele ritmo. Por esse motivo as músicas devem ser neutras. 

A melodia maçônica deve ser aquela que induza ao irmão a entrar dentro de Si, se elevando á uma reflexão de seu EU. E não a uma música que faça com que seu pensamento saia de si para ir ao ambiente da qual, costumeiramente é tocada. A música mexe no comportamento do SER. Uma melodia romântica faz com que fiquemos pensativos e até nos faz chorar. Depende da sensibilidade de cada um. Já um samba, faz o corpo balançar automaticamente, e assim por diante. Portanto, em loja o Mestre de Harmonia deve ser sensível ao conhecimento da harmonia a ser executada. Pois, a Egrégora depende muito do conjunto das músicas executadas durante uma sessão. 

Assim perguntou um aluno a seu professor:

– Mas, o que é música?

E o mestre respondeu-lhe: 

– “A música é um fenômeno acústico para o prosaico. Um problema de melodia, harmonia e ritmo para o teórico; e o desdobramento das asas da alma, o despertar e a realização de todos os sonhos e anseios de quem verdadeiramente a ama”.

Autor: Carlos M. Pantanali

Fonte: JB News

Screenshot_20200502-144642_2

Estimado leitor, contribuindo a partir de R$ 2,00 você ajuda a manter no ar esse que é um dos blogs maçônicos mais conceituados no Brasil. Clique no link abaixo e apoie nosso projeto! Contamos com você!

https://apoia.se/opontodentrodocirculo

%d blogueiros gostam disto: